Notícias

Participação

Valores do Serviço Público Federal: sete conceitos foram escolhidos entre mais de 93 mil sugestões dadas por servidores

Engajamento, gentileza, imparcialidade, profissionalismo, justiça, vocação pública e integridade foram os Valores escolhidos com base em pesquisa feita com servidores públicos federais
Publicado em 25/04/2021 21h00 Atualizado em 26/04/2021 09h33
Valores do Serviço Público Federal: sete conceitos foram escolhidos entre mais de 93 mil sugestões dadas por servidores

O ministro da CGU, Wagner Rosário, falou sobre a importância dos projetos da CGU com a OCDE para o Poder Executivo federal

A Controladoria-Geral da União (CGU), em parceria com a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), anunciou, nesta sexta-feira (23), por meio da plataforma Zoom, os sete Valores do Serviço Público Federal. Os conceitos foram escolhidos entre 93 mil sugestões recebidas com base em pesquisa feita com servidores públicos federais, entre outubro e dezembro de 2020. Engajamento, gentileza, imparcialidade, profissionalismo, justiça, vocação pública e integridade foram os valores escolhidos.

O ministro da CGU, Wagner Rosário, falou sobre a importância dos projetos da CGU com a OCDE para o Poder Executivo federal e para a adesão do Brasil à organização. “Reafirmo a determinação do Brasil em se tornar um país membro da OCDE. Temos total interesse em fazer parte dessa organização e estamos fazendo todos os esforços necessários para atingir esse objetivo. O Brasil, em especial o nosso Poder Executivo federal, vem investindo pesadamente na implementação da integridade em nosso país, não só no serviço público, mas também na sociedade como um todo”, afirmou Rosário. “Nós sabemos que esse é um caminho que teremos que seguir e que realmente representará uma mudança significativa para o nosso país”, acrescentou.

O ministro ressaltou alguns exemplos das ações da CGU neste sentido, como o alcance da implementação de 100% dos órgãos da Administração Pública Federal com as Unidades de Gestão de Integridade com planos aprovados, bem como a criação de critérios mínimos para a ocupação de cargos na Administração Pública. “Estamos atentos a todo e qualquer retrocesso que possa ocorrer em nosso país e continuaremos lutando para manutenção dessa impulsão que nós temos na implementação da integridade e no combate à corrupção”, disse Rosário.

O ministro da Controladoria reforçou ainda a importância dessa troca de informações e boas práticas entre os países. “Conseguimos, de uma maneira rápida, mobilizar milhares de servidores nas sugestões dos Valores. Isso demonstra o compromisso dos nossos servidores públicos. Tenho certeza de que esta iniciativa trará a eles um sentimento de pertencimento, de querer fazer parte dessa mudança de cultura”, comemorou Wagner Rosário.

Logo após a abertura, o secretário de Transparência e Prevenção da Corrupção da CGU, Roberto Viegas, falou sobre a importância dos Valores, para além dos controles. “Precisamos trabalhar a integridade para além de normas e controles, para além de códigos repressivos, buscando incentivar condutas positivas dos agentes públicos, mostrando a esses agentes o comportamento que o serviço público e, também, a sociedade espera dele”, afirmou.

Viegas reforçou ainda que é preciso efetividade. “Integridade não pode se resumir a tema da moda, decantada em cursos e por vezes lembrada nos quadros de avisos das organizações. Precisamos de efetividade. Esta iniciativa se junta a outras existentes no âmbito dos trabalhos de integridade, em particular, a utilização dos programas de integridade como ferramenta de gestão visa a disseminação, fomento, foco, sensibilização, conscientização, voltados a uma mudança da cultura organizacional”, argumentou.

“Os valores representam o indutor dessa mudança, aliados às práticas e ao exemplo, que precisa ser dado pela alta administração, são os elementos centrais na criação de uma efetiva cultura organizacional de integridade”, encerrou o secretário de Transparência da CGU.

Já o analista de política da OCDE Frédéric Boehm falou sobre como a eleição dos valores pode contribuir no contexto do Poder Executivo federal brasileiro e como esses valores devem ser trabalhados para garantir a efetividade no processo de mudança cultural. “Os novos valores estão alinhados com as lições aprendidas nas ciências comportamentais e na experiência. Esses valores, como elementos articuladores, devem estar integrados em uma estratégia de integridade mais ampla e em processos de gestão pública”, afirmou. O analista da OCDE reforçou ainda que os valores não podem ser impostos à força e que é preciso tornar os bons comportamentos visíveis e relacioná-los aos valores.

A iniciativa do projeto Valores do Serviço Público Federal busca compreender os conceitos dos valores existentes na Administração Pública para refletir sobre o uso de tais valores no desenvolvimento pessoal, nas rotinas de trabalho, nas competências comuns e no clima organizacional. A partir das escolhas, serão desenvolvidas ações de promoção de tais valores.

A diretora de Governança da OCDE, Elsa Pilichowski, e a ex-diretora da Función Pública da Colômbia, Liliana Caballero, também participaram do evento.

Como foi a escolha

No dia 12 de outubro, a CGU lançou a pesquisa a ser respondida por todos os servidores públicos federais para levantamento dos valores. A pesquisa foi eletrônica, com data até o dia 23 de outubro para a resposta. Em seguida, os valores indicados pelos servidores passaram por processos de seleção e validação, incluindo a participação de representantes do setor privado e da sociedade civil. Finalmente, foram consolidados os Valores do Serviço Público Brasileiro. Agora, serão desenvolvidas ações de promoção de tais valores