Notícias

Brasil e Japão assinam memorando de cooperação para tecnologias em nióbio e grafeno

Publicado em 08/01/2021 19h37 Atualizado em 11/01/2021 10h32 Foto: Teachnuclear
Brasil e Japão assinam memorando de cooperação

98% das reservas mundiais de nióbio estão no Brasil - Foto: Teachnuclear

Brasil e Japão celebraram nesta sexta-feira (8/1), no Palácio do Itamaraty, em Brasília (DF), Memorando de Cooperação no campo de tecnologias relacionadas à produção e ao uso de nióbio e grafeno.

O instrumento permitirá o intercâmbio de informações para experimentos e protótipos e exploração de aplicações de nióbio ou grafeno que possam agregar valor aos produtos e cadeia de produção.

O instrumento também prevê a troca de experiências e parcerias com o envolvimento do setor privado em pesquisa e desenvolvimento. Além disso, poderá abordar tecnologias, experiências, boas práticas e programas de proteção ambiental de sustentabilidade aplicáveis à exploração, mineração; tecnologias de reciclagem relacionadas ao nióbio ou grafeno e tecnologias de recuperação de substâncias metálicas advindas de resíduos de equipamentos elétricos e eletrônicos.

 Assinaram o instrumento pelos governos brasileiro e japonês o Ministro de Relações Exteriores, Ernesto Araújo, e o Ministro dos Negócios Estrangeiros do Japão, Toshmitsu Motegi. O Ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, foi representado pelo Secretário de Geologia, Mineração e Transformação Mineral, Alexandre Vidigal de Oliveira.

A assinatura do memorando de entendimento evidencia o caráter estratégico das relações dos dois países e a firme disposição de ambos os governos de possibilitar, no futuro, potenciais projetos conjuntos em inovações tecnológicas relacionadas ao nióbio e grafeno.

Minerais estratégicos
Em outubro de 2016, Brasil e Japão assinaram Memorando de Cooperação para a Promoção de Investimentos e Cooperação Econômica no Setor de Infraestrutura. Desde então, os governos de ambos os países vêm manifestando interesse mútuo em ampliar o investimento japonês no Brasil, incluindo os minerais raros ou estratégicos, como o grafeno e o nióbio.

Em julho de 2020, foi aberta chamada pública para apoiar empreendimentos tecnológicos à base de grafeno, destinando aproximadamente R$ 1,5 milhão para apoiar propostas de pesquisa aplicada, desenvolvimento tecnológico e inovação que visem a gerar empreendimentos e soluções de base tecnológica, tendo como principal objeto o grafeno.

Já o nióbio é considerado um mineral estratégico para o país. O Brasil é o maior produtor mundial desse material, responsável por aproximadamente 86% da produção, e tem o Japão como um dos principais importadores da liga ferronióbio (9,6% do exportado pelo Brasil).

 

Assessoria de Comunicação Social
(61) 2032-5620

ascom@mme.gov.br
antigo.mme.gov.br
www.twitter.com/Minas_Energia
www.facebook.com/minaseenergia
www.youtube.com
www.flickr.com/minaseenergia
www.instagram.com/minaseenergia
br.linkedin.com

 

Energia, Minerais e Combustíveis