Denunciar e buscar ajuda a vítimas de violência contra mulheres (Ligue 180) " Central de Atendimento à Mulher – Ligue 180"
Última Modificação: 09/04/2020
  • O que é?

    A Central de Atendimento à Mulher – Ligue 180 presta uma escuta e acolhida qualificada às mulheres em situação de violência. O serviço registra e encaminha denúncias de violência contra a mulher aos órgão competentes, bem como reclamações, sugestões ou elogios sobre o funcionamento dos serviços de atendimento.

    O serviço também fornece informações sobre os direitos da mulher, como os locais de atendimento mais próximos e apropriados para cada caso: Casa da Mulher Brasileira, Centros de Referências, Delegacias de Atendimento à Mulher (Deam), Defensorias Públicas, Núcleos Integrados de Atendimento às Mulheres, entre outros.

    A ligação é gratuita e o serviço funciona 24 horas por dia, todos os dias da semana. São atendidas todas as pessoas que ligam relatando eventos de violência contra a mulher.

    O Ligue 180 atende todo o território nacional e também pode ser acessado em outros 16 países.

  • Quem pode utilizar este serviço?

    Mulheres em situação de violência ou testemunhas de violência contra mulheres

  • Etapas para a realização deste serviço
    1. Fazer uma denúncia ou buscar acolhimento

      Basta discar o número 180. As ligações podem ser feitas de todo o Brasil, gratuitamente, de qualquer telefone fixo ou celular. O serviço está disponível diariamente, 24 horas por dia, incluindo sábados, domingos e feriados.

      Também é possível fazer uma denúncia pelo aplicativo Proteja Brasil (disponível para iOs e Android) ou pelo endereço humanizaredes.gov.br.

      Canais de prestação

        Telefone : 

      No Brasil: 180.

      As ligações podem ser feitas de todo o Brasil, gratuitamente, de qualquer telefone fixo ou móvel (celular): basta discar 180.

      Em outros países:

      Argentina – ligar para 0800 999 5500, discar 1 e informar o número 61 3799-0180.

      Bélgica - ligar para 0800 10055, discar 1 e informar o número 61 3799-0180.

      Espanha - ligar para 900 990 055, discar 1 e informar o número 61 3799-0180.

      Estados Unidos – ligar para 1800 745 5521, discar 1 e informar o número 61 3799-0180.

      França – ligar para 0800 999 5500, discar 1 e informar o número 61 3799-0180.

      Guiana Francesa – ligar para 0800 99 5500, discar 1 e informar o número 61 3799-0180.

      Holanda – ligar para 0800 022 0655, discar 1 e informar o número 61 3799-0180.

      Inglaterra – ligar para 0800 89 0055, discar 1 e informar o número 61 3799-0180.

      Itália – ligar para 0800 172 211, discar 1 e informar o número 61 3799-0180.

      Luxemburgo – ligar para 0800 2 0055, discar 1 e informar o número 61 3799-0180.

      Noruega – ligar para 8001 9550, discar 1 e informar o número 61 3799-0180.

      Paraguai – ligar para 0085 5800, discar 1 e informar o número 61 3799-0180.

      Portugal – ligar para 800 800 550, discar 1 e informar o número 61 3799-0180.

      Suíça – ligar para 0800 55 5251, discar 1 e informar o número 61 3799-0180.

      Uruguai – ligar para 000 455, discar 1 e informar o número 61 3799-0180.

      Venezuela - ligar para 0800 100 1550, discar 1 e informar o número 61 3799-0180.

      Tempo estimado de espera Até 1 minuto(s)

        E-mail : 
        Aplicativo móvel : 
        Postal : 

      Ouvidoria Nacional de Direitos Humanos

      Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos

      Esplanada dos Ministérios Bloco A

      CEP: 70.049-900 – Brasília, DF

        Presencial : 

      Ouvidoria Nacional de Direitos Humanos

      Esplanada dos Ministérios Bloco A – Térreo

      CEP: 70.049-900 – Brasília, DF

      Dias de atendimento: de segunda à sexta-feira, exceto aos feriados.

      Horário de atendimento: de 9h às 12h e de 14h às 18h.

      Tempo estimado de espera Até 20 minuto(s)

      Tempo de duração da etapa

      Atendimento imediato
    2. Acompanhamento da denúncia

      Após o registro, a denúncia é analisada e encaminhada aos órgãos de proteção, defesa e responsabilização em direitos humanos, respeitando as competências de cada órgão.

      Se o cidadão quiser acompanhar a denúncia, basta ligar para o Ligue 180 e fornecer os dados da denúncia.

      Canais de prestação

        Telefone : 

      No Brasil: 180.

      As ligações podem ser feitas de todo o Brasil, gratuitamente, de qualquer telefone fixo ou móvel (celular): basta discar 180.

