Notícias

#SNC2021

MCom investe na modernização tecnológica do setor de radiodifusão

Televisão brasileira passa por novas fases de inovação. Saiba o que já está disponível no mercado e o que vem por aí
Publicado em 04/05/2021 19h34 Atualizado em 04/05/2021 20h03
051_bc_radiodifusao.png

Um dos compromissos assumidos pelo Ministério das Comunicações (MCom) com a população brasileira é a conclusão da transição do sinal analógico para o digital até dezembro de 2023.

Essa transição é indispensável para que a população tenha acesso às mais novas tecnologias de radiodifusão. Com o objetivo de estimular a digitalização e, por conseguinte, a modernização do setor de radiodifusão brasileiro, o MCom divulgou, nesta terça-feira (4) da Semana Nacional das Comunicações, tecnologias que trazem o diferencial de aperfeiçoar a qualidade do áudio e da imagem, além de oferecer aos telespectadores interatividade entre o conteúdo da internet e o da televisão.

A promoção das novas tecnologias de radiodifusão faz parte de um esforço do presidente da República, Jair Bolsonaro, em alinhamento com o MCom, de acordo com o ministro das Comunicações, Fábio Faria: “O governo do presidente Jair Bolsonaro tem feito muito pelos setores de radiodifusão e de telecomunicações. Todos os dias conversamos, alinhamos as políticas. Ele merece os louros do que estamos promovendo”.

O que já se pode adquirir hoje

Atualmente, é possível encontrar no mercado duas tecnologias que otimizam a experiência audiovisual dos telespectadores. Tratam-se do áudio imersivo – que é o nome mais conhecido no mercado para o suporte da TV digital aos padrões de som mais avançados, MPEG-H, E-AC-3 JOC e AC-4 – e do HDR, que traz melhorias para a imagem por meio dos novos padrões técnicos SL-HDR1 e HLG 8-bit.

O áudio imersivo está disponível em algumas televisões comercializadas no Brasil desde 2019, além do aparelho conhecido como soundbar. Com essa tecnologia, o usuário tem a experiência de personalização do som, possibilitando o direcionamento e ajustes, como a trilha sonora de uma novela ou a audiodescrição.

Além dessas tecnologias, há também a DTV Play, que oferece maior interatividade entre o conteúdo que chega pelo ar e aquele que está disponível na internet. A previsão é que 30% das televisões produzidas no país neste ano já venham de fábrica com essa tecnologia.

“Com a DTV Play será possível ter um celular smartphone em sua mão e, por meio dele, poder interagir com o conteúdo que está sendo recebido na televisão”, afirma o secretário de Radiodifusão do MCom, Maximiliano Martinhão.

Próximo passo da evolução da TV

Trazer mais interatividade e oferecer transmissão de conteúdo com maior qualidade de imagem e de som são alguns dos passos em direção à próxima transformação da experiência de assistir televisão no Brasil.

Isso porque, ao mesmo tempo em que promove a digitalização do sinal de TV, o MCom vai financiar estudos, em cooperação com o Fórum do Sistema Brasileiro de TV Digital Terrestre (SBTVD), para que, num futuro próximo, seja comercializado o modelo de TV 3.0, que é a geração mais atual de televisão disponível no mundo.

“Estamos muito contentes com esse acolhimento do Governo Federal, que compreendeu a necessidade de se pensar no futuro para as próximas gerações. A TV da próxima década ganha um reforço importante com essa parceria”, destacou o presidente do Fórum SBTVD, Luiz Cláudio Costa.

Com a TV 3.0, o usuário terá acesso a mais possibilidades de interação entre a televisão, a internet e outros aparelhos eletrônicos, com mais recursos de acesso a conteúdos por aplicativos disponibilizados pelas emissoras de televisão.

Além disso, de acordo com Luiz Fausto, coordenador do Módulo Técnico do Fórum SBTVD, esse modelo permite áudio personalizável, oferecendo qualidade superior à atual tanto no som quanto na imagem.

“A radiodifusão no Brasil precisa evoluir da mesma forma que as outras mídias de comunicação. Por isso estamos investindo nessa modernização e oferecendo mais alternativas aos telespectadores”, destaca o Secretário de Radiodifusão, Maximiliano Martinhão.

Texto: Ascom/Ministério das Comunicações