Notícias

Covid-19: secretário do MCTI detalha ao Senado estágio de vacinas nacionais financiadas pelo governo federal

Em reunião virtual Marcelo Morales revelou que três vacinas estão em fase avançada para iniciar testes clínicos
Publicado em 29/03/2021 16h42
51012934970_448aaedf88_k.jpg

Foto: Leonardo Marques - ASCOM/MCTI

O secretário de Pesquisa e Formação Científica, Marcelo Morales, detalhou o estágio de desenvolvimento de vacinas contra a Covid-19 apoiadas pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI), durante reunião da Comissão Temporária Covid-19 do Senado Federal, realizada nesta segunda-feira (29).

De acordo com o secretário, das 16 estratégias de vacinas apoiadas pelo governo federal por meio do MCTI, 3 estão em fase mais adiantada e uma delas, a Versamune®-CoV-2FC-MCTI, já protocolou pedido de autorização para testes clínicos das fases 1 e 2 na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). “Temos três vacinas em fase avançada para iniciar os testes clínicos com pacientes. Isso nos dá segurança e soberania para que tenhamos a capacidade de produzir vacinas em território nacional”, afirmou.

A Versamune®-CoV-2FC-MCTI foi desenvolvida pelo MCTI juntamente com o professor Célio Lopes, da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto/USP, de São Paulo, em parceria com a empresa brasileira Farmacore Biotecnologia e a PDS Biotechnology Corporation. Até agora, já foram investidos R$ 4 milhões no desenvolvimento da vacina, incluindo os estudos em animais na fase pré-clinica. Serão liberados mais R$ 30 milhões para o início dos estudos com voluntários, as chamadas fases 1 e 2. Na última fase, a 3, deverão ser investidos mais R$ 300 milhões.

Marcelo Morales explicou aos senadores que outras duas estratégias apoiadas pelo MCTI estão no final da fase pré-clinica: uma vacina de spray nasal, liderada pelo dr. Jorge Kalil, da Faculdade de Medicina da USP; e uma vacina ambivalente contra gripe e covid-19, desenvolvida pelo Centro de Tecnologia em Vacinas (CT Vacinas), da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Segundo Morales, depois de concluída a fase pré-clínicas, as vacinas deverão passar pelas fases 1 e 2, que exigem investimentos da ordem de R$ 20 a R$ 30 milhões, e a fase 3, com custo entre R$ 250 e R$ 320 milhões.

Ações estratégicas

Durante a reunião virtual com os senadores, o secretário de Pesquisa e Formação Científica fez um resumo das ações realizadas pelo MCTI em pesquisa, desenvolvimento e inovação realizadas desde o início da pandemia. Segundo Morales, desde fevereiro de 2020 o ministério reuniu especialistas de todo o país e criou a RedeVírus MCTI, que definiu as prioridades no enfrentamento do coronavírus.

As estratégias da RedeVírus abrangem as seguintes áreas prioritárias: desenvolvimento de vacinas; medicamentos; diagnósticos; sequenciamento do vírus circulante no país; biobanco e impactos sociais e econômicos.

A reunião da Comissão Temporária Covid-19 do Senado Federal sobre o andamento da produção de vacinas no Brasil, coordenada pelo senador Confúcio Moura (MDB-RO), contou também com apresentações da diretora da Anvisa, Meiruze Freitas, do secretário de Defesa Agropecuária do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, José Guilherme Leal; do vice-presidente Executivo do Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para Saúde Animal, Emílio Carlos Salani; e do coordenador de Insumos do Departamento de Imunizações e Doenças Transmissíveis do Ministério da Saúde, Thiago Fernandes da Costa.

Ciência e Tecnologia