F

Publicado em 04/11/2020 10h06
  • Faixa de Domínio de Dutos

    Faixa de largura determinada, na qual estão dutos de petróleo, seus derivados ou gás natural, enterrados ou aéreos, bem como seus sistemas complementares, definida em decreto de declaração de utilidade pública. (Fonte: Portaria ANP nº 125, de 5/8/2002)

  • Faixa de Dutos ou Faixa

    Área de terreno de largura definida, ao longo da diretriz dos Dutos, legalmente destinada à construção, montagem, operação, inspeção e manutenção dos Dutos. (Fonte: Resolução ANP nº 6/2011)

  • Falha de Sistema

    Acontecimento no qual o desempenho do sistema de medição não atende aos requisitos do regulamento técnico de medição ou das normas aplicáveis. (Fonte: Resolução Conjunta ANP/Inmetro nº 1, de 10/6/2013)

  • Falha Presumida

    Situação na qual existem indícios de falha tais como regulagens e ajustes não autorizados ou variação dos volumes medidos que não corresponda a variações nas condições de operação das instalações de petróleo e gás natural. (Fonte: Resolução Conjunta ANP/Inmetro nº 1, de 10/6/2013)

  • Família de Produtos

    Agrupamento de diversos Bens ou Materiais sejam eles produtos em série ou configuráveis, com características técnicas similares, de produção específica e que se destinam a mesma finalidade de aplicação. (Fonte: Resolução ANP nº 19/2013)

  • Fase de Exploração

    Período de tempo que se estende desde a assinatura do Contrato de Concessão, Cessão Onerosa ou Partilha da Produção até o término do período exploratório, conforme definido em Contrato. (Fonte: Resolução ANP nº 27, de 16/6/2016)

  • Fase de Poço

    Intervalos de poço com mesmo diâmetro de revestimento. (Fonte: Resolução ANP nº 21/2014)

  • Fase de Produção

    Período de tempo definido para produção. (Fonte: Portaria ANP nº 180, de 5/6/2003 e Portaria ANP nº 123, de 18/7/2000)

  • Fator de Calibração do Medidor

    Quociente entre o volume bruto medido, utilizando um sistema de calibração, e o volume registrado por um medidor de fluidos durante um teste de calibração do medidor. (Fonte: Portaria Conjunta ANP/Inmetro nº 1, de 19/6/2000)

  • Fator de Encolhimento

    Volume de petróleo estabilizado nas condições padrões de medição dividido pelo volume de petróleo não-estabilizado nas condições de pressão e temperatura do processo. (Fonte: Resolução Conjunta ANP/Inmetro nº 1, de 10/6/2013)

  • Fator de Recuperação

    Razão entre o volume recuperável e o volume original, ou seja, o percentual do volume original que se espera produzir de um reservatório. Volume de óleo ou gás de um reservatório que irá ser produzido, no processo de produção primária, por injeção de água ou por algum método de recuperação avançada. O fator de recuperação é muito variável, dependendo da densidade e viscosidade do óleo, da permeabilidade e heterogeneidade do reservatório, entre outros fatores. (Fonte: Dicionário do petróleo em língua portuguesa)

  • Fator do Medidor

    Quociente entre o volume bruto medido, utilizando um medidor padrão de trabalho ou padrão de referência, e o volume medido por um medidor em operação durante uma calibração, sendo ambos referidos às mesmas condições de temperatura e pressão, ou ainda o quociente entre o volume bruto medido, utilizando um padrão de referência, e o volume medido por um medidor padrão de trabalho durante uma calibração, sendo ambos referidos às mesmas condições de temperatura e pressão. (Fonte: Resolução Conjunta ANP/Inmetro nº 1, de 10/6/2013)

