Notícias

8 de agosto

Prevenção e informação são intensificadas no Dia Nacional de Combate ao Colesterol

A data foi estabelecida para evitar doenças cardiovasculares que, no Brasil, estão entre as principais causas de mortalidade
Publicado em 07/08/2020 12h54
Atividades físicas regulares, alimentação saudável e acompanhamento multiprofissional (médicos, nutricionistas, profissionais de educação física e outros) auxiliam no controle do colesterol Foto: Blog da Saúde - Ministério da Saúde

Atividades físicas regulares, alimentação saudável e acompanhamento multiprofissional (médicos, nutricionistas, profissionais de educação física e outros) auxiliam no controle do colesterol Foto: Blog da Saúde - Ministério da Saúde

Goiânia (GO) – A médica endocrinologista Daniela Viggiano, que atua no Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Goiás (HC-UFG), vinculado à Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh), esclarece o que é o colesterol, benefícios e malefícios, e a importância da prevenção de doenças cardiovasculares.

 1. O que é colesterol e quais as suas principais funções no organismo humano?

O colesterol é um tipo de gordura que faz parte da estrutura das células de nosso organismo e que é importante para a produção de alguns hormônios e, também, de vitaminas.

Algumas pessoas acreditam que ele é sempre maléfico, mas não é verdade. O efeito patológico se dá a partir do excesso no organismo da partícula LDL–colesterol (conhecida como colesterol ruim) e, também, do tipo de gordura ingerida.

Portanto, o ideal é manter uma dieta saudável, balanceada, sem excessos de gorduras saturadas (originadas da gordura de produtos animais), que são as maléficas, preferindo ingestão de gorduras mais saudáveis, presentes, por exemplos, nas castanhas, oliva, óleos vegetais.

O nível ideal depende do risco que cada pessoa tem de desenvolver problemas cardíacos provenientes do excesso do colesterol. Exemplos: os diabéticos, os indivíduos com história familiar de doença cardíaca, precisam manter níveis mais baixos de LDL- colesterol que os indivíduos sem nenhuma doença que aumente o risco cardiovascular.

2. Quais as principais causas do colesterol ruim e como diagnosticá-lo?

Como causas de dislipidemia (colesterol elevado de forma anormal ou gorduras no sangue), temos:

  • Causas genéticas;
  • Doenças que, quando não controladas, levam aumento do colesterol, como, por exemplo, algumas doenças renais, hipotireoidismo, obesidade, diabetes;
  • Alimentação inadequada, com alta ingesta de gorduras saturadas;
  • Sedentarismo;
  • Etilismo. 

Para o diagnóstico da dislipidemia, podemos dosar os níveis sanguíneos, através do perfil lipídico ou lipidograma, que é um exame coberto pelo Sistema Único de Saúde (SUS) e, no qual, podemos analisar as diferentes frações do colesterol. Este exame está indicado para os pacientes de risco de desenvolver doenças relacionadas à dislipidemia, como hipertensos, diabéticos, nefropatas (pessoas que possuem algum dano renal), cardiopatas, obesos e indivíduos com história familiar de doenças relacionadas ao colesterol.

 3. Somente os adultos têm problema de colesterol alto?

A dislipidemia é mais frequente nos adultos. Porém, ela não é exclusiva deles. Indivíduos portadores da alteração genética podem apresentar elevação do colesterol ruim desde a infância.  Devido, também, ao crescente número de casos da obesidade infantil, alimentação inadequada de nossas crianças - rica em gorduras saturadas e processadas, presentes nas comidas industrializadas, fast food, frituras, etc. - e ao aumento do sedentarismo (mais tempo em jogos eletrônicos, TV, computadores), a dislipidemia pode aparecer também na infância.

4. Muitos acreditam que as pessoas magras não possuem colesterol alto. Isso é verdade?

Como a dislipidemia está ligada também a hábitos de vida inadequados, é de se pensar que é mais prevalente em obesos. Isto é verdade, porém, não significa que atinja somente os obesos e que pessoas magras estão protegidas. Os magros podem ter dislipidemia ligada à herança familiar e aos hábitos inadequados. Ou seja, mesmo que magro, se mantem hábitos inadequados, como uma alimentação rica em gorduras saturadas e sedentarismo, pode apresentar dislipidemia.

O peso é um bom parâmetro para a saúde desde que associado a hábitos de vida saudáveis. De nada adianta ser magro e ter hábitos de vida inadequados.

 5. Quais as principais consequências do excesso de colesterol ruim?

A principal consequência do excesso de colesterol é o aumento do risco de o indivíduo apresentar um infarto agudo do miocárdio, um acidente vascular cerebral, ou seja, aumenta-se o risco de ter uma doença cardiovascular, que hoje, no Brasil, está entre as principais causas de mortalidade.

 6. Especialistas afirmam que o tratamento do colesterol é preventivo e permanente. Por quê?

O tratamento do colesterol deve ser preventivo e para a vida toda. O objetivo é reduzir o risco de ter uma doença cardiovascular e acidente vascular cerebral. Não adianta tratar por um período e depois abandonar o tratamento. Não existe cura, existe controle por medidas de hábitos de vida saudáveis associados ou não, a depender da indicação, aos medicamentos que reduzem o colesterol ruim. Sabemos que as placas de ateroma (que são as placas de colesterol que entopem os vasos), iniciam-se ainda nos jovens.  Por isso, é importante conversarmos sobre alimentação saudável e atividade física regular desde a infância.

Os exercícios físicos mais indicados são os aeróbicos, associados aos exercícios de ganho de massa muscular, mantendo uma proporção corporal saudável e uma boa capacidade cardiorrespiratória.

No HC-UFG não temos, na Endocrinologia, um ambulatório específico somente para a dislipidemia. Porém, todos os nossos pacientes, independentes da doença que tratam em nosso serviço, são orientados a terem hábitos de vida saudáveis, uma dieta balanceada e a prática de atividade física. Os pacientes de nosso serviço são categorizados por risco de doença cardiovascular e tratados com medicações quando indicado. Eles também são encaminhados para acompanhamento com o serviço de Nutrição, que nos auxilia na programação individualizada da alimentação saudável para os pacientes. O serviço de Cardiologia também acompanha esses pacientes.

7Considerações finais.

É importante que toda a população, independentemente da idade, entenda a importância de uma alimentação saudável, rica em fibras, com baixo teor de gorduras saturadas, rica em gorduras boas, como os óleos vegetais, das castanhas, dos peixes, com baixo teor também dos carboidratos simples que são os carboidratos refinados, como o açúcar, os sucos prontos, refrigerantes, farinhas brancas, associada à prática de atividade física regular. Esta conscientização previne diversas doenças e suas complicações, como o diabetes, doenças cardiovasculares, obesidade, acidente vascular cerebral, dentre outras.

Sobre a Ebserh

O HC-UFG faz parte da Rede Ebserh desde dezembro de 2014. Vinculada ao Ministério da Educação (MEC), a Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh) foi criada em 2011 e, atualmente, administra 40 hospitais universitários federais, apoiando e impulsionando suas atividades por meio de uma gestão de excelência.

Como hospitais vinculados a universidades federais, essas unidades têm características específicas: atendem pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS) e, principalmente, apoiam a formação de profissionais de saúde e o desenvolvimento de pesquisas. Os hospitais universitários são, por sua natureza educacional, campos de formação de profissionais de saúde. A Rede Ebserh não é responsável pela totalidade dos atendimentos de saúde do país, apenas atua de forma complementar ao SUS.

Com informações do HC-UFG/Ebserh

Saúde e Vigilância Sanitária