Riscos, Oportunidades e Perspectivas

Publicado em 07/10/2020 16h02 Atualizado em 29/03/2021 17h32

Riscos, Oportunidades e Perspectivas

Em 2020, a reestruturação promovida pelo Decreto nº 10.367/2020, que aprovou a Estrutura Regimental do DNIT, impôs desafios para a continuidade das ações relativas à gestão de riscos na Autarquia. Uma das alterações mais relevantes foi a extinção do Escritório de Gestão Estratégica (EGE), responsável por conduzir essas ações em 2019.

Com a nova estrutura, foi criada a CGMGE, da DIREX, que tem como uma de suas competências conduzir as atividades relativas ao gerenciamento de riscos corporativos do DNIT. Assim, considerando o nível de maturidade do DNIT quanto ao tema, foi necessário revisar a metodologia relacionada à gestão de riscos, atividade essa que continuará no decorrer do ano de 2021. É importante ressaltar que a Política de Gestão de Riscos do DNIT, atualmente em vigor, editada por meio da Portaria nº 4.665/2019, também sofrerá alterações para se adaptar a futuras mudanças previstas.

Ainda como uma das ações referentes ao tema, pode-se citar a criação da Coordenação-Geral de Integridade (CGInt), que tem, dentre suas atividades, a identificação, análise, avaliação e gestão de riscos do DNIT, afetos à integridade. Com isso, o DNIT avança na importante empreitada de se atuar nos riscos atinentes a fraudes e corrupção.

Outra ação de impacto foi a adoção da prática de abertura de processos seletivos para funções estratégicas, objetivando mitigar o risco de interferência política quanto à escolha de ocupantes para esses cargos.

No que tange aos controles internos implementados pela entidade, um relevante avanço foi a revisão do manual de gestão e fiscalização de contratos, mediante a consolidação de outros normativos internos correlatos. Com isso, buscou-se orientar e auxiliar, de maneira mais clara, todos os que participam ativamente dessas atividades, contribuindo para o aprimoramento da missão institucional, mediante a otimização de suas tarefas, garantindo celeridade e o controle de todos os atos administrativos, técnicos e financeiros pertinentes.

A pandemia do coronavírus trouxe riscos à consecução dos objetivos estratégicos do DNIT. No entanto, pode-se entender esse evento como uma grande oportunidade de mudanças estruturais na Autarquia. Como exemplo, é possível citar o início da estruturação do Programa de Gestão de Demandas que, fundamentalmente, permite ao corpo funcional da entidade realizar suas atividades laborais de maneira remota, proporcionando, ainda, uma efetiva avaliação de desempenho dos servidores. O PGD deverá ser adotado paulatinamente no decorrer de 2021.

Outra oportunidade aproveitada devido à necessidade de manipulação do grande fluxo de informações relativas às atividades estratégicas do DNIT foi o planejamento da criação de um núcleo de processamento de dados, no âmbito da DIREX, buscando otimizar e garantir a integridade desses dados, e minimizar os riscos inerentes.