Notícias

Enfermagem

Conheça mais sobre o Centro de Material Esterilizado do Hucam

No mês em que se celebra o 'junho celeste' em homenagem aos profissionais que se dedicam ao CME, saiba mais sobre o processo que garante a segurança de instrumentos usados na assistência ao paciente
Publicado em 29/06/2021 16h35
DSC_0240.png
Limpeza manual dos instrumentos exige amplo conhecimento técnico para desmontagem de cada peça
DSC_0248.png
Montagem e inspeção de instrumentos, momentos antes de sua embalagem são etapas do processo diário de esterilização
DSC_0249.png
Equipe faz embalagem e rotulagem dos kit de instrumentos
DSC_0255.png
Depois de passar pela autoclave e serem inspecionados, pacotes são estocados. Na imagem, vemos kits para a cirurgia cardíaca
DSC_0265.png
Trabalhadora do CME alinha embalagens para inseri-las em uma das autoclaves do Hucam
DSC_0280.png
Parte da equipe do CME do Hucam posa para foto do Junho Celeste, mês em homenagem aos trabalhadores desta atividade

Órgão vital para o funcionamento do hospital, que pulsa 24 horas por dia com processos de trabalho altamente especializados e com equipamentos de alta tecnologia, o Centro de Material Esterilizado (CME) do Hospital Universitário Cassiano Antônio Moraes (Hucam-Ufes) fornece, todos os meses, cerca de 11 mil caixas de instrumentos, sem os quais nenhuma cirurgia acontece. Neste mês, celebra-se o Junho Celeste, período de valorização dos profissionais que trabalham no CME.

São 37 trabalhadores, entre técnicos e auxiliares de enfermagem, assim como enfermeiros que se dedicam a tarefas que envolvem tecnologias refinadas e especificidades próprias do serviço, como leitura de testes por luz infravermelha, montar e desmontar instrumentos cirúrgicos para a sua correta limpeza e desinfecção, além da inspeção assídua, a fim de garantir um produto seguro para nosso paciente, livre de eventuais contaminações.
 
"O CME salva vidas. Tudo o que a gente faz aqui é para o paciente. Parte de nossa função compreende um trabalho manual, repetitivo e que envolve características humanas" descreve o enfermeiro Flavio Bazoni, responsável técnico do CME, centro ligado administrativamente à Unidade de Cirurgia RPA e CME do Hucam, um dos 40 hospitais da Rede Ebserh.

As fases da esterilização

É muito mais que o uso da autoclave, equipamento com uma câmara que opera sob alta temperatura para garantir a esterilidade dos artigos. Quando os itens chegam da sala de cirurgia, numa recepção isolada para os artigos contaminados, eles passam pelas fases da limpeza manual, limpeza automatizada e, já na área limpa, vão para a inspeção e montagem. Só então vão para a embalagem dos kits e rotulagem, para o devido encaminhamento às autoclaves. São cerca de 400 pacotes todos os dias.

Cada tipo de serviço hospitalar exige um kit diferente, não só cirurgias, mas também todos os procedimentos de assistência ventilatória, por exemplo. Os mais complexos são os da cirurgia cardíaca, com caixas que contém cerca de 100 instrumentos. Tudo o que acontece está padronizado por resolução da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, a RDC nº 15, de 2012.

 

Saúde e Vigilância Sanitária