Emblema do Patrimônio Cultural Brasileiro

Publicado em 17/06/2021 16h57

Emblema do Patrimônio Cultural Brasileiro é um novo marco para a promoção, difusão, sinalização e proteção do Patrimônio Cultural. Agora, os bens reconhecidos em nível nacional possuem uma identidade visual única e comum, a exemplo do que ocorre com o Patrimônio Mundial e Patrimônio Imaterial da Humanidade, da UNESCO, o Patrimônio Cultural do MERCOSUL e o Patrimônio Cultural Europeu.

Gestores de diversos setores e instâncias do poder público, empreendedores, detentores e comunidades locais devem adotar essa nova identidade visual na promoção do Patrimônio Cultural em suas regiões de abrangência, na criação de produtos, na sinalização de suas cidades, na realização de ações educativas, na oferta do turismo cultural, aumentando a visibilidade e promovendo a sustentabilidade desses bens.

Emblema do Patrimônio Cultural Brasileiro contribuirá para que os cidadãos se apropriem e se orgulhem cada vez mais do seu Patrimônio Cultural, enxergando nele inúmeras possibilidades para o desenvolvimento das comunidades que o cercam.

As orientações técnicas para a produção de projetos gráficos, relacionados aos bens culturais declarados Patrimônio no país, estão disponíveis no Manual de Uso e Aplicação do Emblema do Patrimônio Cultural Brasileiro:

Manual de Uso e Aplicação do Emblema do Patrimônio Cultural Brasileiro 
Arquivos Emblema (assinaturas, variações cromáticas)
Fonte Emblema (Alegreya Sans)

 

Para o uso comercial do Emblema, é necessária autorização do Iphan.

Seleção do Emblema:

Emblema do Patrimônio Cultural Brasileiro foi selecionado por concurso público em 2017, ano do 80º aniversário do Iphan, contando com mais de 280 propostas inscritas. Os trabalhos foram avaliados por uma Comissão Julgadora, constituída por representantes de diversas Instituições parceiras do Iphan: Instituto de Arquitetos do Brasil (IAB), Associação Brasileira de Antropologia (ABA), Sociedade de Arqueologia Brasileira (SAB), Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (SEPIR), UNESCO, ICOMOS e Associação dos Designers Gráficos do Brasil. Por meio delas, a diversidade do olhar sobre as propostas foi ampliada, fato importante para alcançar a identidade e a representatividade pretendidas para o Emblema do Patrimônio Cultural Brasileiro. O projeto vencedor é de autoria de Fabio Pinto Lopes de Lima (Fabio Lopez).