Notícias

Articulação

Sudene estuda criação de rede de cidades-polo

O G51 vai reunir municípios da área de atuação com potencial para aumentar a capilaridade das políticas de desenvolvimento regional
Publicado em 24/12/2020 12h13
G51 reúne cidades-polo para descentralizar o desenvolvimento do NE

G51 reúne cidades-polo para descentralizar o desenvolvimento do NE. Arte: Assessoria de Comunicação (Sudene).

A Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste iniciou a formatação de um grupo de cidades da área de atuação da autarquia com o objetivo de ampliar o alcance de políticas e programas de desenvolvimento regional. O anúncio foi feito pelo superintendente Evaldo Cruz Neto nesta quinta-feira (24). O gestor já iniciou a mobilização dos prefeitos destes municípios para articular as atividades da rede. As primeiras ações devem ser apresentadas nos primeiros meses de 2021.

“O G51 vai aumentar a proximidade da Sudene com estes municípios. Queremos apresentar o que a autarquia e outras instituições do Governo Federal podem oferecer em relação a projetos e programas. São cidades que compartilham de realidades próximas. Então, a ideia é convidá-los e discutir o Nordeste”, explicou Cruz Neto.

Uma das propostas do superintendente é a realização de um evento em Brasília no final do primeiro semestre de 2021 reunindo os prefeitos, técnicos da autarquia, instituições governamentais e parceiros convidados. A instituição federal só irá definir a modalidade do encontro após avaliar os protocolos sanitários de combate ao Covid -19 que estejam vigentes na ocasião.

Entre os assuntos que devem pautar os debates estão cidades inteligentes, infraestrutura, atividades produtivas e saúde pública. A Sudene deve aproveitar a ocasião para implementar propostas de interesse regional, fortalecendo a viabilização dos projetos contidos no Plano Regional de Desenvolvimento do Nordeste (PRDNE), apresentado pela superintendência em maio do ano passado. A autarquia listou, em parceria com os estados de sua área de atuação, mais de 150 propostas consideradas estratégicas para a região. O plano foi recepcionado Câmara Federal sob o PL 6163/2019 e encontra-se em regime de tramitação urgente na casa.   

ESTRATÉGIA

A formatação de uma rede de cidades faz parte da estratégia territorial do Plano Regional de Desenvolvimento do Nordeste (PRDNE). A iniciativa usou como referência as regiões geográficas intermediárias identificadas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Além da polarização exercida pelas 9 capitais nordestinas, foram listadas mais 42 cidades com potencial para fortalecer a interiorização do desenvolvimento regional.

Juntas, as 51 cidades representam 7% do Produto Interno Bruto nacional e 46% do PIB do Nordeste. Cerca de 20 milhões de pessoas (40% da população nordestina) vivem nestes municípios. “Queremos aproveitar que 2021 será o início das novas gestões municipais para estreitar a aproximação da Sudene e do Governo Federal com os gestores” finalizou o superintendente Evaldo Cruz Neto.

Confira os municípios que integram o G51:

  • Alagoas: Arapiraca, Maceió;
  • Bahia: Barreiras; Feira de Santana; Guanambi; Ilhéus; Irecê; Itabuna Juazeiro; Paulo Afonso; Santo Antônio de Jesus; Vitória da Conquista; Salvador;
  • Ceará: Crateús; Iguatu; Juazeiro do Norte; Quixadá; Sobral; Fortaleza;
  • Espírito Santo: Colatina; São Mateus;
  • Maranhão: Bacabal; Caxias; Imperatriz; Presidente Dutra; Santa Inês; São Luís; Balsas;
  • Minas Gerais: Montes Claros; Teófilo Otoni;
  • Paraíba: Cajazeiras; Campina Grande; Patos; Sousa; João Pessoa;
  • Pernambuco: Caruaru; Petrolina; Serra Talhada; Recife;
  • Piauí: Bom Jesus; Corrente; Floriano; Parnaíba; Picos; São Raimundo Nonato; Teresina;
  • Rio Grande do Norte: Caicó; Mossoró; Natal;
  • Sergipe: Itabaiana; Aracaju.