Responsabilidade Socioambiental

Publicado em 26/11/2020 12h22

Apresentação

O Jardim Botânico do Rio de Janeiro (JBRJ) entende que a responsabilidade socioambiental é uma postura permanente, base da atividade humana e profissional. Com um enfoque transformador, o Centro de Responsabilidade Socioambiental (CRS) busca uma forma diferenciada de relação entre os distintos atores da sociedade e o meio em que estão inseridos.

O Centro de Responsabilidade Socioambiental do JBRJ qualifica e promove a inclusão social e profissional de jovens com idades entre 15 e 18 anos, através da educação e capacitação para o trabalho, desenvolvendo habilidades intelectuais, culturais, sociais e ambientais. O objetivo é formar cidadãos mais conscientes e preparados para o mercado de trabalho e para a vida. Em seus 30 anos de existência, com o início dos trabalhos em 1989, já foram atendidos mais de 4 mil jovens.

A equipe do CRS é formada por técnicos do Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro, educadores e instrutores externos - prestadores de serviço com formações diversificadas, oferecendo um trabalho transversal, incluindo ainda acompanhamento psicopedagógico.

Sobre o CRS
Missão, Visão e Valores do CRS
Programa Educação e Trabalho
Projeto Florescer
Projeto Iniciação Científica de Ensino Médio
Projeto Florescer Universitário
Projeto Acompanhamento de Egressos
Programa de Ações para a Sociedade
Parcerias
Colabore com o CRS

Sobre o CRS

O conceito de Responsabilidade Socioambiental envolve de maneira indissociável três pilares: social, econômico e ambiental. Essa noção propõe uma visão de gestão pautada pela relação ética e de transparência com todos os públicos com os quais ela se relaciona, e é capaz de criar metas que impulsionam o desenvolvimento sustentável da sociedade, preservando recursos ambientais e culturais para as gerações futuras, respeitando a diversidade e promovendo a redução das desigualdades sociais.

As atividades do JBRJ na esfera social tiveram início em 21 de junho de 1869 com a inauguração do “Asilo Agrícola da Fazenda Normal”, Escola cujo compromisso era profissionalizar órfãos oriundos da Santa Casa de Misericórdia como aprendizes em técnicas agrícolas. O Asilo atuou até os primeiros anos da República, quando houve a extinção do Ministério da Agricultura, Comércio e Obras Públicas.

Dando sequência à vocação histórica do JBRJ no campo da capacitação profissional para os socialmente excluídos, em 29 de outubro de 1989 foi iniciada mais uma etapa dessa trajetória, com a implantação e execução do Projeto denominado Extramuros: Meninos de Rua/Jardinagem. O projeto era voltado a jovens e adultos de ambos os sexos, entre 14 e 21 anos, com o objetivo de atender à demanda crescente do mercado por mão de obra especializada em manutenção de áreas verdes e possibilitar a inserção das comunidades do entorno nas atividades do JBRJ.

Após uma reestruturação do trabalho realizado no projeto inicial, surgiu em 1995 o Programa Educação e Trabalho, com o objetivo de enfrentar quatro grandes desafios: 1) desenvolver uma proposta educativa e inovadora capaz de estimular competências, qualidades pessoais e valores éticos; 2) incentivar, através de novas metodologias, a produtividade, a iniciativa e a aprendizagem com autonomia; 3) promover no jovem a capacidade de gerir seu próprio desenvolvimento pessoal e profissional; e 4) formar cidadãos.

Atualmente, o Programa Educação e Trabalho permanece atuando com os mesmos objetivos e, juntamente com o Programa de Ações para a Sociedade, congregam as ações e compromissos do CRS do JBRJ no que concerne às questões sociais, culturais, científicas e ambientais para a formação de recursos humanos.

Missão, Visão e Valores do CRS

Missão
Promover a formação de cidadãos através da educação, profissionalização e respeito ao meio Ambiente.

Visão
Ser referência no Brasil na formação de cidadãos, na promoção de sua inserção no mercado de trabalho e na produção e difusão de conhecimento em educação socioambiental.

