Notícias

Assistência

Inaugurada Unidade Básica de Saúde Indígena no Distrito Sanitário Alto Rio Juruá (AC)

Estrutura deverá beneficiar cerca de 700 indígenas da etnia Puyanawa
Publicado em 20/07/2021 18h10
Inaugurada Unidade Básica de Saúde Indígena no Distrito Sanitário Alto Rio Juruá (AC)

Local conta com consultório médico e odontológico, laboratório de endemias, sala de vacinação e farmácia para dispensação de medicamentos. - Foto: Divulgação/Sesai

Foi inaugurada, nessa segunda-feira (19), a primeira Unidade Básica de Saúde Indígena (UBSI) do Distrito Sanitário Especial Indígena (DSEI) Alto Rio Juruá, no Acre. A estrutura conta com consultório médico e odontológico, laboratório de endemias, sala de vacinação e farmácia para dispensação de medicamentos com receituários.

No local, será possível fazer pré-natal, exames preventivos e atendimentos médico e odontológico continuados. Localizada no município de Mâncio Lima, a unidade deverá atender uma população de aproximadamente 700 indígenas da etnia Puyanawa das aldeias Ipiranga e Barão. A Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai), do Ministério da Saúde, ficará responsável pela UBSI.

“Inaugurar um posto de saúde como este é a prova de que a gente está no caminho certo, um trabalho feito em parceria com a prefeitura municipal e com emenda parlamentar. A Sesai garante a manutenção da UBSI, tanto na estrutura física quanto na disponibilização de profissionais de saúde”, afirma o secretário especial de Saúde Indígena (Sesai) do Ministério da Saúde, Robson Santos da Silva.

Outras três UBSI deverão ser entregues em breve, sendo que uma já está em construção e mais duas estão em processo de licitação para atender aldeias com maior densidade populacional.

De acordo com a coordenadora do DSEI Alto Rio Juruá, Iglê Monte da Silva, o objetivo é oferecer um atendimento de qualidade e mais humanizado para a população indígena. “Estamos trabalhando também para ter mais pontos de referência dentro das aldeias, pois o acesso é bem difícil, as aldeias são bem distantes”, afirma.

 

Com informações do Ministério da Saúde