Notícias

Funai incentiva atividades produtivas desenvolvidas por comunidades Xavante

Publicado em 06/04/2021 11h44 Atualizado em 12/04/2021 12h19
WhatsApp_Image_2021-03-04_at_08.38.59.jpeg.jpg

Lavoura de milho na Terra Indígena Pimentel Barbosa (MT). Foto: Divulgação/Funai

A Coordenação Regional (CR) Ribeirão Cascalheira, unidade descentralizada da Fundação Nacional do Índio (Funai) no nordeste do estado do Mato Grosso, vem apoiando diversas atividades produtivas desenvolvidas por comunidades indígenas da etnia Xavante que vivem na região.

Uma delas é a coleta de sementes, frutos e batatas tradicionais na aldeia Santa Cruz da Terra Indígena (TI) Pimentel Barbosa. A sementes coletadas são selecionadas para o plantio ao redor das casas e em áreas de enriquecimento e recuperação, como roças antigas, nascentes e córregos que abastecem a aldeia.

A comunidade começou a se organizar e buscar formação para ter autonomia sobre os processos da cadeia produtiva de sementes em 2013 e segue aprimorando o manejo, volume e qualidade da produção, estimulando o plantio direto na Terra Indígena, garantindo para as futuras gerações o trabalho com as sementes do Cerrado.

Também na TI Pimentel Barbosa, a Funai apoia, em parceria com a prefeitur de Canarana, a lavoura de milho. A produção contribui para a segurança alimentar e nutricional de famílias indígenas de diversas aldeias da região.

Outra atividade que recebe o incentivo da Funai é a avicultura na aldeia São Joaquim, em Canarana. A iniciativa de criação de frango partiu da própria comunidade e conta com o apoio de outros parceiros, como a prefeitura local.

A CR apoia ainda a coleta e venda de castanha do baru por mulheres Xavante das aldeias Tritopa e Santa Rita, da TI Areões. A atividade é uma importante fonte de renda para a comunidade. A Funai presta apoio logístico ao projeto no transporte das indígenas às áreas de coleta, além de colaborar com a aquisição e entrega de insumos, ferramentas e materiais, utilizados tanto no plantio quanto na coleta e quebra do baru.

“Além de obter renda comercializando o produto sazonal, a iniciativa das mulheres Xavante é um modo de valorizar os gêneros do Cerrado e as práticas tradicionais indígenas”, comenta Jussielson Gonçalves, coordenador regional de Ribeirão Cascalheira.

A unidade atua junto a diversas comunidades do povo Xavante. Sua área de atuação abrange os municípios mato-grossenses de Água Boa, Nova Nazaré, Canarana, Ribeirão Cascalheira, Bom Jesus do Araguaia, Alto Boa Vista e São Félix do Araguai, onde vivem aproximadamente 6 mil indígenas.

Assessoria de Comunicação/Funai

Agricultura e Pecuária