Valores
- Educação como meio transformador do indivíduo e da sociedade;
- Respeito às instituições, ao ser humano e ao meio ambiente;
- Confiança;
- Ética e transparência;
- Diversidade;
- Equidade de gênero;
- Inovação.

Programa Educação e Trabalho

O Programa de Educação e Trabalho está alinhado com o Estatuto da Criança e do Adolescente, com as novas Diretrizes e Bases para a Educação e com desafios lançados pela Unesco para a Educação no Século XXI, bem como a Agenda 21 Global, em seus artigos 3, 25 e 36. Utilizando metodologias educacionais ativas e integradoras na transformação de pensamentos, ações e/ou sentimentos, o Programa constrói formas de intervenção social democrática com seus integrantes.

O Programa atua de acordo com os seguintes preceitos: compliance ambiental – considera riscos e impactos de suas ações no meio ambiente, colocando o CRS em harmonia com a natureza; responsabilidade social - influencia e impacta a comunidade em que está inserido, desenvolvendo ações que contribuam para o seu crescimento; e qualidade nas ações - eficiência em suas capacitações com reconhecimento da sociedade e resultados significativos no núcleo familiar dos participantes.

A metodologia desenvolvida nos cursos do Programa Educação e Trabalho é lastreada nos preceitos teóricos da psicogenética de Piaget, na teoria da aprendizagem significativa de Ausubel, na teoria de Jung e na pedagogia de Freire. Essas bases teóricas dão apoio ao desenvolvimento da Matriz Conceitual Curricular ancorada no conhecimento pré-existente do participante. Sendo um método participativo, dinâmico e multidisciplinar, a metodologia encontra-se apoiada nos quatro pilares da educação reconhecidos pela Unesco: aprender a conhecer, aprender a fazer, aprender a viver juntos/com os outros e aprender a ser.

O Programa Educação e Trabalho abriga, entre vários projetos, o Projeto Florescer, o Projeto Florescer Universitário e o Projeto Iniciação Científica no Ensino Médio.

Projeto Florescer

O Projeto Florescer atua no atendimento e na formação profissionalizante de jovens de 15 a 18 anos, promovendo o resgate dos vínculos sociais dessa população em situação de risco e vulnerabilidade socioeconômica através da educação, da cultura e do trabalho, visando o exercício responsável da cidadania e a preservação do meio ambiente. Ele oferece os seguintes cursos de capacitação: Jardinagem com Ênfase em Agroecologia, Parataxonomia e Manejo de Coleções Biológicas, Assistente Administrativo com ênfase em Sustentabilidade e Monitoria em Espaços de Ciência e Cultura, além de atividades de Educação Inclusiva (Jardim Sensorial).

O Centro de Responsabilidade Socioambiental complementa a educação formal através do fortalecimento de habilidades, capacidades e virtudes desses aprendizes, tais como autonomia, criatividade, negociação, iniciativa, interlocução, responsabilidade e solidariedade, pois acredita na importância dos valores sociais para a formação de adultos íntegros e seguros.

Os cursos de capacitação do Projeto Florescer tem a duração de até 2 anos e são compostos por três fases:

A Fase 1 é comum a todos que ingressam no Projeto, tem a duração de um semestre e nela são trabalhadas as disciplinas temáticas relacionadas à cidadania, autoestima, sociabilidade e ampliação do universo cultural.

A Fase 2 também ocorre em um semestre e é dedicada, além do mencionado anteriormente, ao desenvolvimento das habilidades da formação específica selecionada considerando a aptidão do educando, introduzindo conceitos e valores de ética profissional e relativos à inserção no mercado de trabalho.

A Fase 3 é a vivência prática e tem como meta aprimorar o aprendizado em ambiente de trabalho, propiciar ao jovem o desenvolvimento de habilidades como autogestão, heterogestão e co-gestão, ou seja, aprender a lidar melhor com suas potencialidades e limitações, coordenar o trabalho de outras pessoas e agir conjuntamente com outros jovens e adultos na consecução de objetivos comuns. Desta forma, a vivência prática propicia o desenvolvimento pessoal dos educandos que concluíram a capacitação em suas respectivas áreas na Fase 2, bem como o desenvolvimento de qualidades que os capacitem para ingressar, permanecer e ascender no mundo do trabalho.

