Projeto AdaptaVias

Impactos e riscos da mudança do clima nos setores rodoviário e ferroviário
Publicado em 09/12/2021 18h54 Atualizado em 10/12/2021 10h37

O Projeto AdaptaVias é um esforço empreendido pelo Ministério da Infraestrutura (MInfra), no âmbito do Memorando de Entendimento firmado com a Deutsche Gesellschaft fur Internationale Zusammenarbeit (GIZ) GmbH no Brasil, que conta com o apoio do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI) e do  Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), e é executado pela parceria formada entre a Gitec Brasil e o Programa de Engenharia de Transportes da Coppe/UFRJ, no âmbito do ProAdapta.

O Projeto AdaptaVias se propõe a realizar um levantamento dos impactos e riscos da mudança do clima sobre a infraestrutura federal de transportes terrestres (rodovias e ferrovias) existente e projetada. Esse levantamento dará subsídios para tomadas de decisão para adaptação aos impactos causados pela mudança do clima.

De 1995 a 2014 o Brasil registrou mais de oito mil casos de danos às infraestruturas devido a fatores climáticos, totalizando um prejuízo de R$ 26,9 bilhões (Ceped UFSC; World Bank, 2016). Infraestruturas de transporte estão diretamente expostas a condições climáticas extremas de temperatura, precipitação, tempestades, enchentes, deslizamentos e aumento do nível do mar (PBMC, 2014). No entanto, muito pouco se sabe sobre os impactos do clima na infraestrutura de transporte brasileira. Todos os modos de transportes são propícios a sofrerem algum tipo de impacto, mas a severidade destes impactos pode variar dependendo da localização, do modo de transporte e da condição da infraestrutura.

Neste cenário, é fundamental adquirir conhecimento sobre os impactos da mudança do clima sobre os ativos que compõem a infraestrutura federal de transporte terrestre (rodovias e ferrovias), de modo a induzir uma reflexão acerca das medidas necessárias à incorporação de medidas de controle e resposta nas várias fases do ciclo de vida desses ativos. Avaliações de risco climático são úteis para aferir a necessidade e urgência de medidas de adaptação, planejar ações e fornecer os recursos necessários (Arent et al., 2014; German Environment Agengy, 2017; Unece, 2020).

Diretrizes de sustentabilidade do MInfra


O Projeto AdaptaVias está alinhado com as Diretrizes de Sustentabilidade do MInfra, em especial a Diretriz 2, de promover a inserção das questões relacionadas à mudança do clima na infraestrutura de transportes.

Dos cinco princípios determinados nas Diretrizes de Sustentabilidade, os princípios II a V tem total alinhamento com o Projeto AdaptaVias:

II. Conciliação da infraestrutura de transportes com a conservação do meio ambiente;
III. Mitigação dos impactos socioambientais negativos;
IV - Redução das emissões por meio do aumento da eficiência da matriz de transporte e da utilização de combustíveis sustentáveis;
V - Adaptação dos sistemas de transportes à mudança do clima.

 

 

As definições de Risco de Impacto Climático e seus componentes: Impacto, Ameaça, Exposição e Vulnerabilidade utilizados no Estudo são resumidos abaixo:

O conceito de risco climático introduzido no quinto relatório de avaliação (AR5) pelo Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC na sigla inglesa), define: Risco como o potencial para consequências (impactos), onde algo de valor está em jogo e onde o resultado é incerto (IPCC, 2014). O risco de impactos relacionados ao clima resulta da interação entre os componentes do risco: Ameaça climática, Exposição e Vulnerabilidade (sensibilidade e capacidade adaptativa) de sistemas humanos e naturais.

                                                                                                                                                                                                                                                 


Componentes:
▪ Ameaça: potencial de um evento ou impacto físico;

▪ Exposição: presença de elementos em lugares e ambientes que poderiam ser afetados negativamente;

▪ Vulnerabilidade: propensão a ser adversamente afetada (sensibilidade e capacidade adaptativa);

▪ Impacto: termo usado para se referir aos efeitos sobre os sistemas naturais e humanos de clima extremo, eventos climáticos e de mudança climática.

Objetivo geral


Realizar um levantamento dos impactos e riscos da mudança do clima sobre a infraestrutura federal de transportes terrestres (rodovias e ferrovias) existente e projetada, como subsídio para o desenvolvimento de estratégias de adaptação no setor.

Objetivos específicos

  • Levantar o histórico de impactos associados ao clima;
  • Identificar as principais ameaças climáticas atuais e em cenários de mudança do clima;
  • Levantar o nível de vulnerabilidade (sensibilidade e capacidade adaptativa) dos modos de transportes terrestres;
  • Avaliar o nível de risco climático dos modos de transportes terrestres;
  • Identificar e priorizar medidas de adaptação;
  • Fornecer informações (dados, indicadores e índices) no formato necessário para incorporação ao AdaptaBrasil MCTI;
  • Fornecer subsídios para incorporar a avaliação de risco climático e as medidas de adaptação nos mecanismos e instrumentos de tomada de decisão considerando cada fase do ciclo de vida dos ativos de infraestrutura de transportes terrestres (planejamento, estudos e projetos, implantação, manutenção e operação).

