Ações e Programas

Publicado em 29/07/2021 15h24 Atualizado em 14/09/2021 16h28

Nesta seção são divulgadas informações pertinentes aos programas e ações constantes dos instrumentos de planejamento que norteiam a atuação do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais - INPE. Esses documentos trazem uma lista de programas, aos quais estão associados a um conjunto de objetivos, iniciativas, ações, indicadores e metas a serem alcançadas pelo instituto nesse período.

Os seguintes programas, ações e planos orçamentários finalísticos vinculados à LOA 2019, que corresponde ao ciclo do PPA 2016-2019, são implementados pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais:

Programa 2021 - Ciência, Tecnologia e Inovação

Ação: 20UI - C, T & Inovação no Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais - INPE

Descrição: Modernização do sistema de coleta de dados ambientais por satélite do INPE operado pelo Centro Regional do Nordeste - CRN, integrando diferentes redes de coleta de dados ambientais no Sistema Integrado de Dados Ambientais (SINDA), base para as atividades de P&D em ciências da Terra. Capacitação para o monitoramento de florestas tropicais por satélite, realizado no Centro Regional da Amazônia - CRA, com base no sistema de monitoramento florestal desenvolvido pelo INPE e ênfase na região da Amazônia Legal. Instrumentação científica nas áreas de clima espacial, oceanografia e engenharia espacial por meio de programas de nano satélites universitários, realizado no Centro Regional Sul - CRS, em parceria com a UFSM e outras instituições federais de ensino locais. O objetivo da ação é expandir as atividades de C,T&I e infraestrutura laboratorial na área espacial no país com a realização de pesquisa e desenvolvimento tecnológico intra-Centros Regionais do INPE e interinstituições de excelência nacionais e internacionais, visando atender às demandas e aos desafios regionais do Brasil. Contemplam as atividades internacionais de expansão e diversificação de parcerias estratégicas em C,T&I realizadas no INPE e o apoio técnico-científico à participação do Brasil em organizações intergovernamentais, missões governamentais brasileiras no exterior e fóruns internacionais.

  • PO 20UI.0002 - Integração Regional e Internacional em C, T & I Espacial

    Descrição: Garantia da manutenção das contrapartidas brasileiras para o atendimento de acordos internacionais com o objetivo de gerar conhecimento, capacitação e consolidar redes de pesquisa que utilizam tecnologia espacial e dados socioambientais para maior compreensão da dinâmica do sistema terrestre. Expandir e diversificar parcerias estratégicas regionais e internacionais em C, T & I nos moldes do IPBES (Intergovernamental Panel dor Biodiversity and Ecosystem Services), IAI (Inter-American Institute for Global Change Research) e Future Earth (ICSU, UNESCO, UNEP). Prover apoio técnico-científico à participação do Brasil em organizações intergovernamentais, missões governamentais brasileiras no exterior e fóruns internacionais, como por exemplo o IPCC (Intergovernmental Panel on Climate Change), o GEO (Group on Earth Observation), o OPSCOM (Argos Operations Committee) e o UNCOPUOS (United Nations Committee for the Peaceful Uses of Outer Space).
  • PO 20UI.0003 - Desenvolvimento de Pesquisa nos Centros Regionais do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais - INPE

