Notícias

CNPq lamenta a morte do Dr. Ivan Izquierdo

Referência mundial nos estudos sobre memória, era bolsista de Produtividade do CNPq, e foi agraciado, em 2010, com o Prêmio Almirante Álvaro Alberto, a principal premiação do CNPq aos mais renomados cientistas atuantes no país.
Publicado em 09/02/2021 15h54 Atualizado em 09/02/2021 16h13

O Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) lamenta o falecimento do Dr. Ivan Izquierdo, importante neurocientista, radicado no Brasil desde a década de 1980, referência mundial nos estudos sobre memória. Bolsista de Produtividade do CNPq, Izquierdo foi o agraciado, em 2010, com o Prêmio Almirante Álvaro Alberto, a principal premiação do CNPq aos mais renomados cientistas atuantes no país.

Doutor em Medicina pela Universidade de Buenos Aires, era professor titular de Medicina e coordenador do Centro de Memória da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Membro de várias sociedades científicas do país e do exterior, recebeu mais de 50 prêmios e distinções nacionais e internacionais. Foi, também, membro do comitê editorial de muitas revistas científicas e assessor de muitas agências de fomento do país e do exterior. Sua trajetória como pesquisador se destaca pela descoberta dos principais mecanismos moleculares da formação, evocação, persistência e extinção das memórias, a dependência de estado endôgena, e a separação funcional entre as memórias de curta duração e longa duração.

Dentre os reconhecimentos recebidos, estão, além do PAAA, Grã-Cruz da Ordem do Mérito Científico (1996), Prêmio Conrado Wessel (2007), Membro da ABC, da National Academy of Sciences, da TWAS e de outras academias, além dos títulos de Doutor Honoris Causa das Universidades de Paraná e Córdoba e Professor Honorário das de Buenos Aires e Córdoba.

A ciência brasileira e mundial perde, portanto, um grande um nome, mas seu legado é uma permanente contribuição para os estudos científicos e uma inspiração para os pesquisadores que seguem seus ensinamentos.

Dr. Izquierdo, ao receber o Prêmio Almirante Álvaro Alberto, em 2010.