Notícias

Presidente Bolsonaro edita MP para acelerar o processo de vacinação contra a Covid-19

Medida consolida o Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação contra a doença como instrumento estratégico para imunização
Publicado em 07/01/2021 14h08 Atualizado em 07/01/2021 15h11
VacinaCovid.jpg

O presidente da República, Jair Bolsonaro, editou uma Medida Provisória que possibilita a aquisição de vacinas, insumos, bens e serviços de logística, tecnologia da informação e comunicação, comunicação social e publicitária, além de treinamentos destinados à vacinação contra a Covid-19. A MP também trata do Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação contra a doença.
 
A Medida Provisória possibilitará que sejam adquiridos insumos e vacinas em fase de desenvolvimento e em momento prévio ao registro sanitário ou à autorização de uso excepcional e emergencial pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). A autorização legislativa se faz necessária, uma vez que o ordenamento jurídico infraconstitucional revelava-se um óbice para otimizar o processo de aquisição.
 
Outro ponto importante trazido pela Medida Provisória diz respeito à consolidação do Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação contra a Covid-19 como instrumento estratégico para imunização de toda a população brasileira. A despeito da possibilidade de compra de vacinas contra Covid-19 ainda em desenvolvimento, é crucial destacar que o início da vacinação somente poderá acontecer após o registro ou após a emissão da autorização excepcional e emergencial pela Anvisa.
 
Para acelerar o processo de vacinação da população brasileira contra a pandemia da Covid-19, a Medida Provisória traz ainda regras que flexibilizam as normas de licitação, possibilitando que as partes estabeleçam os termos contratuais, notadamente os que versam sobre eventual pagamento antecipado, inclusive com a possibilidade de perda do valor antecipado, hipóteses de não penalização da contratada, bem como outras condições indispensáveis para obter o bem ou assegurar a prestação do serviço.  A possibilidade de perda e não penalização não se aplica em casos de fraude, dolo e culpa exclusiva da fornecedora.
 
O texto do normativo traz como regra a obrigatoriedade da elaboração de matriz de alocação de risco entre o contratante e o contratado, devendo a administração pública adotar as cautelas necessárias para reduzir os riscos de inadimplemento contratual. No que tange ao contrato, deverá também ser conferida transparência ativa às aquisições realizadas a partir da edição da Medida Provisória, em observância, no que couber, aos requisitos da Lei nº 12.527, de 18 de novembro de 2011.
 
Em respeito aos preceitos da bioética, o texto dispõe que o profissional de saúde esclareça ao paciente ou seu representante legal que o produto não tem registro definitivo na Anvisa. Também deverá esclarecer os riscos e benefícios.
 
A medida foi editada em decorrência da pandemia de Covid-19, que trouxe prejuízos de diversas ordens, notadamente no que se refere à saúde pública. Desde o início da pandemia, diversas ações têm sido adotadas para salvar vidas e promover o retorno seguro das atividades. Com o intuito de mitigar os efeitos negativos da introdução e propagação do vírus no País, a busca por uma vacina efetiva e segura contra o coronavírus tornou-se um dos principais objetivos de pesquisadores e gestores em saúde.
 
Em geral, o processo para o acesso final a uma vacina, desde a pesquisa até a fase de vacinação da população, engloba uma complexa série de atos e procedimentos administrativos que são executados, acompanhados, avaliados, coordenados e monitorados por diferentes órgãos e instituições da administração direta e indireta do Governo Federal. No entanto, a situação causada pelo novo coronavírus promoveu uma corrida dos países para o desenvolvimento e reserva de doses de vacinas candidatas à prevenção da doença, requerendo atuação diferenciada das autoridades competentes.
 
Portanto, a Medida Provisória tem o objetivo de conferir maior dinamismo ao processo de aquisição de vacinas, insumos e serviços destinados à vacinação contra a Covid-19 pelo Poder Executivo Federal, ajustando o ordenamento jurídico para permitir o excepcional modelo de aquisição de vacinas ora disponibilizadas ao Ministério da Saúde. Dessa forma busca-se prevenir e conter a contaminação pelo coronavírus no País, reduzindo a mortalidade associada à doença e os impactos sociais e econômicos por ela causados.
 

Para mais informações:

Ministério da Saúde
Telefones: (61) 3315-3600 - (61) 3315-3600 - (61) 3315-3600
 
Advocacia-Geral da União (AGU)
Telefones: (61) 2026-8543 - (61) 2026-8524 - (61) 98198-5968
 
Controladoria-Geral da União
Telefones: (61) 2020-6740 – (61) 2020-6741 - (61) 99222-9329
 
Ministério da Justiça e Segurança Pública
Telefone: (61) 2025-3000 - (61) 2025-3135 - (61) 2025-9962
 
Casa Civil da Presidência da República - 3411-1357
Telefones: (61) 3411-1345 - (61)  3411-1345