    Descrição: Desenvolvimento de atividades em C,T&I espaciais nos Centros Regionais do INPE alinhadas à missão da Instituição com foco nas demandas, desafios e especificidades das regiões Norte, Nordeste e Sul do País, garantindo o funcionamento e infraestruturas laboratorial e administrativa nos três Centros. No caso do INPE/Nordeste (Centro Regional do Nordeste - CRN) o foco é disponibilizar pesquisas e serviços para a sociedade por meio da operação e modernização do Sistema INtegrado de Dados Ambientais (SINDA) nas suas unidades em Natal (RN) e Eusébio (CE). Ademais, são realizadas outras atividades de P&D e em ciências climáticas e aplicações em sensoriamento remoto com o uso de imagens de satélites para mapeamento do território. No caso do INPE/Amazônia (Centro Regional Amazônia - CRA), o foco é a capacitação de especialistas em monitoramento de florestas tropicais com o uso de imagens de satélite e ênfase na região da Amazônia Legal, incluindo atividades de campo. No caso do Centro Regional Sul (CRS), com instalações em Santa Maria e São Martinho da Serra (RS), o foco é realizar pesquisa em ciências espaciais, instrumentação de apoio aos estudos de clima espacial e desenvolvimento de soluções tecnológicas, inovadoras e de baixo custo na área de engenharia espacial. Estas soluções devem embarcar instrumentos científicos em plataformas de nano satélites, em parceria com universidades locais, nos moldes da missão Nanosat-BR1, primeiro nano satélite brasileiro lançado em 2014.

Programa: 2050 - Mudança do Clima

Ação: 20V9 - Monitoramento da Cobertura da Terra e do Risco de Queimadas e Incêndios Florestais

Monitoramento do desmatamento e da queima da vegetação na dinâmica da cobertura da terra dos biomas que compõem o território nacional através de sistemas de análise de imagens de sensoriamento remoto de diversas resoluções espaciais e temporais baseados em metodologias adequadas às características fisiográficas de cada bioma, para atender às necessidades de dados dos setores governamentais responsáveis pelo controle do desmatamento, do fogo na vegetação e da gestão territorial, e em particular do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis - IBAMA e Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade - ICMBio do MMA.

Produção de mapas de áreas de desmatamento e de áreas de vegetação em estágios de regeneração para os biomas Amazônia, Cerrado, Caatinga e Pantanal e metodologia para estender estes produtos para os biomas Mata Atlântica e Campos Sulinos para apoiar ações de controle de desmatamento ilegal e a produção de relatórios de emissões de gases de efeito estufa por desmatamento e degradação florestal para fins de cumprimento de compromissos do País em acordos multilaterais.

Monitoramento do impacto do fogo na vegetação para apoiar atividades de sua gestão e controle no contexto da preservação ambiental e da redução de emissões atmosféricas decorrentes, destacando-se: detecção de focos, avaliação e previsão de risco de fogo, estimativas regionais da área queimada e da severidade da queima, e disseminação efetiva das informações aos usuários.

  • PO 20V9.0001 - Monitoramento por Satélites da Cobertura da Terra dos Biomas Brasileiros

    Descrição: Levantamento anual do desmatamento da floresta da Amazônia Legal com uso de imagens de satélites e técnicas de sensoriamento remoto, para atender as demandas e políticas de redução de emissões de gases de efeito estufa do governo brasileiro e de outros órgãos da administração pública, nas três esferas (Federal, Estadual e Municipal).
  • PO 20V9.0002 - Monitoramento e Risco de Queimadas e Incêndios Florestais

    Descrição: Desenvolvimento e implementação de produtos para apoio a atividades de monitoramento, prevenção e combate de queimadas e incêndios florestais no País, bem como para apoio a atividades de pesquisas científicas relativas ao monitoramento, uso e impacto do fogo na vegetação, pela ação combinada da análise automática de imagens de satélites quanto à ocorrência e localização de focos de queima, de dados relativos a tempo e clima, e ao tipo do bioma e da vegetação. Monitorar automaticamente focos de queima da vegetação em imagens de satélites e indicar sua localização na superfície atingida, e estimar e prever numericamente riscos de incêndios florestais, com a elaboração de mapas diários e mensais, que permitam ao IBAMA, ICMBIO e a demais órgãos ambientais executar ações de prevenção, monitoramento, controle e combate a queimadas e incêndios florestais no País; versão inicial do novo produto de área queimada.

