Notícias

Universidades produzem conhecimento e inovação, destaca ministro

Marcos Pontes participou, nesta sexta-feira (20), de inauguração de obras na Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD)
Publicado em 20/11/2020 18h23 Atualizado em 20/11/2020 18h46
50625139038_376603a048_k.jpg

Foto: Neila Rocha

O ministro da Ciência, Tecnologia e Inovações, Marcos Pontes, destacou o papel das universidades na produção de conhecimento e inovação no país, nesta sexta-feira (20), durante cerimônia virtual de inauguração de obras na Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD), em Mato Grosso do Sul. “A universidade é onde se produz conhecimento e novas ideias são discutidas. Isso é extremamente importante para o desenvolvimento e a geração de riquezas para o país.”

Segundo o ministro, universidade e professores ajudam milhares de jovens que ingressam todos os anos no ensino superior em busca de uma carreira de sucesso. “Essa estrutura que estamos inaugurando hoje certamente vai cooperar para que esses sonhos sejam realizados”, afirmou Marcos Pontes.

Uma das obras inauguradas pela UFGD foi construída com recursos da Financiadora de Inovação e Pesquisa (Finep), empresa pública do MCTI, o Centro de Laboratórios Finep/UFGD. O ministro ressaltou a importância da atuação da Finep no fomento à inovação e pesquisa em todo o país, além do trabalho alinhado com o Ministério da Educação (MEC).

Durante o evento, a UFGD inaugurou também o Instituto de Pesquisas Ambientais e Tecnológicas (Ipamtec); Faculdade Intercultural Indígena(Faind II); Usina Fotovoltaica ; Bloco de Laboratório Multidisciplinar de Engenharia Civil; e Prefeitura Universitária. As obras foram realizadas com recursos destinados pelo Ministério da Educação.

O ministro da Educação, Milton Ribeiro, disse que realizar entregas úteis à população é um momento especial. Segundo ele, o ano de 2020 foi atípico e difícil para a área educacional. “Mas é na dificuldade que se conhece a capacidade de bons gestores”, ressaltou.

A cerimônia contou com a participação da reitora da UFGD, Mirlene Damázio, do senador Nelson Trad (PSD-MS), além de outros parlamentares e autoridades do setor de educação do Mato Grosso do Sul.

Foto: Neila Rocha

Inovação

Em outro evento nesta sexta-feira (20), o ministro fez uma palestra na 34ª reunião do Sistema Regional de Inovação Oeste do Paraná - SRI Iguassu Valley. Durante o encontro virtual, Marcos Pontes fez um resumo das diversas áreas de atuação e projetos do MCTI. Entre os destaques, o ministro detalhou a atuação do ministério no enfrentamento da Covid-19 e relatou as cinco prioridades estabelecidas para o período 2020-2023.

Marcos Pontes explicou que dentro de Tecnologias Habilitadoras, o MCTI conta com ações em inteligência artificial, internet das coisas, materiais avançados, nanotecnologia e biotecnologia. O ministro também enfatizou a importância da Estratégia Brasileira de Transformação Digital, que inclui câmaras 4.0 nas áreas de saúde, indústria, agro e cidades inteligentes.

A reunião virtual contou com a moderação do coordenador do SRI Iguassu Valley, Jadson Siqueira, e a participação do gerente do Sebrae Oeste do Paraná, Augusto Cesar Stein. O Sistema Regional de Inovação atua na forma de uma rede colaborativa na Região Oeste, que integra três parques tecnológicos sediados em Cascavel, Foz do Iguaçu e Toledo. Esse ecossistema articula cerca de cem empresas inovadoras, mais de 40 organizações de apoio e crédito, 14 habitats de inovação, 25 instituições de ensino e seis governanças.

Medicina Aeroespacial

O ministro também participou da abertura do IX Congresso Brasileiro de Medicina Aeroespacial, a convite do presidente da Sociedade Brasileira de Medicina Aeroespacial, Flávio Tsuyoshi Suto. Marcos Pontes contou um pouco sobre sua experiência como piloto e no voo espacial. Ele detalhou toda a preparação e cuidados com a parte física e emocional a que os pilotos são submetidos e devem estar atentos.

Segundo a astronauta, a preparação para um voo espacial exige conhecimento técnico, mas também condicionamento físico, preparo emocional e cuidados com a parte fisiológica dos tripulantes. Marcos Pontes lembrou que é preciso cuidados com alimentação e remédios, além de ter de realizar vários exames para não ter surpresas no espaço. “Como piloto, o médico está ali para proteger nossa saúde e fazer com que você voe mais”, afirmou.