      Em outros países:

      Argentina – ligar para 0800 999 5500, discar 1 e informar o número 61 3799-0180.

      Bélgica - ligar para 0800 10055, discar 1 e informar o número 61 3799-0180.

      Espanha - ligar para 900 990 055, discar 1 e informar o número 61 3799-0180.

      Estados Unidos – ligar para 1800 745 5521, discar 1 e informar o número 61 3799-0180.

      França – ligar para 0800 999 5500, discar 1 e informar o número 61 3799-0180.

      Guiana Francesa – ligar para 0800 99 5500, discar 1 e informar o número 61 3799-0180.

      Holanda – ligar para 0800 022 0655, discar 1 e informar o número 61 3799-0180.

      Inglaterra – ligar para 0800 89 0055, discar 1 e informar o número 61 3799-0180.

      Itália – ligar para 0800 172 211, discar 1 e informar o número 61 3799-0180.

      Luxemburgo – ligar para 0800 2 0055, discar 1 e informar o número 61 3799-0180.

      Noruega – ligar para 8001 9550, discar 1 e informar o número 61 3799-0180.

      Paraguai – ligar para 0085 5800, discar 1 e informar o número 61 3799-0180.

      Portugal – ligar para 800 800 550, discar 1 e informar o número 61 3799-0180.

      Suíça – ligar para 0800 55 5251, discar 1 e informar o número 61 3799-0180.

      Uruguai – ligar para 000 455, discar 1 e informar o número 61 3799-0180.

      Venezuela - ligar para 0800 100 1550, discar 1 e informar o número 61 3799-0180.

      Tempo estimado de espera Até 1 minuto(s)

      Tempo de duração da etapa

      Não estimado ainda
  • Outras Informações
    Quanto tempo leva?
    Atendimento imediato

    Este serviço é gratuito para o cidadão.

    Para mais informações ou dúvidas sobre este serviço, entre em contato

    Ligue 180


    Este é um serviço do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos . Em caso de dúvidas, reclamações ou sugestões favor contactá-lo.

    Tratamento a ser dispensado ao usuário no atendimento

    De acordo com a Lei nº 13.460, de 26 de Junho de 2017, o usuário de serviço público tem direito à adequada prestação dos serviços, devendo os agentes públicos e prestadores de serviços públicos observar as seguintes diretrizes:

    I - urbanidade, respeito, acessibilidade e cortesia no atendimento aos usuários;

    II - presunção de boa-fé do usuário;

    III - atendimento por ordem de chegada, ressalvados casos de urgência e aqueles em que houver possibilidade de agendamento, asseguradas as prioridades legais às pessoas com deficiência, aos idosos, às gestantes, às lactantes e às pessoas acompanhadas por crianças de colo;

    IV - adequação entre meios e fins, vedada a imposição de exigências, obrigações, restrições e sanções não previstas na legislação;

    V - igualdade no tratamento aos usuários, vedado qualquer tipo de discriminação;

    VI - cumprimento de prazos e normas procedimentais;

    VII - definição, publicidade e observância de horários e normas compatíveis com o bom atendimento ao usuário;

    VIII - adoção de medidas visando a proteção à saúde e a segurança dos usuários;

    IX - autenticação de documentos pelo próprio agente público, à vista dos originais apresentados pelo usuário, vedada a exigência de reconhecimento de firma, salvo em caso de dúvida de autenticidade;

    X - manutenção de instalações salubres, seguras, sinalizadas, acessíveis e adequadas ao serviço e ao atendimento;

    XI - eliminação de formalidades e de exigências cujo custo econômico ou social seja superior ao risco envolvido;

    XII - observância dos códigos de ética ou de conduta aplicáveis às várias categorias de agentes públicos;

    XIII - aplicação de soluções tecnológicas que visem a simplificar processos e procedimentos de atendimento ao usuário e a propiciar melhores condições para o compartilhamento das informações;

    XIV - utilização de linguagem simples e compreensível, evitando o uso de siglas, jargões e estrangeirismos; e

    XV - vedação da exigência de nova prova sobre fato já comprovado em documentação válida apresentada.


    Informações sobre as condições de acessibilidade, sinalização, limpeza e conforto dos locais de atendimento

    O usuário do serviço público, conforme estabelecido pela Lei nº 13.460, de 26 de Junho de 2017, tem direito a atendimento presencial, quando necessário, em instalações salubres, seguras, sinalizadas, acessíveis e adequadas ao serviço e ao atendimento.


    Informação sobre quem tem direito a tratamento prioritário

    Têm atendimento prioritário as pessoas com deficiência, os idosos com idade igual ou superior a 60 (sessenta) anos, as gestantes, as lactantes, as pessoas com crianças de colo e os obesos, de acordo com a Lei nº 10.048, de 8 de novembro de 2000.


Esta página foi útil para você?
Sim (646) Não (134)