Polos de Irrigação

Publicado em 20/02/2020 13h28 Atualizado em 17/08/2020 16h21

. FOTO: ADALBERTO MARQUES/MDRA Portaria MDR n° 1.082, de 25 de abril de 2019, estabelece a iniciativa Polos de Produção Irrigada como parte integrante das ações de implementação da Política Nacional de Irrigação e de incentivo ao desenvolvimento regional, indicando as ações para reconhecimento dos polos.

Nessa perspectiva, a proposta da iniciativa Polos de Produção Irrigada traz uma nova abordagem quanto da Política Nacional de Irrigação, ou seja, trata-se de um planejamento que incorpora a dimensão setorial da irrigação a visão do desenvolvimento regional em que as demandas dos diversos atores que possuem nexos com a atividade são organizadas a partir da abordagem bottom-up, com a elaboração de uma carteira de projetos e priorização das principais demandas.

De forma resumida, a proposta de implantação dos polos apresenta quatro fases importantes: i) seleção prévia dos polos; ii) realização da oficina de planejamento e reconhecimento; iii) indicação dos projetos a serem priorizados; e iv) implementação e acompanhamento dos projetos.

Como a premissa básica é apoiar o setor, a seleção prévia dos polos passa pela avaliação de alguns requisitos no MDR, tais como: presença de associação de irrigantes, relevância da produção irrigada para a região e potencial de expansão ou de aumento de produtividade com a adoção de técnicas mais eficientes de irrigação.

Após a análise para seleção do polo, realiza-se a oficina de planejamento e criação. Essa oficina obedece a uma metodologia estruturada que possibilita a definição da área de abrangência, da visão de futuro, da elaboração da matriz de pontos fortes e fracos, e da elaboração da carteira de projetos. Ao final é indicado um Grupo Gestor que apontará os projetos prioritários, buscará formas de apoio à execução dos projetos e fará o acompanhamento das ações da carteira em interlocução direta com MDR.

Importa destacar que a Carteira de Projetos é construída a partir dos seguintes eixos: 1) Apoio técnico, pesquisa e desenvolvimento; 2) Infraestrutura; 3) Normativo e meio ambiente; e 4) Comercialização, agregação de valor, financiamento e seguro.

Para a realização da oficina e construção da carteira de projetos a metodologia dos Polos exige boa mobilização do setor, com a participação efetiva de produtores irrigantes, representantes de associações, e de diversos setores governamentais e não governamentais. Essa participação ajudará na designação de pontos focais que ficarão responsáveis pela busca de soluções aos problemas identificados e potencializar os pontos fortes no polo.

O Ministério do Desenvolvimento Regional já reconheceu quatro Polos Nacionais e que já fazem parte da iniciativa. São eles: