Notícias

Combate à Covid-19

Duas milhões de doses da vacina do Covax Facility serão antecipadas para maio

Anúncio foi feito após terceira reunião do Comitê de Coordenação Nacional para Enfrentamento da Pandemia da Covid-19
Publicado em 28/04/2021 17h22 Atualizado em 28/04/2021 20h24
Dois milhões de doses da vacina do Covax Facility serão antecipadas para maio

3ª Reunião do Comitê de Coordenação Nacional para Enfrentamento da Pandemia da Covid-19 - Foto: Marcos Corrêa/PR

O Comitê de Coordenação Nacional para Enfrentamento da Pandemia da Covid-19 fez a terceira reunião nesta quarta-feira (28), no Palácio do Planalto. Com a presença do Presidente Jair Bolsonaro, foram discutidos assuntos como o cronograma de vacinação, a entrega de novas doses para imunização e medidas do Governo para o combate à doença.

“Nosso objetivo é vacinar a população brasileira de maneira o mais célere possível. Esse ritmo de vacinação depende de vários fatores, sobretudo dos chamados insumos farmacêuticos ativos que são originários, sobretudo, da China”, explicou o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga. Segundo ele, o Governo Federal tem se empenhado em ações para obter com agilidade os insumos necessários.

Vacina

Após a reunião, durante entrevista, o secretário-executivo da Saúde, Rodrigo Cruz, informou que haverá a antecipação, de junho para maio, da entrega de 2 milhões de doses de vacina pelo consórcio internacional Covax Facility, totalizando 4 milhões de doses para maio. E também que, nesta quinta-feira (29), chegam ao Brasil 1 milhão de doses da vacina da Pfizer/BioNTech. É a primeira remessa do lote de 100 milhões de doses contratadas pelo Governo Brasileiro.

Segundo Marcelo Queiroga, na próxima semana o Instituto Butantan deve entregar doses da Coronavac em número suficiente para regularizar a aplicação da segunda dose dessa vacina no país. “Esperamos que semana que vem sejam distribuídas doses de Coronavac suficientes para que haja regularização nacional dessa segunda dose”, frisou.

Panorama da doença

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, afirmou que o Brasil vive um momento de queda no número de casos de Covid-19 e de óbitos pela doença que tem resultado em menor pressão no sistema de saúde e redução da demanda por insumos como oxigênio e medicamentos do chamado kit intubação. “Mesmo assim, o Governo está atento”, afirmou. Segundo ele, há previsão de chegada de medicamentos e de um pregão para garantir o estoque regulatório.

Prevenção

Queiroga reiterou as recomendações do Ministério da Saúde sobre a adoção de medidas não-farmacológicas para a proteção e prevenção à Covid-19, como o uso de máscara e o distanciamento social. “Em breve, lançaremos um programa de testagem da nossa população usando testes com antígeno que são mais rápidos e, assim, conseguir identificar aqueles casos positivos, seus contactantes, para que possamos adotar uma política melhor de quarentena daqueles indivíduos afetados pela Covid-19, e assim reduzir a transmissão”.

“Medidas não farmacológicas associadas a uma ampla campanha de vacinação são as duas armas que temos para por fim a essa crise. É importante a adesão da população, não adianta apenas ficar esperando pelos governos federal, estadual e municipal, todos nós temos que nos comprometer com essa iniciativa”, destacou o ministro Marcelo Queiroga.

Protocolos

Durante a reunião do comitê foi discutida a aprovação de legislação que trata da elaboração de protocolos clínicos e diretrizes terapêuticas relacionadas à doença. Segundo o ministro da Saúde, deverá ser aprovado um protocolo clínico para o tratamento da Covid-19.

Comitê de Coordenação

Com a participação de representantes do Executivo, do Legislativo e do Judiciário, o Comitê de Coordenação Nacional para Enfrentamento da Pandemia da Covid-19 é uma instância de discussão entre os Poderes da República para articulação de medidas de combate à doença no âmbito nacional. E também para o enfrentamento dos problemas econômicos, fiscais, sociais e de saúde decorrentes dela.

A criação foi anunciada em março durante uma reunião ampliada com diversas autoridades coordenada pelo Presidente Jair Bolsonaro.