Ação: 20VA - Apoio a Estudos e Projetos de Pesquisa e Desenvolvimento Relacionados à Mudança do Clima

  • PO 20VA.000B - Desenvolvimento e Aprimoramento dos Modelos do Sistema Terrestre

    Descrição: Desenvolvimento e constante aprimoramento de modelos do sistema terrestre para a realidade brasileira, que é cientificamente importante e estrategicamente crítico, não só como avanço científico e tecnológico, bem como por ser área estratégica de capacitação no Brasil e como instrumento de gestão (associado, por exemplo: ao Plano Nacional de Mudanças Climáticas, Plano Nacional de Adaptação, gestão do sistema de produção de energia elétrica, gestão do risco e da vulnerabilidade à eventos extremos, gestão de recursos hídricos, previsão da produtividade e risco de quebra de safras agrícolas, gestão de áreas urbanas e costeiras, ocorrência de incêndios florestais, emissão de gases do efeito estufa e gestão de serviços ambientais). O desenvolvimento e aprimoramento de modelos do sistema terrestre permitem a promoção e realização de pesquisas científicas, a difusão de tecnologias, redução de incertezas, identificação de vulnerabilidades e adoção de medidas de adaptação, processos e práticas orientados à mitigação dos efeitos das mudanças no clima, que constituem uma das diretrizes estabelecidas pela Política Nacional sobre Mudança do Clima (Lei 12.187/2009), e um importante eixo do Plano Nacional sobre Mudança do Clima. Destaca-se que o INPE, e o MCTI, trabalham com a política de disponibilização de dados científicos e de monitoramento de dados adquiridos e simulações de modelos, projeções climáticas e cenários, permitindo que sociedade, das diferentes regiões do país, possam acessar e utilizar as informações das mais diversas formas, permitindo a consolidação de plataformas científicas multi-institucionais, de desenvolvimento de modelagem do sistema terrestre. Adicionalmente, o desenvolvimento e aprimoramento de modelos do sistema terrestre permitirá a participação do Brasil no próximo relatório do IPCC (Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas) com cenários de mudanças climáticas globais de alta resolução e contribuirá para que o país mantenha sua posição internacional ao nível dos grandes centros mundiais que estudam as mudanças ambientais globais. A execução deste PO conta com apoio de infraestrutura institucional e lideranças científico-acadêmicas.

Ação 216W: Pesquisa, Desenvolvimento e Supercomputação para Previsão de Tempo e Clima

Dotação do Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos - CPTEC da operacionalidade ininterrupta para fornecimento de produtos e serviços, disponibilizando previsões de tempo, clima e ambientais à sociedade brasileira; manutenção e aprimoramento da infraestrutura do Centro e do sistema de supercomputação para prover capacidade computacional compatível com a demanda de processamento para previsões ambientais, incluindo demandas de simulações de mudanças climáticas e adaptação; realização de pesquisa básica e desenvolvimento de modelagem para gerar novos conhecimentos sobre os eventos de tempo, clima e de qualidade do ar e seus impactos no ambiente terrestre (atmosfera, oceanos e superfícies) e disponibilizá-los a diversos órgãos públicos e privados, como fatores decisivos para tomadas de decisão estratégica do Governo Federal, no âmbito da agropecuária, energia elétrica, recursos hídricos, planejamento urbano, saúde pública, navegação, desastres naturais, etc.; aprimoramento da capacidade de executar modelos numéricos operacionais e experimentais com melhor resolução espacial e temporal para gerar previsões de tempo, clima, oceânicas e ambientais cada vez mais acuradas.

  • PO 216W.0001 - Operação do Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos - CPTEC

    Descrição: Operações meteorológica do CPTEC e dos modelos de previsão de tempo, clima, agitação marítima e outras aplicações ambientais – tais como os produtos que envolvem satélites ambientais, radares e queimadas – que são disponibilizados em forma de produtos e serviços de previsões de tempo, clima e ambientais à sociedade brasileira e a diversos órgãos públicos e privados. Nesse sentido, aprimorar e manter a infraestrutura física e de supercomputação do Centro é extremamente necessário para prover capacidade computacional compatível com a demanda de processamento para previsões ambientais, incluindo demandas de simulações de mudanças climáticas e adaptação aos efeitos das mudanças climáticas.
  • PO 216W.0002 - Pesquisa, Desenvolvimento e Processamento de Alto Desempenho para Previsão de Tempo e Clima

