Notícias

Política

Presidente empossa novo ministro do Desenvolvimento Regional

Rogério Marinho assume a pasta em substituição a Gustavo Canuto
Publicado em 11/02/2020 18h32 Atualizado em 11/02/2020 20h20
Posse Marinho.jpg

Posse do novo ministro do Desenvolvimento Regional Foto: Marcos Corrêa/PR

Nesta terça-feira (11), o presidente da República, Jair Bolsonaro, empossou o novo ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, em cerimônia no Palácio do Planalto. O titular anterior da pasta, Gustavo Canuto, assumirá a presidência da Dataprev, empresa pública que fornece soluções de tecnologia para órgãos do governo.

Bolsonaro caracterizou a gestão do ex-ministro como um excelente trabalho. "É um ministério complexo, com muita capilaridade, quase tudo que interessa à população passa por esse ministério, e você soube, com dificuldade muitas vezes, deixar se conduzir como um verdadeiro estadista", declarou.

Para o presidente, Marinho continuará o trabalho de Canuto no Ministério que "tem um viés muito especial." E completou. "Tenho certeza que o Marinho, a maneira como ele sempre se comportou, a maneira como nós o conhecemos, terá mais que paciência, será  altruísta na busca de soluções e buscar atender o interesse de todos os brasileiros."

O novo ministro, em seu discurso, elogiou a atual articulação entre os Poderes da República. "A coragem do Executivo, a receptividade do parlamento brasileiro, o apoio da sociedade, a vigilância do Judiciário, isso tem feito com que nós possamos continuar avançando e consolidando essas mudanças, essas transformações tão importantes que todos nós brasileiros desejamos, ansiamos", destacou Marinho.

Para o Planalto, Marinho explicou que o Ministério deve fazer um papel transversal em relação aos outros órgãos, para que possa sintonizar a ação do governo no sentido de atender às necessidades cada vez maiores e legítimas da população do Norte e Nordeste.

"Nós somos orientados pelo presidente para olharmos com muito carinho para essa região e enviarmos esforços, fazermos uma grande mobilização pra fazermos com que o Nordeste sinta a presença, a mão amiga do Governo Federal a favor doa habitantes daquela região", ressaltou.

Exclusiva

Em entrevista exclusiva ao Planalto, o novo ministro destacou alguns pontos relevantes da nova gestão. Confira aqui:

Expectativas: “É uma enorme responsabilidade comandar uma pasta que, ao mesmo tempo que trata de mobilidade urbana, tem a ver com saneamento, com habitação, também trata de atacar as desigualdades regionais importantes para permitir que haja igualdade de oportunidades, principalmente no Norte e Nordeste do País e nas regiões menos desenvolvidas.”

Prioridade: “Não tem nada que não seja prioridade. Se você pensar em habitação, há um déficit de cinco a seis milhões de residências, há necessidade de se alavancar o setor que emprega de forma intensiva, nós estamos imbuídos da necessidade de darmos uma reformulada nessa ação, ao mesmo tempo aproveitando todo o acervo de negociações e discussões que ocorreram anteriormente.

Desafios: “A pasta é desafiadora por inteiro. Você tem aí uma série de agendas que são igualmente importantes e que atingem o conjunto da sociedade brasileira. O desafio é dar sentido, juntar essas pontas todas e dar um norte, permitir que nós tenhamos uma ação coordenada para racionalizar a aplicação dos recursos e sobretudo engajar a sociedade nessa ação.”