 

Produtos esperados 

Estão previstos 6 produtos para entregas durante o Projeto:

Produto 1: Plano de Trabalho com descritivo detalhado das atividades e cronograma, bem como uma revisão bibliográfica sobre os indicadores que representam o risco climático de infraestrutura de transporte terrestre.

Produto 2: Análise histórica dos impactos do clima na infraestrutura federal de transportes terrestres.

Produto 3: Identificação das principais ameaças climáticas e consolidação das informações climáticas para a análise de risco climático da infraestrutura federal de transportes terrestres, de acordo com a atividade.

Produto 4: Análise de vulnerabilidade e exposição da infraestrutura federal de transportes terrestres.

Produto 5: Análise de risco climático (atual e futuro) para a infraestrutura federal de transportes terrestres.

Produto 6: Revisão bibliográfica e proposição de medidas de adaptação à mudança do clima para a infraestrutura federal de transportes terrestres.


Os produtos têm previsão de serem finalizados no início do ano de 2022.

Resultados parciais

Os resultados parciais, já produzidos até o momento, foram apresentados pela Prof. Dra. Andréa Souza Santos, Vice-Coordenadora do Programa de Engenharia de Transporte - PET/COPPE e coordenadora do estudo AdaptaVias, em 20/10/2021 no evento Via Viva 2021. A palestra gravada e apresentação estão disponíveis no site do evento: https://viaviva.infraestrutura.gov.br/galeria/.


Bibliografia citada


ARENT, D. J. et al. Key economic sectors and services. In: FIELD, C. B. et al. (Eds.). Climate Change 2014: Impacts, Adaptation, and Vulnerability. Part A: Global and Sectoral Aspects. Contribution of Working Group II to the Fifth Assessment Report of the Intergovernmental Panel on Climate Change. New York, NY: Cambridge University Press, 2014. p. 50.

CEPED UFSC; WORLD BANK. Relatório de danos materiais e prejuízos decorrentes de desastres naturais no Brasil: 1995 - 2014. [s.l.] Universidade Federal de Santa Catarina. Centro Universitário de Estudos e Pesquisas sobre Desastres (CEPED UFSC); Banco Mundial, 2016. Disponível em: <http://www.ceped.ufsc.br/wp-content/uploads/2017/01/111703-WP-CEPEDRelatoriosdeDanoslayout-PUBLIC-PORTUGUESE-ABSTRACT-SENT.pdf>. Acesso em: 12 jun. 2017.

BMC. Impactos, vulnerabilidades e adaptação às mudanças climáticas. Contribuição do Grupo de Trabalho 2 do Painel Brasileiro de Mudanças Climáticas ao Primeiro Relatório da Avaliação Nacional sobre Mudanças Climáticas [Assad, E.D., Magalhães, A. R. (eds.)]. Rio de Janeiro, RJ, Brasil: COPPE. Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2014.

GERMAN ENVIRONMENT AGENCY. Guidelines for Climate Impact and Vulnerability Assessments. Recommendations of the Interministerial Working Group on Adaptation to Climate Change of the German Federal Government. Dessau-Roßlau: Umweltbundesamt, 2017. Disponível em: <https://www.umweltbundesamt.de/sites/default/files/medien/376/publikationen/guidelines_for_climate_impact_and_vulnerability_assessments.pdf>.

IPCC - Intergovernmental Panel on Climate Change (2014). Climate Change 2014: Impacts, Adaptation, and Vulnerability. Part A: Global and Sectoral Aspects. Contribution of Working Group II to the Fifth Assessment Report of the Intergovernmental Panel on Climate Change [Field, C.B., V.R. Barros, D.J. Dokken, K.J. Mach, M.D. Mastrandrea, T.E. Bilir, M. Chatterjee, K.L. Ebi, Y.O. Estrada, R.C. Genova, B. Girma, E.S. Kissel, A.N. Levy, S. MacCracken, P.R. Mastrandrea, and L.L.White (eds.)]. Cambridge University Press, Cambridge, United Kingdom and New York, NY, USA, 1132 pp.

UNECE. Climate Change Impacts and Adaptation for Transport Networks and Nodes Climate Change Impacts and Adaptation for Transport Networks and Nodes. Geneva: United Nations Economic Commission for Europe (UNECE), 2020. Disponível em: <https://www.unece.org/fileadmin/DAM/trans/doc/2020/wp5/ECE-TRANS-283e.pdf>.