Notícias

Pátria Vacinada

Pessoas com doenças crônicas neurológicas são incluídas nos grupos prioritários da vacinação Covid-19

A atualização do Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação também traz novas orientações para grávidas
Publicado em 21/05/2021 11h48
Doenças crônicas neurológicas

A atualização do PNO também acrescentou a vacina da Pfizer/BioNTech na lista de imunizantes atualmente em uso no Brasil - Foto: Rodrigo Nunes/MS

Pessoas com doenças crônicas neurológicas agora fazem parte do público-alvo da vacinação contra a Covid-19. A inclusão do grupo na lista de comorbidades foi realizada, nesta quinta-feira (20), com a atualização do Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação contra a Covid-19 (PNO).

Com isso, portadores de doenças cerebrovascular (acidente vascular cerebral isquêmico ou hemorrágico, ataque isquêmico transitório e demência vascular), doenças neurológicas crônicas que impactem na função respiratória, doenças hereditárias e degenerativas do sistema nervoso ou muscular, e indivíduos com deficiência neurológica grave, paralisia cerebral, esclerose múltipla, ou condições similares, já podem se vacinar contra a Covid-19 em todo País.

A atualização do PNO acrescentou a vacina Covid-19 da Pfizer/BioNTech na lista de imunizantes atualmente em uso no Brasil, juntamente com orientações e especificações técnicas. As novas recomendações para vacinação de gestantes e puérperas também foram acrescentadas ao documento. A orientação do Ministério da Saúde é de que sejam vacinadas apenas grávidas com comorbidades.

Devem ser utilizados somente os imunizantes Coronavac/Butantan, ou Pfizer/BioNTech. Aquelas que tomaram a primeira dose a vacina AstraZeneca, que aguardem o fim da gestação e do período puerpério (até 45 dias após o parto) para completar o esquema vacinal com o mesmo imunizante.

Entregas de vacinas

Nesta semana chegaram ao Brasil mais 629,4 mil doses de vacina Covid-19 da Pfizer/BioNTech. Com essa nova remessa, o Brasil já recebeu mais de 2,8 milhões de doses da farmacêutica. 

Com informações do Ministério da Saúde