    Descrição: Realização de pesquisas e desenvolvimento em meteorologia e climatologia e disponibilização de previsões de tempo, de clima e de qualidade do ar para a sociedade brasileira, e realização de pesquisa teórica e observacional dos sistemas meteorológicos que atuam na América do Sul. O CPTEC é um centro de excelência no Brasil no desenvolvimento de pesquisas em meteorologia e climatologia e em disponibilização de previsões de tempo, de clima e de qualidade do ar para o País. O Brasil se posiciona entre as grandes nações que não apenas possuem sistemas de coletas de dados (via satélites, sondas, plataformas terrestres e marítimas) e armazenagem (base de dados) como também desenvolve complexos modelos matemáticos para previsão de tempo e clima em escalas local, regional e global. Em sua concepção mais moderna, os recentes modelos numéricos de previsão de tempo e de clima estão evoluindo para acoplar a hidrologia e a química ambiental, tanto do ponto de vista global como regional. Da mesma forma, o acoplamento com o oceano é fundamental para estender o prazo de previsão de tempo e, principalmente, melhorar a previsão climática sazonal (3 a 6 meses de antecedência). Uma parte significativa na melhor previsão do comportamento da atmosfera está na capacidade de assimilar dados, em alta velocidade e precisão. Estes dados são provenientes de plataformas de coletas de dados, estações meteorológicas, balões, radiossondas, boias marítimas e boias de deriva e, especialmente, dados e produtos derivados de medidas de satélites ambientais e radares meteorológicos. Outro aspecto importante é o monitoramento das interações entre clima e o Oceano Atlântico Tropical e Sul. A pesquisa e o desenvolvimento nessas áreas geram produtos com utilidade para diversos setores da sociedade, tais como agricultura, recursos hídricos, energias renováveis, saúde, turismo e lazer, defesa civil, a segurança nos transportes, no dia a dia das pessoas, no risco de desastres naturais (como deslizamentos, cheias, secas, etc.), entre outros.

Programa: 2056 - Política Espacial

Ação: 20VB - Pesquisa e Desenvolvimento de Tecnologias para o Setor Espacial

  • PO 20VB.000A - Pesquisa, Aplicações e Desenvolvimento Tecnológico em Observação da Terra

    Decrição: Pesquisa e desenvolvimento de métodos e soluções tecnológicas baseadas em geoinformática e em sensoriamento remoto, que permitam a extração de informações e a análise espaço-temporal dos dados obtidos por satélites de observação da Terra, com o objetivo de gerar conhecimento, produtos e serviços que atendam às demandas de políticas públicas voltadas ao uso sustentável dos recursos naturais do país, a preservação de sua biodiversidade e a qualidade de vida de sua população. Apoio ao desenvolvimento e à formulação de requisitos para missões espaciais de observação da Terra. Desenvolvimento e disponibilização para a sociedade de softwares livres para o tratamento de informação geográfica e o processamento de imagens. Formação de recursos humanos de excelência em temas ligados à observação da Terra.
  • PO 20VB.000B - Pesquisa e Desenvolvimento de Subsistemas para Satélites

    Descrição: Execução de projetos de pesquisa e desenvolvimento de subsistemas para satélites que envolvam áreas da fronteira da tecnologia espacial e que visem atender a necessidades futuras do Programa Espacial Brasileiro, alinhadas com o PNAE. As áreas prioritárias para as linhas de pesquisa são subsistemas e software para controle de atitude e órbita, imageadores óptico e radar, compactação de equipamentos eletrônicos, subsistemas de computação de bordo, telecomunicações, subsistemas de potência, estrutura e controle térmico. Nessas linhas de pesquisa serão desenvolvidos protótipos e modelos iniciais, que permitam validar o conceito e provar a viabilidade da tecnologia, correspondendo às etapas iniciais do desenvolvimento, que são também as de maior risco. Essas ações buscam atingir níveis suficientes de maturação tecnológica nos desenvolvimentos que permitam realizar posterior contratação dos modelos de qualificação e voo na indústria, diminuindo assim o risco tecnológico e visando integrar futuras missões espaciais brasileiras.
  • PO 20VB.0003 - Desenvolvimento de Produtos e Processos Inovadores para o Setor Espacial e suas Aplicações