Critérios
Os critérios de seleção para ingressar no Projeto são: ter entre 15 e 18 anos; estar matriculado em escolas de rede pública entre o 9° ano do Ensino Fundamental ao Ensino Médio; e possuir renda familiar inferior a 2 salários mínimos.

Benefícios
Os benefícios incluem bolsa-educação, uniforme, café da manhã ou lanche da tarde (dependendo do turno) e almoço de segunda a sexta-feira, além de atividades extras como palestras, passeios, eventos culturais, participação em feiras e congressos e interface com projetos internacionais.

Capacitação em Jardinagem com Ênfase em Agroecologia

O curso de Jardinagem com Ênfase em Agroecologia do CRS continua a tradição social do JBRJ em formar e capacitar jovens na área de jardinagem e manutenção de áreas verdes, com foco no uso inteligente dos recursos naturais e ênfase em Agroecologia.

Objetivos: Proporcionar aos educandos conhecimentos gerais sobre as técnicas de jardinagem e conservação de áreas verdes, assim como garantir o desenvolvimento de habilidades básicas, específicas e técnicas pertinentes às novas exigências no que tange ao perfil do trabalhador no mercado de trabalho de manutenção e conservação de jardins.

Capacitação em Assistente Administrativo com Ênfase em Sustentabilidade

A formação profissionalizante na área de Administração é uma importante contribuição para a democratização do saber, proporcionando aos cidadãos – jovens cariocas – a oportunidade de se qualificar numa área imprescindível ao desenvolvimento de uma sociedade.

Objetivos: Propiciar uma visão consistente das boas práticas, conceitos e benefícios do papel de administrador, englobando a capacidade de planejar, organizar, liderar e controlar sempre com viés sustentável.

Capacitação em Monitoria em Espaço de Ciência e Cultura

O curso de Monitoria em Espaços de Ciência e Cultura forma e capacita profissionais voltados a atuar na interface sociedade/ambiente, orientando e estimulando acerca da importância da preservação dos recursos naturais, do direito do cidadão, da cultura e da ética.

Objetivos: Propiciar uma visão consistente das boas práticas, conceitos e benefícios do papel de Monitor de Espaço de Ciências e Cultura, englobando a capacidade de promover, atuar e interceder junto às questões sociais interligadas ou associadas às ambientais e em harmonia com a legislação pertinente.

Capacitação em Parataxonomia e Manejo de Coleções Biológicas

O curso de Parataxonomia e Manejo de Coleções Biológicas foi implantado com o objetivo de preparar profissionais capacitados para desenvolver atividades de preparo, manutenção de coleção científica e monitoramento público. É oferecido treinamento e formação de jovens no conhecimento em Botânica, com ênfase em Taxonomia e Sistemática, abordando técnicas de herborização, coleções científicas, história e técnicas de acolhimento para atendimento ao público, entre outras.

Objetivo: Fornecer os conhecimentos básicos de Parataxonomia e técnicas relacionadas à
rotina de um Herbário, além de contribuir com o conhecimento básico para a execução de
atividades de atendimento ao visitante, coleta, identificação, preparo e conservação de
vegetais vivos ou em coleções científicas.

Projeto Iniciação Científica de Ensino Médio

O Projeto Iniciação Científica no Ensino Médio iniciou-se em 2018, ano no qual cinco jovens iniciaram o desenvolvimento de atividades de pesquisa socioambiental em regime de contraturno ao ensino formal. O objetivo deste Projeto é despertar a vocação científica dos educandos ainda no Ensino Médio, com intuito de fortalecer processos que disseminem conhecimentos científicos entre os jovens a fim de desenvolver atitudes, habilidades e valores necessários à educação científica, tecnológica e pesquisa da biodiversidade, além de popularização do conhecimento científico para a sociedade. Atualmente, através de parcerias institucionais entre JBRJ e o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e a Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro (FAPERJ), cerca de 50 jovens participam deste Projeto.

