Notícias

ENTRE MARES

Estudo analisa efeitos do petróleo em insetos aquáticos

Informações colhidas na pesquisa podem servir para protocolos a serem usados em possíveis futuros acidentes
Publicado em 12/02/2021 12h14 Atualizado em 26/02/2021 16h58

Uma pesquisa desenvolvida pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) analisa se a presença de petróleo no litoral do Nordeste brasileiro causou anomalias morfológicas em larvas e adultos de Chironomidae, um tipo comum de inseto aquático. Com o apoio do Programa CAPES – Entre Mares, da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES), o estudo analisa cinco populações da espécie Thalassomya gutae (T. gutae), pertencente ao grupo.

Lívia Maria Fusari, coordenadora do projeto, atua no Departamento de Hidrobiologia do Laboratório de Entomologia Aquática (LEA) e é vinculada ao Programa de Pós-Graduação em Ecologia e Recursos Naturais da UFSCar. Seu trabalho é feito a partir da análise da forma do corpo desses mosquitos e por estudos moleculares – morfologia geométrica e marcadores de moléculas. Os dados obtidos com os animais que foram expostos ao óleo serão comparados às informações coletadas antes do acidente.

Como inovação, a pesquisa testará o uso desses insetos como um indicador eficiente para outros acidentes desse tipo. Assim, “com o conhecimento obtido nesse estudo, será possível desenvolver um protocolo a ser usado no futuro”. Segundo Fusari, estudos como estes são raros, “havendo a falta de dados recentes sobre as populações dos ambientes que sofreram grande impacto, o que dificulta ações serem propostas logo após esses acidentes”.

A pesquisadora espera ter resultados claros, publicá-los em revistas científicas internacionais e “com a disponibilidade desses dados, ser útil para tomadas de decisões que auxiliem as políticas públicas e ambientais, assim como a formação de recursos humanos”.

Lívia Fusari enalteceu a importância do apoio da CAPES para o desenvolvimento do projeto e aproveitou para lembrar que, independentemente da pandemia, a ciência não parou, “mesmo as áreas que não são ligadas à saúde”. Ela reforçou que, apesar das limitações, “os pesquisadores estão trabalhando em seus projetos, ainda que em ritmo mais lento, se adaptando dentro das possibilidades e gerando conhecimento”.

CAPES – Entre Mares
A iniciativa apoia programas de pós-graduação stricto sensu que possuam em suas linhas de pesquisa correlação com o combate, a análise do impacto e a proposição de soluções para o derramamento de óleo ocorrido em agosto de 2019 nas praias brasileiras, especialmente na região Nordeste.

Legenda das imagens:
Imagem 1:As informações colhidas nos animais que foram expostos ao óleo serão comparadas a outras de antes do acidente (Foto: Arquivo pessoal)
Imagem 2: Lívia Fusari coordena o projeto e trabalha com morfologia e taxonomia de insetos aquáticos (Foto: Arquivo pessoal)

A CAPES é um órgão vinculado ao Ministério da Educação (MEC).
(Brasília – Redação CCS/CAPES)
A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura CCS/CAPES