    Descrição: Desenvolvimento de tecnologias críticas, produtos e processos inovadores nas áreas de novos materiais e sensores, tecnologia de plasma, combustão e propulsão, e computação e matemática aplicada, visando atender a missões espaciais e as suas aplicações com o objetivo de promover o avanço da área espacial e do setor produtivo nacional. Contempla também contribuição para o avanço do conhecimento científico e a formação de pessoal especializado nas áreas abordadas, bem como transferência de tecnologia para o setor produtivo.
  • PO 20VB.0008 – Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação no Centro de Estudo e Monitoramento Brasileiro do Clima Espacial (EMBRACE)

    Descrição: Realização de coleta de dados (de sensores de superfície e embarcados em satélites), e a manutenção do sistema de observação em Clima Espacial; modelamento de processos do sistema Sol-Terra em escala espacial, global e regional, com investigação dos fenômenos; disponibilização de informação, em tempo real, da previsão do Clima Espacial; e provimento de diagnósticos de seus efeitos sobre diferentes sistemas tecnológicos de interesse nacional por meio da coleta de dados de satélites, de superfície e da modelagem computacional. Monitoramento, modelagem e difusão das informações do Clima Espacial, com investigação dos fenômenos e previsão dos efeitos significativos no espaço próximo e na superfície do território brasileiro, incluindo impactos em sistemas tecnológicos espaciais e terrestres. Assessoramento dos órgãos governamentais, de empresas públicas e privadas, na avaliação de riscos aos sistemas tecnológicos nacionais.
  • PO 20VB.0009 - Pesquisa e Desenvolvimento em Aeronomia, Astrofísica e Geofísica Espacial

    Descrição: Desenvolver pesquisa e instrumentação para as ciências espaciais (conjunto formado por geofísica espacial, astrofísica e aeronomia), gerando conhecimento científico, formando e treinando recursos humanos, desenvolvendo tecnologias e instrumentação para satélites científicos e aplicados, além de prestar assessoramento em assuntos relativos às ciências e tecnologias espaciais. Manutenção de infraestrutura física e instrumental para realização de pesquisas espaciais e atmosféricas, incluindo suporte as atividades em laboratórios com desenvolvimento de sistemas eletrônicos e mecânicos para equipamentos de solo e a bordo de plataformas orbitais e suborbitais, bem como para a execução de lançamento e resgate de experimentos científicos embarcados, projetando e executando o ciclo de vida completo de experimentos científicos tanto para balões estratosféricos quanto foguetes de sondagem.

Ação: 20VC - Desenvolvimento, Lançamento e Operação de Satélites, com a Infraestrutura Associada

  • PO 20VC.000B - Desenvolvimento e Lançamento do Satélite Sino-Brasileiro CBERS-4A

    Descrição: Desenvolvimento, fabricação, teste, lançamento e operação em órbita do satélite de sensoriamento remoto da série CBERS em cooperação com a República Popular da China, visando ampliar a capacidade do País em monitorar seus recursos naturais e o meio ambiente.

    O satélite CBERS-4A será equipado com câmeras para imageamento da superfície do planeta. Todas as fases da missão serão desenvolvidas em cooperação com a China. Os custos para o desenvolvimento do satélite, seu lançamento e operação serão divididos igualmente entre os dois países. O satélite levará a bordo as seguintes cargas úteis: três imageadores ópticos (WPM, MUX e WFI), sendo um deles de alta resolução; Transmissor de Dados de Imagens (DTS); Gravador Digital de Dados (DDR), Sistema de Coleta de Dados (DCS) e Monitor de Ambiente Espacial (SEM).