Projeto Florescer Universitário

O Projeto Florescer Universitário nasceu no ano de 2020 com com o propósito de dar continuidade à formação dos educandos provenientes do Projeto Florescer após capacitação nas diversas áreas de atuação técnica contempladas em seus cursos de formação. Ao buscar estimular o interesse dos educandos pela continuidade de sua formação e contribuir para o ingresso e a permanência desses jovens em cursos de Ensino Superior, o projeto alinha-se à vocação do CRS e do JBRJ para a educação inclusiva, participativa e socioambiental.

Projeto Acompanhamento de Egressos

O Programa Educação e Trabalho, reconhecendo a importância do acompanhamento das atividades profissionais dos educandos egressos, desenvolveu um espaço específico de comunicação com os mesmos, no sentido de avaliar, buscar a melhoria de suas ações acadêmicas e o fortalecimento de seu compromisso social.
Dessa forma, o Projeto Acompanhamento de Egressos constitui-se em ação que busca reconhecer possíveis dificuldades e identificar os elementos limitadores do acesso dos egressos ao mercado de trabalho, analisar a compatibilidade entre a ocupação exercida ao seu curso de formação e identificar o índice de satisfação dos profissionais formados pela Instituição. Além disso, o Projeto busca também reconhecer o grau de compatibilidade entre a sua formação e as demandas da sociedade e do mundo do trabalho, as expectativas do egresso quanto à formação profissional e tecnológica continuada e agregar sugestões, já que a vivência acadêmica do educando, no tempo de sua formação e sua experiência na vida profissional, torna-se fonte de informações para o aprimoramento das diversas ações institucionais.

Programa de Ações para a Sociedade

O Programa de Ações para a Sociedade do CRS tem o objetivo de proporcionar ações que contribuam com o compromisso social, ambiental e econômico, possibilitando o exercício da cidadania e a participação crítica no contexto social. Além disso, o Programa promove projetos de pesquisa que contemplam ações ambientalistas e vivências extensionistas, as quais se configuram como oportunidades de ensino e de aprendizagem por meio da relação dialógica entre CRS e a sociedade.

O Programa compreende o Projeto Alfabetização Científica e Ações Socioambientais na Base de Fuzileiros Navais da Ilha do Governador - Marinha do Brasil e o Projeto Educação e Sociedade, além de incluir o Grupo de Pesquisa em Ações Socioambientais, Botânica Aplicada e Avaliação Educacional.

Alfabetização Científica e Ações Socioambientais na Base de Fuzileiros Navais da Ilha do Governador - Marinha do Brasil

O objetivo desse Projeto é promover ações alinhadas à gestão sustentável de caráter coparticipativo em um espaço para atuação multidisciplinar, visando produzir e disseminar conhecimento na área Socioambiental e de Proteção Ambiental, assim como propor o desenvolvimento estratégico e o gerenciamento de recursos da diversidade vegetal para o processo de adequação ecológica na Base de Fuzileiros Navais da Ilha do Governador da Marinha do Brasil.

O projeto prevê, ainda, a realização de cursos de técnicas de arborização e jardinagem com ênfase em agroecologia e a implantação do Núcleo de Responsabilidade Socioambiental para ações de extensão do CRS/JBRJ, tais como o reflorestamento de áreas do Campo de Instrução da Ilha do Governador, recuperação de um talude e a criação de viveiro de mudas de espécies nativas da Mata Atlântica.

Projeto Educação Extramuros

O objetivo do Projeto Educação Extramuros do Centro de Responsabilidade Socioambiental é oferecer a estudantes, profissionais e demais interessados, através de cursos de extensão e/ou oficinas presenciais ou à distância, a capacitação e o aprofundamento teórico-prático em temas ligados às áreas de Ciências Humanas, Ambientais, Agrobiológicas e da Saúde. Além disso, o Projeto tem o intuito de desenvolver e implementar no CRS um espaço dialógico com a sociedade, estreitar esse vínculo a fim de aprofundar na sociedade o sentimento de pertencimento e de coparticipação na transformação da realidade social, e também compartilhar de forma inclusiva os conhecimentos gerados através da articulação entre ensino e pesquisa.

Dentre os subprojetos do CRS que constituem o Projeto Extramuros estão a Coleção Jardim Sensorial, Orquídeas e Sociedade, Pedagogia Sustentável e Jardim vai à Escola.

