Notícias

Comitê Nacional para os Refugiados capacita mulheres migrantes no Paraná

Curso ensina conceitos básicos de educação financeira a 35 refugiadas, apátridas, solicitantes de refúgio e vítimas de violência doméstica
Publicado em 06/04/2021 09h21
Comitê Nacional para o Refugiados capacita mulheres migrantes no Paraná.png

Brasília, 06/04/2021 - A Coordenação-Geral do Comitê Nacional para os Refugiados, do Ministério da Justiça e Segurança Pública (Conare/MJSP), capacitou cerca de 35 mulheres migrantes e brasileiras, em educação financeira, no Paraná. Objetivo é promover a formação básica em Gestão de Finanças Pessoais, com conceitos básicos de juros, poupança, investimentos, como sair do endividamento, organização orçamentária e planejamento. O curso foi ministrado em 2 aulas on-line.

Segundo o coordenador-geral do Conare, Bernardo Laferté, o curso é interativo e visa aproximar o tema da realidade do público, além de facilitar a compreensão da matéria. “Emprega-se uma apresentação guia e o público é estimulado a participar o tempo todo com dúvidas e experiências de vida relacionadas ao assunto”, explica.

A capacitação on-line surgiu a partir de uma solicitação da Universidade Federal do Paraná (UFPR), que sentiu a necessidade de prover a formação para mulheres migrantes de uma casa de acolhimento. São refugiadas, apátridas, solicitantes de refúgio e vítimas de violência doméstica, assistidas pela Instituição. O pedido pode ser feito por qualquer instituição do país que queira cursos de capacitação sobre educação financeira para este público.

A professora e coordenadora do projeto, Tatyana Scheila Friedrich, explica que a iniciativa visa capacitar mulheres, mais especificamente as mães, devido às suas situações peculiares de vulnerabilidade física, emocional e econômica. “Elas necessitam de conhecimentos básicos de planejamento familiar, pautado na escolha e liberdade financeira, adequando a renda com sua verdadeira realidade. Acredita-se que com o passar do tempo, realocação ao mercado de trabalho e acesso às informações sobre os direitos da mulher, teriam mais oportunidades de retomarem seus estudos, trazendo a estabilização familiar, social e econômica, oportunizando uma nova geração’, explica.

O projeto foi idealizado para que essas mulheres tenham condições de se auto-organizarem financeiramente e se reabilitarem, utilizando o conhecimento adquirido em sua própria gestão familiar, pessoal e profissional. Segundo a professora Tânia Savariego, o curso foi recebido pelas mulheres da casa como um grande evento. “Recomeçar por meio da educação é o início estratégico na vida de toda mulher que deseja encerrar ciclos violentos e desarmoniosos na gestão familiar. Não se trata de um curso básico sobre finanças pessoais, e sim da esperança de uma mulher que quer e precisa crescer em várias sendas do conhecimento humano”, conta.

Para a assistente social da casa de acolhimento, Viviane Silva, a capacitação proporcionou às mulheres dialogar e pensar no uso adequado do dinheiro a partir das suas próprias experiências. “Elas estão há meses sem trabalho, sendo necessário repensar seus gastos. É importante ressaltar que cursos como esse, além de aprendizado, permitem enriquecer o currículo, visto que elas têm poucas oportunidades depois que saem da Instituição”, esclarece.

A capacitação também aborda temas como o sistema financeiro nacional, abertura de contas, envio e recebimento de remessas do exterior, tipos de operações de crédito, como evitar golpes associados ao sistema financeiro, além de informações sobre o auxílio emergencial.

Serviço

Para entrar em contato com o Comitê Nacional para Refugiado (Conare) acesse: conare@mj.gov.br com cópia para clarissa.carmo@mj.gov.br e micheline.luz@mj.gov.br

Justiça e Segurança