    Na fabricação do CBERS-4A serão utilizadas partes e peças sobressalentes dos satélites CBERS-3 e CBERS-4, além das várias tecnologias aplicadas no desenvolvimento desses satélites.

    São partes constituintes da missão: o satélite, o segmento solo, as aplicações e o sistema de operação e lançamento.

    O sistema de satélites CBERS fornece em caráter operacional imagens de todo território brasileiro para diversas aplicações e setores da sociedade, bem como também distribui imagens para os países da América do Sul.
  • PO 20VC.000D - Recepção, Armazenamento, Processamento e Distribuição de Dados de Satélites

    Descrição: Apoio às atividades em solo, essenciais para o sucesso das missões espaciais, compreendendo: (a) recepção, armazenamento, processamento e distribuição de dados coletados por satélites nacionais ou estrangeiros; (b) desenvolvimento, manutenção, operação e atualização do Segmento de Aplicações, que inclui a infraestrutura de solo para a recepção, armazenamento, processamento e distribuição de dados de missões espaciais.
  • PO 20VC.0001 - Funcionamento e Atualização do Laboratório de Integração e Testes

    Descrição: Operacionalização e atualização do Laboratório de Integração e Testes (LIT) para realização das atividades de montagem, integração e testes previstos no Programa Nacional de Atividades Espaciais (PNAE). O LIT é um conjunto integrado de instalações, sistemas e equipes dedicados a estas atividades que envolvem as capacidades e competências necessárias às matrizes de testes envolvidas nos satélites do PNAE. O cumprimento do objetivo do PO envolve, portanto, manter a infraestrutura física diretamente relacionada com as atividades de integração e testes do LIT em estado operacional e atualizada tecnologicamente. Implantação e operação de um sistema de normalização, regulamentação e avaliação de conformidade para o setor espacial, através da produção de normas e regulamentos, montagem de uma infraestrutura adequada para avaliação de conformidade e capacitação de recursos humanos. A manutenção das capacidades do Laboratório, enquanto um sistema completo e nos seus diversos segmentos, é constituída em: - Especificação, qualificação e aceitação de sistemas e equipamentos espaciais; - Testes ambientais (vácuo-térmico, choque térmico, vibração e choque mecânicos, acústico, interferência e compatibilidade eletromagnéticas); - Testes funcionais (incluindo testes de antenas); - Desenvolvimento de metodologias, processos e técnicas de montagem, integração e testes, assim como dos equipamentos de suporte mecânico e elétricos requeridos; - Integração de sistemas (alinhamento, medidas físicas); - Verificação, validação e análise de falhas em componentes eletrônicos; - Metrologia elétrica (voltagem, corrente, tempo, frequência e radiofrequência), física (umidade, pressão, temperatura, vácuo, aceleração e acústica) e mecânica (dimensional e torque) e; - Análise química de contaminantes em produtos espaciais. Como o INPE é a única instituição do País que detém este tipo de infraestrutura, é fundamental, sob pena de perda de autonomia no setor, que ela seja continuamente preservada e atualizada. Este esforço garante que o Brasil possa manter os serviços de apoio ao desenvolvimento de satélites, sistemas e cargas úteis espaciais, em conformidade aos requisitos técnicos do Programa Nacional de Atividades Espaciais. Ademais, a promoção da adequação contínua, manutenção do funcionamento e atualização do LIT também permite manter a competitividade do País para a execução de programas conjuntos com organismos internacionais previstos no PNAE.
  • PO 20VC.0002 - Desenvolvimento e Lançamento de Satélites Científicos