A Coleção Jardim Sensorial do Jardim Botânico do Rio de Janeiro, espaço localizado ao lado da Coleção Cactário, tem como objetivo propiciar ao visitante uma nova forma de percepção da natureza utilizando os cinco sentidos ao interagir diretamente com as plantas presentes no espaço. Dessa forma, o Jardim Sensorial torna-se um espaço institucionalizado de inclusão de pessoas com deficiência (PCD), além de propiciar a todos os visitantes que o processo de aprendizagem ocorra de forma prazerosa, interativa e facilitada por um monitor treinado.

O subprojeto Orquídeas e Sociedade promove o plantio de orquídeas doadas por parceiros contando com a atuação supervisionada dos jovens dos cursos de capacitação promovidos pelo CRS, os quais terão a oportunidade de praticar conceitos de jardinagem e sustentabilidade, e também de alterar positivamente a paisagem do entorno, reforçando os laços de pertencimento, partindo da premissa da educação como meio transformador do indivíduo e da sociedade.

Os subprojetos Pedagogia Sustentável e Jardim vai à Escola tem o objetivo de contribuir com os ensinos formal e o não formal em escolas, instituições parceiras ou do entorno do CRS sobre temáticas agroecológicas e de sustentabilidade. Suas ações são mediadas por jovens dos cursos de capacitação do CRS, estagiários de IC, servidores e colaboradores profissionais de diversas áreas, visando possibilitar vivências, gerar conhecimentos e criar oportunidades de ensino e aprendizagem por meio da relação dialógica entre o CRS e a sociedade, utilizando como estratégia educacional a Pedagogia Sustentável.

Grupo de Pesquisa em Ações Socioambientais, Botânica Aplicada e Avaliação Educacional

Com o intuito de desenvolver e fortalecer a pesquisa científica no JBRJ, o CRS realiza pesquisas direcionadas às ciências agrobiológicas, humanas, ambientais e da saúde com o objetivo de encontrar soluções para problemas cotidianos. Essas pesquisas se valem de teorias, conhecimentos, métodos e técnicas acumuladas das comunidades de pesquisa (da Academia) para resolver questões científicas em torno das interseções socioambientais (econômica, ambiental e social).

Em 2016, o Centro de Responsabilidade Socioambiental, em parceria com a Diretoria de Pesquisas Científicas (DIPEQ), criou o Grupo de Pesquisa em Ações Socioambientais, Botânica Aplicada e Avaliação Educacional. Esse grupo possui um caráter interdisciplinar e multiprofissional e é formado por doutores, mestres, especialistas, técnicos e colaboradores científicos de outras instituições como a UFBA, UERJ, UFRJ e Farmanguinhos/Fiocruz.

A criação de produtos/processos é o principal foco das pesquisas deste grupo. Sua produção científica tem como meta apoiar e desenvolver projetos de pesquisa voltados a ações socioambientais, de modo a contribuir para a formação acadêmica de educandos do ensino fundamental ao pós-doutorado. Hoje, o grupo possui quatro linhas de pesquisas principais:

  • Agroecologia e Adequação Ecológica

A ação humana é a principal responsável pela degradação do planeta. O uso da terra para cultivo de grandes lavouras, a criação de gado extensivo e o próprio processo de crescimento urbano são os principais vilões. Por outro lado, o homem é o único que pode reverter esse quadro, seja através de estratégias de replantio ou de atitudes educacionais preservacionistas.

Criar produtos e processos para essa problemática socioambiental é de extrema importância atualmente, pois garante soberania alimentar e qualidade de vida para a população brasileira. Essa linha de pesquisa inclui projetos que investigam o melhor uso de solos degradados em função de desmatamentos para a exploração agrícola, por cultivos ou pastoreio.

Portanto, propõe-se fomentar e contribuir para a produção de conhecimento tradicional e científico no âmbito da Adequação Ecológica e da Agroecologia em áreas degradadas e urbanas, transformando-as através da revegetação em um ambiente didático e de Educação Socioambiental.

