Notícias

Operação PF

PF deflagra 2ª fase da Operação Tergiversação no Rio de Janeiro para investigar grupo criminoso responsável por corrupção e lavagem de dinheiro.

Nesta fase, a investigação mira outros empresários e advogados que participaram do esquema de pagamento de propina para policiais.
Publicado em 15/10/2020 09h08 Atualizado em 15/10/2020 19h30
8.jpg

Arquivo PF

Rio de Janeiro/RJ - Na manhã de hoje, 15/10, a Polícia Federal e o Ministério Público Federal – MPF deflagraram a 2ª fase da Operação Tergiversação, que desarticulou uma organização criminosa acusada de corrupção ativa e passiva, lavagem de dinheiro, falsidade ideológica e obstrução à Justiça.

Estão sendo cumpridos 2 mandados de prisão preventiva e 33 mandados de busca e apreensão, por determinação da 7a Vara Federal Criminal do Rio de Janeiro, em desfavor de servidores públicos federais e estaduais, empresários e advogados.

Nessa nova fase, a investigação mira outros empresários que participaram do esquema de pagamento de propina para policiais, em troca de proteção nas investigações realizadas em operações, e advogados, que atuaram como intermediários das cobranças de vantagens indevidas dos empresários, e ficavam com uma parcela dos vultuosos valores pagos aos envolvidos.

Por sua vez, nesta fase 2 da Operação Tergiversação, as investigações desenvolvidas pela PF e o MPF, a partir das quebras de sigilo, do material colhido nas buscas e apreensões e de dois acordos de colaboração premiada, mostraram que as vantagens indevidas recebidas pelos integrantes da organização criminosa, e reveladas até o momento, giram em torno de R$ 10 milhões.

 

Comunicação Social da Polícia Federal no Rio de Janeiro

cs.srrj@dpf.gov.br | www.pf.gov.br

(21) 2203-4404 / 4405 / 4406 / 4407

 

BALANÇO DA OPERAÇÃO

- 01 preso;

- 33 mandados de busca e apreensão cumpridos, resultando nas seguintes apreensões:

- 7 veículos de luxo apreendidos;
- 9 obras de arte (quadros e escultura);
- $ 43.904 (dólares);
- € 22.445 (euros);
- R$ 53.330,00 (reais);
- e diversos celulares smartphone, notebooks, pen drives, HDs e documentos;

Justiça e Segurança