    Descrição: Projeto, manufatura, verificação, validação e lançamento de uma série de satélites científicos, baseados em plataformas de menor porte (classe entre 100 kg e 500 kg), destinados às ciências básica e aplicada, nas áreas de baixa e média atmosfera, de ionosfera, de relação Sol-Terra (clima espacial), bem como do espaço exterior (astrofísica estelar e ciência planetária). Missões de satélites científicos têm origem em demandas da comunidade científica. Nas áreas de conhecimento da ionosfera, clima espacial e espaço exterior, encontram-se diversas questões científicas relevantes, como por exemplo, o entendimento dos fenômenos físicos que perturbam o comportamento médio da ionosfera do equador terrestre. Tais fenômenos afetam, em determinadas bandas de frequência, a propagação dos sinais eletromagnéticos utilizados em comunicação via satélite, transmissão de dados e navegação global por satélite (GNSS). A segurança da navegação aérea e a prospecção de petróleo em plataformas de águas profundas, dentre outras, são atividades tecnológicas importantes que estes fenômenos impactam. O objetivo do PO é desenvolver o satélite científico EQUARS (Equatorial Atmosphere Research Satellite), cuja missão é estudar as irregularidades e anomalias eletromagnéticas características da região equatorial, que afetam a acurácia e precisão dos sistemas de navegação global GNSS. Os dados gerados pelo conjunto dos instrumentos EQUARS têm aplicação imediata na área de modelagem numérica em prognósticos meteorológicos e diagnósticos de clima espacial, com amplas implicações tecnológicas. Dentre elas, destacam-se as melhorias nos processos de gerenciamento de riscos da navegação aérea e das operações nas plataformas de petróleo em águas profundas, já citadas. Outro produto de grande interesse é o conteúdo integrado de vapor d’água em alta resolução, medido por meio da técnica de rádio ocultação de sinal GNSS, informação valiosa para o avanço dos modelos de previsão de tempo e clima, com benefícios extensíveis a toda sociedade brasileira.
  • PO 20VC.0005 - Desenvolvimento dos Satélites da Série Amazônia

    Descrição: Desenvolver, fabricar, testar e lançar o primeiro satélite integralmente nacional, constituído pela Plataforma Multimissão (PMM), denominado Amazonia-1. Este é integrante da família de satélites Amazonia composta pelos satélites Amazonia-1, Amazonia-1B e Amazonia-2. Esta família de satélites tem aplicação direta no monitoramento de diferentes sistemas, em especial dos biomas brasileiros e de áreas agrícolas. A missão do Amazonia-1 é prover dados para o monitoramento ambiental, dar continuidade e aperfeiçoar o sistema de Detecção em Tempo Real (DETER) do desflorestamento no Brasil, complementando o sistema provido pelo satélite sino-brasileiro CBERS-4. O satélite Amazonia-1B será semelhante ao Amazonia-1, enquanto que o satélite Amazonia-2 terá algumas alterações, implementando aperfeiçoamentos no módulo de serviço e no de carga útil. Neste esforço, a melhoria mais significativa no módulo de serviço ficará por conta da utilização de um subsistema de controle de atitude e órbita e de tratamento de dados integralmente desenvolvido no Brasil. Enquanto que no módulo de carga útil, o projeto prevê o desenvolvimento de um novo imageador. Com esta estratégia, é possível alcançar um desenvolvimento incremental que visa consolidar no País uma capacidade própria para projetar, desenvolver e fabricar satélites artificiais de observação da Terra. Estes poderão beneficiar a sociedade brasileira com aplicações de interesse nacional em áreas como recursos minerais, florestais, recursos hídricos, agricultura, meio ambiente, vigilância territorial e monitoramento de desastres ambientais.
  • PO 20VC.0006 - Rastreio e Controle de Satélites