  • Ferimento Grave

    Qualquer ocorrência, decorrente de fato ou ato intencional ou acidental, envolvendo: a) fratura (excluindo de dedos); b) amputação; c) perda de consciência devido à asfixia ou à exposição a substâncias nocivas ou perigosas; d) lesão de órgãos internos; e) deslocamento de articulações; f) perda de visão; g) hipotermia ou outras doenças relacionadas à exposição à temperaturas extremas; ou h) necessidade de internação por mais de 24 (vinte e quatro) horas.  (Fonte: Resolução ANP nº 44/2009)

  • Ficha Cadastral de Sobreaviso no Abastecimento

    Formulário por meio do qual os agentes informam à ANP seus representantes para efeitos do cumprimento desta Resolução. (Fonte: Resolução ANP nº 53/2015)

  • Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico (FISPQ)

    Documento que contém informações sobre produtos químicos (substâncias ou misturas), abrangendo propriedades físico-químicas e cuidados quanto a manuseio, armazenagem, segurança, saúde e meio ambiente. (Fonte: Resolução ANP nº 734/2018)

  • Fiel Depositário

    Empresa nomeada pela ANP ou órgão conveniado para a guarda temporária de bens apreendidos, de cuja integridade será responsável, sendo permitida a colocação desses bens em rodízio operacional. (Fonte: Resolução ANP nº 663/2017)

  • Firma inspetora

    Pessoa jurídica credenciada pela ANP, nos termos da regulamentação da ANP em vigor, sem vínculo societário ou econômico direto ou indireto com agentes que exerçam atividade regulada ou autorizada pela ANP, e que não exerça a representação de agentes que comercializem produtos regulados, para realização de atividades de controle de qualidade dos produtos indicados nesta Portaria e na Portaria ANP nº 315/2001 e de marcação prevista pela Portaria ANP nº 274/2001; (Fonte: Portaria ANP nº 311, de 27/12/2001 alterada pela Resolução ANP nº 45, de 23/11/2010)

  • Flare

    Equipamento utilizado para a queima de gases residuais. É utilizado na operação normal da unidade industrial e é dimensionado para queimar todo o gás gerado na pior situação de emergência.

  • Fluido

    Corresponde a petróleo, condensado, gás, água de formação ou lama de perfuração, obtidos em testes, pré-testes ou exsudações naturais. (Fonte: Resolução ANP nº 725/2018)

  • Fluxograma de Engenharia (P&IDs - Piping & Instrumentation Diagram)

    Documento de projeto de instalação de processamento de petróleo e gás natural que aponta todos os equipamentos, dutos e instrumentos da instalação, contendo um resumo das especificações destes diversos itens. (Fonte: Resolução Conjunta ANP/Inmetro nº 1, de 10/6/2013)

  • Fluxograma de Processo (PFDs - Process Flow Diagram)

    Documento de projeto de instalações de processamentos de petróleo e gás natural que aponta a concepção adotada para o sistema de processamento (equipamentos e correntes dos fluidos) e contém o balanço de material e energia para as diversas condições operacionais do sistema. Normalmente representa também as principais malhas de controle. (Fonte: Resolução Conjunta ANP/Inmetro nº 1, de 10/6/2013)

  • FOB

    Sigla da expressão inglesa Free on Board ("Livre a Bordo"), denomina a cláusula de contrato segundo a qual o frete e o seguro não estão incluídos no custo da mercadoria. Valor FOB é o preço de venda da mercadoria acrescido de todas as despesas que o exportador fez até colocá-la a bordo, incluindo as taxas portuárias, de previdência, da Comissão de Marinha Mercante e outras que incidem sobre o valor do frete. 

