Relatos e Historias

Relatos de quem Cuida

Enfermeiros de São Luis (MA) e Curitiba (PR) são os primeiros transferidos pelo Banco de Movimentação da Rede Ebserh

Publicado em 17/09/2021 12h10
17092021 minha história - banco de movimentação 1.jpg

Os profissionais Luciana e Fabio se cadastraram e efetivaram a permuta entre o HU-UFMA e o CHC-UFPR

Brasília (DF) – Graduado em fisioterapia e enfermagem, Fábio Henrique Valois sonhava em ingressar na Rede Ebserh/MEC desde 2013. Em 2018, o sonho tornou-se realidade. A escolha por Curitiba se deu em virtude de Fábio e sua família considerarem a cidade como um lugar que oferece boa qualidade de vida. Lotado no Complexo do Hospital de Clínicas da UFPR/Ebserh, ele ocupou o cargo de enfermeiro na UTI cirúrgica, podendo também colocar em prática sua formação em terapia intensiva.

Natural de São Luís do Maranhão, Fábio assumiu o cargo em maio de 2019. Sua esposa e sua filha vieram um mês após.  “A princípio, vimos que era tudo diferente. Mas com o passar do tempo fomos nos adaptando”, relata o enfermeiro. De lá para cá, foram muitas experiências atendendo pacientes na UTI cirúrgica, que foi a primeira Unidade de Tratamento Intensivo do hospital a receber pacientes com suspeita e casos confirmados de Covid-19.  “Para nós, assim como para todos, tudo era novo. Dúvidas, medos, angústias, foi uma mistura de sentimentos.  Mas nos unimos e agarramos esse novo desafio. Continuamos firmes e fortes no enfrentamento”, lembrou Fábio.

Agora, depois de dois anos de sua chegada e de sua família a Curitiba, Fábio está tendo a oportunidade de voltar a sua cidade de origem, graças ao novo Banco de Movimentação da Ebserh. “Sabe aquela história de que Deus escreve certo por linhas tortas? Em novembro de 2020 minha esposa foi diagnóstica com uma doença autoimune e necessitou de vários internamentos na rede hospitalar. Foi muito ficou difícil de administrar, pois não tínhamos um apoio familiar”, contou. 

Assim que o Banco de Oportunidade de Movimentação da Ebserh foi disponibilizado, Fábio se inscreveu. Nesse momento entra a outra personagem fundamental dessa história: a enfermeira de UTI, Luciana Carvalho. Lotada no Hospital Universitário da UFMA/Ebserh, em São Luís, Luciana tem uma história no HU. Cursou enfermagem na UFMA, estagiei no HU-UFMA e sempre se imaginou trabalhando na Unidade Materno Infantil, que é a unidade hospitalar do HU-UFMA responsável pelo cuidado da mulher e da criança. Em 2013, ela iniciou a residência e, ainda cursando neonatologia na Unidade Materno Infantil, foi aprovada no concurso para a Ebserh, no ano de 2014.  Após concluir a residência, Luciana foi lotada na UTI Neonatal.

“Fiz parte da Divisão de Enfermagem, sempre trabalhei em prol das melhorias do HU-UFMA e não pensava em deixar o hospital. Entretanto, surgiram oportunidades importantes para o meu marido em Curitiba e decidimos que iríamos nos mudar. Quando o Banco de Movimentação começou a funcionar, achei todo o processo bastante dinâmico e mais justo em relação aos critérios que permitem a movimentação. Consegui o contato do enfermeiro Fábio com amigos em comum, mas pelo e-mail institucional muitas outras pessoas conseguiram entrar em contato comigo. Percebi que o Banco também tornou mais fácil essa comunicação entre pessoas interessadas em permutar. Uma vez iniciado a processo até a liberação foi bastante rápido”, relatou Luciana.

Para Fábio o sentimento agora é de alegria por estar voltando para perto de seus familiares, mas lamenta se distanciar de amigos que fez em Curitiba. Segundo ele, as expectativas com o novo local de trabalho são as melhores possíveis, pois tem amigos que já trabalham no HU-UFMA, o que vai ajudar em sua adaptação. “O Banco de Movimentação é uma nova oportunidade para os empregados da Ebserh conseguirem se movimentar. Veio para facilitar o processo. Espero que auxilie outros funcionários assim como ajudou a mim”, avaliou.

A felicidade é compartilhada por Luciana. “Sou de São Luís e minha família e pais moram e trabalham aqui, mas vejo a possibilidade de permutar como forma de trocar experiências e agregar conhecimentos as instituições, permitindo a satisfação do empregado por estar residindo conforme sua vontade e não apenas pela necessidade. Lembro que antes de ser chamada no concurso passava na porta do hospital e dizia: ‘um dia ainda vou trabalhar aqui’. Agradeço imensamente a todas as oportunidades e a todos os profissionais com quem pude trabalhar”, enaltece Luciana, que agora vai desbravar novos caminhos no sul do país.

Coordenadoria de Comunicação Social da Rede Ebserh/MEC