Fenilalanina em alimentos

Publicado em 21/09/2020 00h00 Atualizado em 16/10/2020 08h58

 

A fenilalanina é um aminoácido essencial e, por isso, deve ser fornecido pela alimentação. Contudo, nos indivíduos fenilcetonúricos, a sua ingestão deve ser rigorosamente controlada.

A fenilcetonúria ou PKU, como é conhecida mundialmente, é uma doença genética na qual ocorre um aumento dos níveis séricos do aminoácido fenilalanina, causada pela atividade deficiente de uma enzima. A elevação de fenilalanina no sangue tem efeito neurotóxico e suas sequelas são graves, mas evitáveis, caso os pacientes recebam assistência dietoterápica adequada e precoce.

O tratamento da fenilcetonúria é essencialmente dietético e visa o controle dos níveis séricos da fenilalanina para que não atinjam valores neurotóxicos, mas que sejam adequados para o crescimento e desenvolvimento saudáveis. A alimentação com baixo teor de fenilalanina deve ser introduzida no primeiro mês de vida e mantida pela vida inteira. A adesão dietética é a que promove o melhor resultado a longo prazo no crescimento, comportamento e cognição do fenilcetonúrico. No entanto, é um dos fatores mais críticos a serem abordados, pois a lista de alimentos proibidos é extensa e engloba muitos dos produtos que fazem parte dos hábitos alimentares dos brasileiros. A dieta dos fenilcetonúricos é, portanto, monótona, dispendiosa e pouco palatável.

Assim, a adesão dietética é um desafio para o tratamento desses indivíduos, tornando essenciais os esforços para a melhoria de sua qualidade. Mas, para isso, é essencial dispor de informação sobre a quantidade de fenilalanina presente em alimentos in natura e em produtos alimentícios industrializados, visando melhorar a terapia nutricional e a integração social desses indívíduos. A disponibilidade não é o único desafio, pois a informação deve ser confiável, ou seja, obtida a partir de metodologias analíticas adequadas.

Reconhecendo essa necessidade, a Anvisa desenvolveu uma tabela de conteúdo de fenilalanina em alimentos, tanto in natura quanto industrializados, para servir de guia e de referência aos profissionais de saúde que prescrevem, elaboram dietas e realizam o acompanhamento clínico desses pacientes. Essa responsabilidade é compartilhada com as indústrias de alimentos que são obrigadas, conforme disposições da Resolução-RDC nº 19, de 2010, a encaminhar à Anvisa a quantidade de fenilalanina presente em alimentos com teor de proteína entre 0.1 a 5%. Após a revisão dos dados enviados pelas empresas, a Agência acrescenta as novas informações na tabela.

A tabela contém dados de fenilalanina de 74 alimentos in natura e mais de 2.000 produtos industrializados. No entanto, a utilização de informações nutricionais como ferramenta para a promoção de práticas alimentares depende de sua compreensão e interpretação pelo público a que se destina. Por isso, em dezembro de 2018 a Anvisa se reuniu com representantes de associações de pacientes fenilcetonúricos e alguns profissionais de saúde no intuito de avaliar a usabilidade da atual tabela disponível no portal eletrônico da agência. 

A partir das informações geradas na oficina, a Anvisa trabalhou em uma nova proposta de apresentação do conteúdo de fenilalanina em alimentos por meio de um Painel com opções de consulta por produto, marca e categoria, além da possibilidade da busca pela quantidade específica de fenilalanina. Tem-se a expectativa de que esse Painel facilite a busca de informações sobre o teor de fenilalanina em alimentos contribuindo com a melhora da qualidade de vida dos fenilcetonúricos. 

Sugestões de melhorias são bem vindas e podem ser enviadas por meio dos canais de atendimento da Anvisa.

 

Como utilizar o Painel?

O Painel foi desenvolvido com o objetivo de fornecer informações sobre o teor deste aminoácido nos alimentos, tanto in natura quanto industrializados, de acordo com o disposto na RDC nº 19/2010. 

O uso das informações disponibilizadas no Painel deve ser orientado pelo profissional que acompanha o paciente.

O Painel é uma ferramenta intuitiva e possui:

  1. Lista de todos os produtos in natura  e industrializados que atendam os requisitos da RDC nº 19/2010 e foram notificados para a Anvisa pelos seus fabricantes.
  2. Consulta por categoria de alimentos;
  3. Consulta por nome do produto;
  4. Consulta por marca do produto;
  5. Filtro por quantidade de fenilalanina;

 

O usuário pode utilizar um único campo de consulta ou filtro, ou fazer combinações com os mesmos. É importante lembrar de retirar os filtros para a realização de novas consultas.

O resultado sempre aparecerá na lista que contém: Nome do Produto, Marca do Produto e Qtd. Máxima de Fenilalanina (mg/100g).

 
Saiba mais:
Esclarecimentos sobre a fenilcetonúria
       (Informe técnico nº 49/2012)

Processo de construção da tabela
Grupo de Trabalho
RDC nº 19/2010
      - Dispõe sobre a obrigatoriedade das empresas informarem à ANVISA a quantidade de fenilalanina, proteína e umidade de alimentos, para elaboração de tabela do conteúdo de fenilalanina em alimentos, assim como disponibilizar as informações nos sítios eletrônicos das empresas ou serviço de atendimento ao consumidor (SAC). 

Perguntas Frequentes sobre análise de fenilalanina em alimentos