  • Fonte Vibratória

    Equipamento transportado por via terrestre para uso como fonte de energia acústica na aquisição de dados sísmicos. (Fonte: Resolução ANP nº 4/2012)

  • Força de Trabalho

    Todo o pessoal envolvido na operação da Instalação, empregados do operador ou das contratadas. (Fonte: Resolução ANP nº 43/2007)

  • Formation Integrity Test (FIT)

    Teste de absorção realizado para verificar a integridade da formação a uma pressão predeterminada. (Fonte: Resolução ANP nº 21/2014)

  • Formulação de Combustíveis

    Produção de combustível líquido, exclusivamente por mistura mecânica de correntes de hidrocarbonetos líquidos. (Fonte: Resolução ANP nº 5/2012)

  • Formulador

    Pessoa jurídica autorizada pela ANP para o exercício da atividade de formulação de combustíveis. (Fonte: Resolução ANP nº 40/2013)

  • Fornecedor

    Refinaria, unidade de processamento de gás natural (UPGN), produtor de biodiesel e importador de combustíveis líquidos, autorizados pela ANP, e central petroquímica. (Fonte: Resolução ANP nº 12/2007)

  • Fornecedor de Corante

    Pessoa jurídica, constituída sob as leis brasileiras, cadastrada na ANP e responsável pelo registro do Corante para o Etanol Anidro Combustível. (Fonte: Resolução ANP nº 19/2015)

  • Fornecedor de Etanol Combustível

     Produtor de etanol com unidade fabril instalada no território nacional; cooperativa de produtores de etanol; empresa comercializadora de etanol; agente operador de etanol; importador de etanol, não podendo, em nenhum dos casos, exercer as atividades de distribuição ou revenda varejista de combustíveis líquidos. (Fonte: Resolução ANP nº 43/2009)

  • Fornecedor de Marcador

    Pessoa jurídica constituída sob as leis brasileiras, cadastrada na ANP, e vencedora do certame destinado a escolher a empresa que atuará como fornecedora de marcador. (Fonte: Resolução ANP nº 13/2009)

  • Fração do Volume de Biocombustível Elegível

    É a fração do volume de biocombustível certificada, que está apta a receber a Nota de Eficiência Energético-Ambiental. (Fonte: Resolução ANP nº 758/2018)

  • Fração Saturada

    Fração do fluido que corresponde aos hidrocarbonetos que possuem apenas ligações simples, representados pelos n-alcanos, isoalcanos ou cicloalcanos. (Fonte: Resolução ANP nº 725/2018)

  • Fraturamento Hidráulico em Reservatório Não Convencional

    Técnica de injeção de fluidos pressurizados no poço, em volumes acima de 3.000 m³, com objetivo de criar fraturas em determinada formação cuja permeabilidade seja inferior a 0,1mD (mili Darcy), viabilizando a recuperação de hidrocarbonetos contidos nessa formação. (Fonte: Resolução ANP nº 21/2014)

  • Frota Cativa de Ônibus Urbanos

    Composta por ônibus que operem linhas regulares de transporte urbano de passageiros dentro de municípios ou de regiões metropolitanas e que seja abastecida em Ponto de Abastecimento autorizado nos termos da Resolução ANP nº 12, de 21 de março de 2007, ou outra que venha a substitui-la. (Fonte: Resolução ANP nº 43/2008)

  • Fuel Oil 1%

    Classificação de óleos combustíveis com teor máximo de enxofre de 1% (um por cento), viscosidade cinemática de 380 (10-6 m2/s (trezentos e oitenta milionésimos de metro quadrado por segundo) a 50 ºC (cinquenta graus Celsius) e densidade entre 965 (novecentos e sessenta e cinco) e 990 kg/m3 (novecentos e noventa quilogramas por metro cúbico). (Fonte: Portaria ANP nº 206, de 29/8/2000)

  • Fuel Oil 3.5%

    Classificação de óleos combustíveis com teor máximo de enxofre de 3,5% (três vírgula cinco por cento), concentração máxima de vanádio de 300 ppm (trezentas partes por milhão), viscosidade cinemática de 380 (10-6 m2/s (trezentos e oitenta milionésimos de metro quadrado por segundo) a 420 (10-6 m2/s (quatrocentos e vinte milionésimos de metro quadrado por segundo) a 50 ºC (cinquenta graus Celsius) e densidade de 965 (novecentos e sessenta e cinco) a 990 kg/m3 (novecentos e noventa quilogramas por metro cúbico). (Fonte: Portaria ANP nº 206, de 29/8/2000)