Notícias

Coração Saudável

MEJC oferece atendimento para bebês com doenças cardíacas

Unidade é referência em cardiopatia congênita e possui acompanhamento multiprofissional
Publicado em 14/06/2021 09h47 Atualizado em 16/06/2021 10h24
MEJC oferece atendimento para bebês com doenças cardíacas

O pequeno Guilherme foi transferido para Maternidade Escola Januário Cicco, da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (MEJC-UFRN), que faz parte da Rede Ebserh/MEC, logo após seu nascimento no oitavo mês de gestação e apresentando baixo peso. A criança ainda foi diagnosticada com sopro cardíaco e hipertensão pulmonar. Por ser pequenino, Guilherme não conseguia respirar sem ajuda de ventilação mecânica e, apesar dos medicamentos utilizados, não conseguia ganhar peso suficiente. Ele ficou na mejc, entre Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e Unidade Canguru, recebendo cuidados de profissionais das especialidades de Cardiologia, Pediatria, Neonatologia, Fisioterapia, Fonoaudiologia, Terapia Ocupacional, até a tão aguardada alta para casa depois de 6 meses.

Para celebrar a luta constante desses pequeninos e de seus familiares, foi instituído o Dia de Conscientização da Cardiopatia Congênita, comemorado em 12 de junho.

Cardiopatia congênita é toda anormalidade do coração apresentada pela criança desde o nascimento. São cerca de 21 mil crianças nascidas por ano no Brasil com algum tipo de cardiopatia congênita; desses, cerca de 6% infelizmente morrem antes de completar um ano.

Guilherme paciente cardiopata _ 14 06 21Felizmente, não foi o caso de Guilherme, que ficou internado por seis meses, como lembra a mãe, Danusy Dantas, mas venceu a batalha (veja a foto ao lado). “Digo muito que a equipe da MEJC foi a primeira família que o Guilherme teve. Todo mundo o acolheu e agarrou a causa junto com a gente. Todo mundo vibrava com a sua melhora e as suas conquistas. Foram momentos de muita angústia, mas também foram momentos bem fraternos. Hoje, ele tem seis anos e não sente mais nada. Não toma nenhuma medicação e não tem nenhum tipo de doença”, destacou.

Teste do coraçãozinho em Natal

A MEJC realiza Teste do Coraçãozinho (oximetria de pulso neonatal) em todos os bebês com objetivo de triagem de cardiopatias em recém-nascidos assintomáticos. Esse teste, quando alterado, leva à realização de ecocardiograma antes do bebê receber alta da maternidade para investigar possíveis doenças. Além disso, ao suspeitar de sintomas de cardiopatia na criança, os pediatras contam com avaliação especializada de cardiopediatras para diagnóstico e orientações de acompanhamento.

A UTI neonatal da MEJC, referência para gestações de alto risco, possui profissionais neonatologistas com treinamento em ecocardiografia funcional e aparelho de ecocardiograma para avaliação dos bebês a beira leito. Dessa forma, é possível dar suporte às crianças com cardiopatia grave com medicamentos e encaminhá-las para a realização de cirurgia cardíaca, quando indicado.

“A suspeita de cardiopatia congênita pode ser feita ainda na gravidez, durante o acompanhamento do pré-natal. Nessa situação, a gestante pode ser encaminhada pelo obstetra para realizar o ecocardiograma fetal. O eco fetal é um exame de ultrassom específico para avaliar a formação do coração do bebê. Quando uma cardiopatia é detectada ainda no período fetal, realiza-se orientação e aconselhamento da gestante – com programação da melhor assistência possível para a mãe e o bebê ao nascimento”, destaca Melina Lima, cardiopediatra da MEJC.

A médica esclarece outras dúvidas acesse aqui e fique por dentro 

Sobre a Rede Ebserh

A MEJC faz parte da Rede Hospitalar Ebserh desde agosto de 2013. Vinculada ao Ministério da Educação (MEC), a Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh) foi criada em 2011 e, atualmente, administra 40 hospitais universitários federais, apoiando e impulsionando suas atividades por meio de uma gestão de excelência.

Como hospitais vinculados a universidades federais, essas unidades têm características específicas: atendem pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS), e, principalmente, apoiam a formação de profissionais de saúde e o desenvolvimento de pesquisas.

Devido a essa natureza educacional, a os hospitais universitários são campos de formação de profissionais de saúde. Com isso, a Rede Hospitalar Ebserh atua de forma complementar ao SUS, não sendo responsável pela totalidade dos atendimentos de saúde do país