  • Avaliação e Controle de Qualidade de Vegetais de Importância Socioambiental

O conceito de saúde é algo bastante mutável e indissociável do componente social, cultural e até mesmo ambiental. A partir da metade do século XX, diversas instituições passaram a defender e adotar uma definição mais ampla de saúde, a qual incluísse, além do bem-estar físico, o bem-estar mental, social e até mesmo espiritual. Nesse contexto, a qualidade ambiental e a qualidade das diferentes matérias-primas obtidas a partir do meio natural também desempenha um papel preponderante sobre a saúde humana, qualidades estas intimamente associadas aos níveis de poluição atmosférica, da água e do solo, as quais remetem obrigatoriamente à qualidade dos vegetais utilizados com propósito alimentar ou medicinal, entre outros fatores.

Logo, essa linha de pesquisa tem como objetivo analisar vegetais de importância socioambiental em virtude de sua utilização na arborização urbana, de suas propriedades medicinais ou de seu consumo alimentar, visando estabelecer parâmetros que permitam sua utilização de forma mais segura. Além disso, visa também traçar estratégias de educação socioambiental que estimulem a preservação do meio ambiente e a adoção de práticas mais saudáveis e sustentáveis e de fortalecer e fomentar políticas públicas concernentes.

  • Etnobiologia, Avaliação e Educação Socioambiental

A educação sustentável passou a ser inquestionável, tanto em casa quanto nas escolas e empresas. Essa linha de pesquisa desenvolve um novo olhar sobre a educação, uma nova maneira de ser e de estar no meio ambiente, que “pensa a prática” (Paulo Freire), evitando a burocratização do olhar e do comportamento. Dessa maneira, promove uma sensibilização e transformação do pensamento crítico sobre sustentabilidade. Seu objetivo é entender como os seres humanos se relacionam e aprendem com a biodiversidade, visando proporcionar o bem-estar social, econômico e ambiental das comunidades e seus diversos atores sociais em suas diferentes culturas. Todas essas demandas estão em torno das ciências da Etnobiologia, Avaliação e, principalmente, Educação Socioambiental.

  • Biologia Reprodutiva, Fenologia e Ecologia da Polinização

Seus objetivos são conhecer o sistema reprodutivo das espécies vegetais e as interações ecológicas com os polinizadores e dispersores de sementes, além de elaborar ações socioambientais para a conservação de polinizadores nas áreas urbanas; conhecer a fenologia vegetativa e reprodutiva de espécies em condições naturais e ex situ; e utilizar o estudo como ferramenta de diagnóstico das ações das mudanças climáticas sobre a dinâmica de populações vegetais.

Parcerias

Uma das características de maior destaque do Centro de Responsabilidade Socioambiental é a amplitude das parcerias estabelecidas desde a sua criação. Seus projetos têm sustentação em uma consistente rede de parceiros internos e externos oriundos dos três setores, o que tem permitido o avanço das ações e possibilitado a melhoria contínua da infraestrutura.

Do primeiro setor, tem como parceiro formal o Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro, por meio do JECRIM – Juizado Especial Criminal; do segundo setor, a STIHL, líder no mercado brasileiro de ferramentas motorizadas; e, do terceiro setor, o Instituto da Criança, reconhecida como uma das 100 melhores ONGs do mundo por investir em projetos que promovem o desenvolvimento social. O projeto conta também com a contribuição de doadores através da Associação de Amigos do Jardim Botânico do Rio de Janeiro.

Colabore com o CRS!

Contribua para a nossa história! O sucesso do Programa Educação e Trabalho depende do apoio e parceria de instituições públicas, privadas e da contribuição individual.

Pessoas Físicas: doações através de depósito bancário identificado.
Pessoas Jurídicas: usufruem de benefício fiscal, através da Lei federal n° 13.204 de 15/12/2015, agregando valor e reputação à sua marca*.
*As doações realizadas por pessoas jurídicas tributadas no Lucro Real podem ser abatidas do Lucro Operacional Tributável até o limite de 2%, antes de computada a sua dedução.

Associação de Amigos do Jardim Botânico do Rio de Janeiro
CNPJ:30114011/0001-63
Banco Santander (033)
Agência: 3728
CC: 13.000378-0