Notícias

A importância da metrologia para o Programa Espacial Brasileiro

Evento sobre metrologia espacial contou com a participação da AEB
Publicado em 01/07/2021 16h04 Atualizado em 01/07/2021 16h06

O presidente da Agência Espacial Brasileira (AEB), Carlos Moura, participou do XIV Seminário de Metrologia Aeroespacial (SEMETRA), organizado pelo Instituto de Fomento e Coordenação Industrial (IFI) nesta quinta-feira, 1º de julho. Conduzindo a palestra com o tema “Programa Espacial Brasileiro frente aos desafios da metrologia e das tecnologias 4.0”, Moura ressaltou a importância de métricas para o novo mundo tecnológico baseado em um mundo interconectado. “Nós sabemos que esta é uma nova revolução industrial e as tecnologias digitais influenciam muito a cadeia de produção. Diversos sensores ligados manipulando uma quantidade absurda de informações, tudo isso requer adaptação. Os produtos de calibração para a indústria 4.0 não serão somente a emissão de um certificado, mas sim um input de conhecimento ao sistema produtivo, que ancorará processos de decisão”, disse.

As tecnologias 4.0 trazem grandes desafios a serem enfrentados, como a necessidade de informações mais rápidas e amplitude de conexão por todo o território nacional. A importância de um programa espacial brasileiro solidificado, auxiliando tanto para coleta como para a transmissão de informações, é importante para a inserção do país neste novo mundo. “Nós temos uma série de desafios que devem ser enfrentados. Desafios de confiabilidade, precisão, alta resolução das imagens“, falou Moura.

O 4.0 apresenta grandes oportunidades para o setor de manufatura espacial. Um exemplo são as megaconstelações, conjuntos de satélites menores e menos complexos que se relacionam entre si, com prazos menores de fabricação, custos mais baixos e altos volumes de informações. Para se ter uma ideia da praticidade deste novo paradigma, as novas gerações de equipamentos já trabalham com materiais que estão presentes no dia a dia das pessoas. “Eu tive a oportunidade de ver, na Europa, satélites geoestacionários que usam baterias de celular e que têm uma vida útil de 15 a 20 anos”, revelou.

No mundo todo, o investimento no setor espacial tem aumentado. “Nós já temos países vizinhos que estão entrando nesse novo conceito e o Brasil precisa acompanhar”, finalizou Moura.

O Instituto de Fomento e Coordenação Industrial (IFI), como parte do órgão central do Sistema de Metrologia Aeroespacial (SISMETRA) do Comando da Aeronáutica, coordena o Seminário de Metrologia Aeroespacial (SEMETRA), que é bienal. A 14ª edição do evento aconteceu nos dias 29 e 30 de junho e 1º de julho, em formato virtual.

O público-alvo do SEMETRA é formado por especialistas civis e militares ligados à área de confiabilidade metrológica do setor aeroespacial brasileiro. Funciona, portanto, como um foro privilegiado para discussão e divulgação dos assuntos de interesse do Sistema de Metrologia Aeroespacial (SISMETRA). O tema deste ano é “Metrologia – uso de tecnologias digitais e remotas. Uma nova realidade?“.

Criado em 1967, o IFI funciona junto ao Comando-Geral de Tecnologia Aeroespacial, em São José dos Campos. Sua missão é colaborar na garantia do desempenho, da segurança e da disponibilidade de produtos e sistemas aeroespaciais de interesse do Comando da Aeronáutica.

 Segue link para Apresentação: 
https://www.youtube.com/watch?v=ypvdtwsvems

Sobre a AEB

A Agência Espacial Brasileira, órgão central do Sistema Nacional de Desenvolvimento das Atividades Espaciais (SINDAE), é uma autarquia pública vinculada ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI), responsável por formular, coordenar e executar a Política Espacial Brasileira.

Desde a sua criação, em 10 de fevereiro de 1994, a Agência trabalha para viabilizar os esforços do Estado Brasileiro na promoção do bem-estar da sociedade, por meio do emprego soberano do setor espacial.

Coordenação de Comunicação Social - CCS

 

Ciência e Tecnologia