O Instituto

Sobre o INSA

O Instituto Nacional do Semiárido (INSA) é uma Unidade de Pesquisa integrante do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI) por força da Lei nº 10.860, de 14 de abril de 2004. Instituído como Unidade de Pesquisa integrante da estrutura básica do então Ministério da Ciência e Tecnologia, (MCT), na forma do disposto no Decreto nº 5.886, de 6 de setembro de 2006.

Regulamentado pelo Decreto nº 5.563, de 11 de outubro de 2005, o INSA tem como finalidade promover o desenvolvimento científico e tecnológico e a integração dos polos socioeconômicos e ecossistemas estratégicos da região do Semiárido brasileiro, bem como realizar, executar e divulgar estudos e pesquisas na área de desenvolvimento científico e tecnológico para o fortalecimento do desenvolvimento sustentável da região.

Sua missão é ser agente de transformação, promovendo inovação tecnológica e social para o Semiárido brasileiro. O Regimento Interno do INSA estabelece que as atividades desenvolvidas pelo instituto sejam baseadas em cinco eixos: 1º Articulação 2º Pesquisa 3º Formação 4º Difusão e 5º Políticas Públicas. Para isso, atua nas seguintes áreas de pesquisa: biodiversidade; ciência e tecnologia de alimentos; desertificação e agroecologia; energia; gestão da informação e do conhecimento; inovação, recursos hídricos; sistemas de produção animal e vegetal; solos e mineralogia.

Possui como visão de futuro ser reconhecido até 2030 como Instituto de excelência em Ciência, Tecnologia e Inovação por meio de ações de articulação com o ecossistema para a construção de um Semiárido sustentável. Os valores que norteiam essa meta futura da instituição são cooperação; impacto social; inovação; valorização da pessoas; transparência e ética; todos articulados ao conhecimento sobre Semiárido. 

 

ícone de insa na mídia

INSA NA MÍDIA

Saiba mais sobre o trabalho do INSA divulgado e veiculado nos veículos de comunicação.

Infraestrutura do INSA

SEDE ADMINISTRATIVA

O INSA dispõe de uma ampla infraestrutura para Administração e Pesquisa. Desde novembro de 2011, o instituto funciona em instalações novas e modernas que totalizam 3.646 m² de área total construída. A sua Sede Administrativa está localizada no bairro Serrotão, em Campina Grande (PB).

ESTAÇÃO EXPERIMENTAL

A Estação Experimental Ignácio Hernan Salcedo localiza-se a cerca de 4 km do Complexo Administrativo, entre os Sítios Lucas e Salgadinho, na zona rural do município de Campina Grande (PB). 

É um espaço destinado à execução de pesquisas e demonstração de tecnologias sustentáveis para melhorar a convivência social com as condições climáticas, hídricas, sociais e ambientais do Semiárido brasileiro.

Em termos de espaço, dispõe de uma área total de 675 hectares, sendo 3.150 m² de área construída e 300 hectares de reserva de Caatinga preservada.

A infraestrutura da Estação Experimental Prof. Ignácio Salcedo é organizada nos seguintes blocos:

INFRAESTRUTURA LABORATORIAL DA ESTAÇÃO EXPERIMENTAL:

1º CENTRAL ANALÍTICA

2º MINERALOGIA DO SOLO

3º CITOGENÉTICA

4º BILOGIA MOLECULAR

5º MICROBIOLOGIA AMBIENTAL

6º MICROSCOPIA

7º BIOPROSPECÇÃO

8º CROMATOGRAFIA

9º CULTIVO IN VITRO

10º FISIOLOGIA VEGETAL

11º ANÁLISE DE ALIMENTOS

12º ECOTOXICOLOGIA AMBIENTAL

13º FÍSICA DO SOLO

 

Competências do INSA/MCTI

O Insa é Instituição Científica e Tecnológica - ICT,nos termos da Lei nº 10.973, de 2 de dezembro de 2004, regulamentada pelo Decreto nº 5.563, de 11 de outubro de 2005.

Ao Insa compete I- promover, coordenar e realizar estudos programas, projetos e atividades de pesquisa científica e de desenvolvimento tecnológico, no âmbito de suas finalidades; II - realizar atividades relacionadas com o desenvolvimento e a aplicação de tecnologias apropriadas em áreas e programas estratégicos e de interesse regional e nacional; III - promover e realizar estudos e pesquisas aplicados ao meio ambiente, especialmente aqueles voltados para o uso de recursos hídricos, para a preservação e recuperação de ecossistemas, e para sua sustentabilidade na região do semiárido brasileiro; IV- propor diretrizes para formulação de políticas públicas e para execução de programas regionais, inclusive, para elaboração de planos de aplicação dos Fundos constitucionais; V - difundir conhecimentos científicos e tecnologias, já disponíveis ou resultantes de sua atividade de pesquisa; VI - promover e patrocinar a formação e especialização de recursos humanos na sua área de competência; VII - estabelecer intercâmbio científico e técnico com instituições nacionais, estrangeiras e internacionais; VIII - prestar serviços técnicos, emitir relatórios e laudos técnicos, quando solicitados, bem como desenvolver produtos, serviços e tecnologias nas suas áreas de atuação; IX - promover e patrocinar conferências, nacionais e internacionais, simpósios, cursos e outros tipos de eventos técnicos científicos. X- dar apoio científico e tecnológico a atividades produtivas regionais compatíveis com as peculiaridades físicas da Região do Semiárido e a integração socioeconômica; XI - propor mecanismos de captação de recursos financeiros para pesquisa e ampliar as receitas próprias; e XII - interagir com as demais instituições de ensino e de pesquisa da Região, promovendo a integração de estudos, pesquisas, projetos e programas de caráter científico e tecnológico por elas realizados.