Notícias

Humanização

Hospital da Rede Ebserh/MEC no Recife produz luvas preenchidas com arroz para auxiliar na adaptação de recém-nascidos

Ação retoma sensação da vivência intrauterina nos momentos de ausência materna
Publicado em 13/09/2021 16h12 Atualizado em 15/09/2021 18h51
13092021 luvinha de arroz hc-ufpe.jpeg

As luvas proprioceptivas são indicadas quando o bebê é hiper-reativo, inquieto e/ou muito choroso

Recife (PE) – Camilly nasceu prematuramente no dia 9 de agosto no Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Pernambuco (HC-UFPE), unidade vinculada à Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh/MEC). Ainda um pouco irritada na adaptação ao novo mundo em que foi apresentada, a pequenina passou a contar com uma “mãozinha” para se acalmar. A equipe da Unidade de Cuidados Intermediários Canguru (Ucinca) adaptou luvas para procedimentos não-cirúrgicos preenchidas com arroz, que proporcionam um toque profundo e continuado, retomando à sensação da vivência intrauterina nos momentos de maior estresse e ausência materna.

Essas luvas proprioceptivas são um recurso facilitador das regulações de recém-nascidos, que maximiza as funcionalidades e auxilia na obtenção de respostas adaptativas ao ambiente extrauterino. Elas são indicadas quando o bebê é hiper-reativo, inquieto e/ou muito choroso, dificultando a manutenção de sua regulação e adaptação no ambiente hospitalar.

“Passo 24 horas com ela, mas à noite, quando ela fica mais irritada e chorando muito, eu coloco as luvas e ela se acalma, fica tranquila, e aí eu consigo descansar também”, afirmou Roseane, mãe da pequena. “Eu não fazia ideia da existência das luvas. Para acalmar a minha bebê, eu só conhecia o meu colo mesmo”, complementou, dando risadas.

A terapeuta ocupacional Débora Santos trabalha na Unidade Neonatal e foi a pioneira na utilização das luvas proprioceptivas no HC-UFPE/Ebserh. O recurso é utilizado desde 2017 no hospital universitário, mas não é conhecido por muita gente. “Um dos principais cuidados com o recém-nascido, prematuro e de baixo peso, ou mesmo aquele bebê que, embora tenha nascido no tempo certo, necessita de cuidados neonatais, é a neuroproteção. Uma das formas de atingi-la é sensorialmente, através do aconchego dos pais”, explicou Débora, acrescentando que a unidade neonatal é um local no qual nem sempre é possível a presença dos genitores 24 horas por dia por terem que cuidar de outros filhos, por possíveis intercorrências ou até mesmo pela ausência absoluta dos pais, no caso de bebês colocados para adoção.

“As luvas são utilizadas apenas nos casos de indicações, por profissionais especializados, como um recurso facilitador das respostas adaptativas do mesmo ao ambiente extrauterino, e não como substitutivas do contato humano. Por isso, a prioridade para manutenção do estímulo sensorial do toque é, primordialmente, a regulação pela mãe e/ou pelo pai do recém-nascido”, ressaltou Débora.

Sobre a Rede Ebserh

O HC-UFPE faz parte da Rede Ebserh/MEC desde dezembro de 2013. Vinculada ao Ministério da Educação (MEC), a Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh) foi criada em 2011 e, atualmente, administra 40 hospitais universitários federais, apoiando e impulsionando suas atividades por meio de uma gestão de excelência.

Como hospitais vinculados a universidades federais, essas unidades têm características específicas: atendem pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS), e, principalmente, apoiam a formação de profissionais de saúde e o desenvolvimento de pesquisas.

Devido a essa natureza educacional, a os hospitais universitários são campos de formação de profissionais de saúde. Com isso, a Rede Hospitalar Ebserh atua de forma complementar ao SUS, não sendo responsável pela totalidade dos atendimentos das regiões quem que os hospitais estão inseridos.

Com informações do HC-UFPE/Ebserh/MEC