Notícias

Diagnóstico molecular

Testes de identificação de variantes do coronavírus são realizados no Hospital da Rede Ebserh/MEC em Pelotas (RS)

O equipamento utilizado é o RT-PCR, o mesmo já usado em exames de Covid-19
Publicado em 09/06/2021 14h14
09062021 testes covid he-ufpel.jpg

Unidade de Diagnóstico Molecular do HE-UFPel/Ebserh/MEC tem a capacidade de diferenciar as infecções causadas pelo vírus nativo e algumas das suas principais modificações

Pelotas (RS) – Após realizar cerca de 10 mil testes de diagnóstico para a Covid-19 para a rede do Sistema Único de Saúde em Pelotas, a Unidade de Diagnóstico Molecular da Universidade Federal de Pelotas, que funcional no Hospital Escola da Rede Ebserh/MEC, passou a realizar, no final de maio, uma nova iniciativa na linha de frente do combate à pandemia: a identificação das variantes causadoras da infecção na cidade.

Essa identificação se dá por meio de pesquisas de genotipagem voltados para a investigação dos tipos circulantes de SARS-CoV-2. A unidade tem a capacidade de diferenciar as infecções causadas pela variante nativa, de Wuhan (China), e algumas das principais modificações do vírus: a de Manaus, a do Rio de Janeiro, a da África do Sul e a do Reino Unido.

O ensaio é realizado por meio de sondas, que identificam mutações no genoma do vírus. São essas mutações que caracterizam cada uma dessas variantes. O equipamento utilizado é o RT-PCR, o mesmo já usado pela Unidade de Diagnóstico Molecular para a realização dos exames de Covid-19. O laboratório está estruturado para realizar genotipagem e sequenciamento de novas linhagens variantes que tem trazido preocupação, como a indiana, e tem capacidade técnica e de equipamentos para a testagem de 100 até amostras diárias, podendo os resultados serem conhecidos em até 72 horas.

Segundo o coordenador do laboratório, Tiago Collares, realizar esse tipo de pesquisa permite que se faça uma vigilância epidemiológica mais qualificada. “Com os resultados, é possível tomar medidas de contenção de disseminação mais efetivas”. No entanto, o limitante para ampliação da testagem segue sendo a disponibilidade de recursos para obtenção de material de consumo, que, segundo o pesquisador, a Unidade tem buscado viabilizar por meio de projetos de pesquisa.

Conforme explica o pesquisador, uma das ideias é realizar esse rastreio de forma retroativa, analisando um banco de mais de duas mil amostras positivas mantido pelo grupo de pesquisa. Dessa forma, será possível identificar a partir de que momento cada uma dessas variantes passou a circular entre a população.

A nova iniciativa da Unidade de Diagnóstico Molecular faz parte da pesquisa “Oncobank e Oncovid: rastreamento genômico de SARS- CoV-2 e perfil genético de pacientes oncológicos e de profissionais de saúde na pandemia da Covid-19”, coordenada por Tiago Collares. O estudo obteve financiamento por meio da chamada Decit/SCTIE/MS-CNPq-FAPERGS, do ano de 2020, que faz parte do programa Pesquisa para o SUS: gestão compartilhada em saúde (PPSUS).

Sobre a Rede Ebserh

O HE-UFPel faz parte da Rede Ebserh desde outubro de 2014. Estatal vinculada ao Ministério da Educação (MEC), a Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh) foi criada em 2011 e, atualmente, administra 40 hospitais universitários federais, apoiando e impulsionando suas atividades por meio de uma gestão de excelência.

Vinculados a universidades federais, essas unidades hospitalares possuem características específicas: atendem pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS), e, principalmente, apoiam a formação de profissionais de saúde e o desenvolvimento de pesquisas. Devido a essa natureza educacional, os hospitais universitários são campos de formação de profissionais de saúde. Com isso, a Rede Ebserh/MEC atua de forma complementar ao SUS, não sendo responsável pela totalidade dos atendimentos de saúde do país.

Com informações do HE-UFPel/Ebserh/MEC