    Descrição: Execução das atividades de rastreio e controle de veículos espaciais, cuja operação em órbita tenha sido atribuída ao Centro de Rastreio e Controle de Satélites (CRC) do INPE. O CRC consiste de um conjunto integrado de instalações, sistemas e equipes, cuja função é planejar e executar as atividades de rastreio e controle de veículos espaciais nacionais, estrangeiros ou desenvolvidos em regime de cooperação internacional, bem como em manter toda sua infraestrutura em estado operacional e tecnologicamente atualizada. O CRC opera vinte e quatro horas por dia, sete dias por semana, nas seguintes localidades: - Centro de Controle de Satélites (CCS) em São José dos Campos (SP); - Estação de Rastreio e Controle de Cuiabá (MT); - Estação de Rastreio e Controle de Alcântara (MA); As duas estações de rastreio e controle são conectadas ao centro de controle de Satélites por uma rede de comunicação de dados. A infraestrutura de controle de satélites de baixa altitude (até 2000 km) do INPE é a única existente no País e deve ser continuamente preservada e atualizada. Essa infraestrutura garante a manutenção dos serviços de rastreio e controle dos veículos espaciais cujos dados são de importância para monitoramento ambiental, meteorologia, oceanologia, agricultura, geologia, hidrologia, desenvolvimento tecnológico, telecomunicações, navegação, localização, estudo da atmosfera, estudo de mudanças climáticas, clima espacial, química da atmosfera, regeneração da floresta tropical, entre outras. Cabe ressaltar ainda que as estações de rastreio necessitam de importante investimento, não apenas para aumentar sua capacidade atual de controle, limitada a um satélite por passagem, para pelo menos três satélites simultâneos, em função da previsão dos satélites adicionais que deverão ser operados pelo CRC a partir de 2018.

Programa 0910: Operações Especiais: Gestão da Participação em Organismos e Entidades Nacionais e Internacionais

Ação 00OQ: Contribuições a Organismos Internacionais sem Exigência de Programação Específica

  • PO 00OQ.000J - Contribuição à Colaboração Científica do Observatório de Ondas Gravitacionais por Interferômetro Laser (LIGO)

    Descrição: A contribuição anual à Colaboração Científica LIGO (LSC) é devida por todos os grupos membros, de acordo com o número de pesquisadores de cada grupo, conforme detalhado nos itens 3 e 4 do Memorando de Entendimento LIGO-M1500147. Fundada em 1997, a Colaboração Científica LIGO (LSC) é formada por um grupo de cientistas que trabalham por meio de pesquisa e desenvolvimento de técnicas para a detecção de ondas gravitacionais e o desenvolvimento, comissionamento e exploração de detectores de ondas gravitacionais. As responsabilidades laboratoriais do LIGO incluem a operação dos detectores LIGO, pesquisa e desenvolvimento destinada a melhorar ainda mais as capacidades dos detectores LIGO, a pesquisa na física fundamental da gravitação, astronomia e astrofísica, da educação pública e de divulgação. O Laser Interferometer Gravitational Wave Observatory ou Observatório de Ondas Gravitacionais por Interferômetro Laser (LIGO) foi projetado para abrir o campo da astrofísica de ondas gravitacionais através da detecção direta de ondas gravitacionais previstas pela Teoria Geral da Relatividade de Einstein.
  • PO 00OQ.000K - Contribuição para o Committee on Space Research (COSPAR)

    Descrição: Trata-se de contribuição anual devida por todos os países membros filiados ao COSPAR e no caso como contrapartida à participação do Brasil. O INPE é o representante oficial, junto a esse organismo internacional, que é uma entidade que tem o objetivo de congregar cientistas na área de pesquisa espacial no mundo. A participação objetiva facilitar o fluxo regular de informações, participação em debates, direito de voto. Nos eventos da COSPAR são apresentados resultados científicos mais recentes, intercâmbio de conhecimentos, discussão da pesquisa espacial, informações e opiniões internacionais.
  • PO 00OQ.000L - Contribuição à Federação Internacional de Astronáutica - FIA (MCTIC)

    Descrição: Contribuição financeira à International Astronautical Federation, uma organização científica, não governamental, sem fins lucrativos, que congrega órgãos governamentais, institutos de pesquisa, instituições acadêmicas e empresas industriais, ligadas à área espacial.