Gestão de Riscos

Publicado em 30/08/2019 19h33 Atualizado em 27/10/2021 15h12

 

Para o COSO ERM, a gestão de riscos consiste em:

Um processo conduzido em uma organização pelo conselho de administração, diretoria e demais empregados, aplicado no estabelecimento de estratégias formuladas para identificar, em toda a organização, eventos em potencial capazes de afetá-la, e administrar os riscos de modo a mantê-los compatível com o apetite a risco da organização e possibilitar garantia razoável do cumprimento dos seus objetivos. (COSO, 2007)

 É sabido que todas as organizações enfrentam incertezas em função de sua Missão e das estratégias propostas, as quais podem possibilitar a materialização de eventos de riscos prejudicando o alcance dos objetivos, e isso não é diferente no Ministério do Infraestrutura - MInfra. De fato, existe o desafio de se determinar o nível de incer­teza a qual o MInfra está preparado a aceitar, na medida em que se empenha em ampliar e aperfeiçoar os serviços a serem disponibilizados à sociedade, considerando a melhor alocação possível dos recursos públicos que são cada vez mais escassos.

A gestão de Riscos é um processo contínuo, que consiste no desenvolvi­mento de conjunto de ações destinadas a identificar, analisar, ava­liar, priorizar, tratar e monitorar riscos positivos ou negativos, capazes de afetar os objetivos, programas, projetos ou processos de trabalho do MInfra nos níveis estratégico, tático e operacional. 

 A governança e a cultura institucional formam as bases para uma melhor gestão de riscos. A governança define o tom, reforça a importância e estabelece as responsabilidades pela Gestão de Riscos. A cultura, por sua vez, refere-se aos valores éticos e aos comportamentos desejados. O desenvolvimento de um ambiente Ético com a definição de papéis e responsabilidades, associado ao processo de Gestão de Riscos são fundamentais para termos uma adequada avaliação, direcionamento e monitoramento da gestão, com vistas a uma condução eficiente das políticas públicas pelo MInfra.

 A integração das práticas de gestão de riscos melhora o fluxo de informações para a tomada de decisão, seja em nível estratégico (governança), na definição de objetivos ou nas operações cotidianas. Isso ajuda a melhorar o desempenho ao conectar mais estreitamente a estratégia e os objetivos propostos face aos riscos identificados.

Metodologia de gestão de risco nos processos de Trabalho

O Ministério da Infraestrutura desenvolveu um modelo para a gestão de riscos que deve ser entendido como um mecanismo de governança (Decreto nº 9203/2017, art. 5, III), o modelo tem o intuito de contribuir para o alinhamento dos objetivos propostos para cada processo relevante ao planejamento estratégico do MInfra, subsidiando e dando transparência à tomada de decisão, contribuindo para o aprimoramento dos processos de trabalho e mitigando a ocorrência de desvios, por meio de uma gestão de riscos eficaz.
Cabe destacar alguns instrumentos que viabilizam a implementação da gestão de riscos no âmbito deste Ministério:

  •  Política de governança

o Estrutura para a Gestão de Riscos
o Declaração de Apetite a Riscos

  •  Programa de integridade
  • Solução tecnológica - Ágatha


 

A metodologia tem por finalidade orientar a identificação, a avaliação e a adoção de respostas tempestivas aos eventos de risco identificados nos processos de trabalho das unidades organizacionais do Ministério, que tenham potencial de causar disrupção nas operações, melhorando as chances de atingir os objetivos propostos, bem como, instruir sobre os monitoramentos necessários e sobre os mecanismos de comunicação e reporte interno e externo.

Neste manual, estão descritas as premissas que embasaram a sua elaboração e os procedimentos que serão empregados na aplicação da metodologia. Também são apresentados os conceitos utilizados, os papéis e as responsabilidades dos atores envolvidos, a taxonomia dos eventos de risco (concepção, nomeação e classificação) e a lista de controles básicos. Além disso, o manual fornece diretrizes básicas sobre boas práticas, com o objetivo de despertar os gestores para a importância da gestão de riscos na organização.

Assim, este manual é um ponto de partida de um tema que não se esgota – ao contrário, o seu aprofundamento pode e deve ser promovido, especialmente em decorrência de publicações especializadas, num processo de contínuo aprendizado.


Acesse o Manual de Gestão de Riscos nos Processos de Trabalho do MInfra.