Notícias

Produção mineral cresce 15%, dobra arrecadação tributária e gera milhares de empregos no 1º trimestre de 2021

O setor recolheu quase 102% a mais em tributos totais em comparação ao 1º trimestre de 2020 e criou mais de 11 mil novos empregos diretos, 6% a mais que no ano passado.
Publicado em 23/04/2021 18h15 Atualizado em 23/04/2021 18h20
Design sem nome (39).png

Produção mineral cresce 15%, dobra arrecadação tributária e gera 11 mil novos empregos diretos Foto: Ricardo Teles/Vale

O aumento da produção minerária brasileira em 15% no 1º trimestre de 2021, em comparação a igual período de 2020, coloca o setor da mineração na linha de frente em contribuições positivas na sustentação dos indicadores econômicos do País.

O setor recolheu o dobro de tributos e criou mais de 11 mil novos empregos diretos, 6% a mais do que no 1º trimestre de 2020. As informações constam em Relatório Mineral publicado nesta quinta-feira (23/4) pelo Instituto Brasileiro de Mineração (IBRAM), órgão vinculado ao Ministério de Minas e Energia (MME).

O IBRAM estima que a produção mineral teve crescimento de 15% em toneladas, na comparação do 1º trimestre de 2021 com o de 2020. De acordo com o órgão, em razão da variação cambial, da elevação dos preços de minérios no mercado internacional, entre outros fatores, o faturamento com a negociação/exportação da produção chegou a R$ 70 bilhões (exceto óleo e gás). Isso significa um crescimento de 95% neste 1º trimestre de 2021. O minério de ferro responde por 70% desse faturamento, o ouro por 11%, o cobre por 5% e a bauxita por 2%.

Os 92 projetos confirmados para receber os aportes financeiros de aproximadamente US$ 38 bilhões estão situados em 81 municípios nos estados do Pará (13), Bahia (28), Minas Gerais (11), entre outras localidades. E serão relevantes na movimentação da economia a longo prazo, com a geração de empregos e arrecadação tributária, entre outros benefícios socioeconômicos para a população dessas regiões.

Para o secretário de Geologia, Mineração e Transformação Mineral do MME, Alexandre Vidigal, "os números revelam a expressão do setor mineral brasileiro e o compromisso dos profissionais e empresas no desenvolvimento econômico. Tudo aliado a uma agenda do governo com diretrizes consistentes, bem definidas e claras, no caminho do crescimento quantitativo e qualitativo da nossa mineração. Além de ações robustas e transparentes na condução das políticas públicas para a geração de riqueza com responsabilidade sócio-econômica-ambiental".

Exportação e arrecadação tributária

A indústria da mineração recolheu em tributos totais o dobro na comparação com o 1º trimestre de 2020: R$ 24 bilhões ante R$ 12 bilhões. Dados do IBRAM mostram que o recolhimento do CFEM (Compensação Financeira pela Exploração de Recursos Minerais) pelas mineradoras cresceu de R$ 1 bilhão para R$ 2,1 bilhões, no período.

O documento também mostra que o saldo da balança comercial de minérios (US$10,7 bilhões) - que é o resultado de exportações menos importações -, foi decisivo para um desempenho positivo da balança comercial brasileira: o saldo Brasil foi de quase US$ 8 bilhões. Assim, a contribuição do saldo mineral para o saldo brasileiro, no 1º trimestre, foi correspondente a 135%. Conforme o IBRAM, as exportações aumentaram 102%, em dólar.

Certo de que a mineração passa por um ciclo ascendente, tanto em seu desempenho quanto na geração de benefícios para o País, o diretor-presidente do IBRAM, Flávio Ottoni, destacou “o quanto o setor mineral é estratégico para o Brasil vislumbrar a superação dos imensos desafios impostos, em especial, pela pandemia, quando a economia mundial ainda apresenta sinais de fragilidade”.

 

Assessoria de Comunicação Social

(61) 2032-5620

ascom@mme.gov.br
antigo.mme.gov.br
www.twitter.com/Minas_Energia
www.facebook.com/minaseenergia
www.youtube.com
www.flickr.com/minaseenergia
www.instagram.com/minaseenergia
br.linkedin.com