Notícias

Retomada do turismo

Ampliada a malha aérea no Rio Grande do Sul

A partir de agosto, a Azul Linhas Aéreas passará a operar em 15 cidades no estado e possibilitará deslocamentos a 22 cidades desde a capital Porto Alegre
Publicado em 02/07/2021 14h49
Ampliada a malha aérea no Rio Grande do Sul

Ministro acompanhou anúncio de ampliação da malha viária da Azul Linhas Aéreas no Rio Grande do Sul. - Foto: Roberto Castro/MTur

Nessa quinta-feira (1º), o ministro do Turismo, Gilson Machado Neto, acompanhado do presidente da Embratur, Carlos Brito, participou do anúncio de expansão da malha viária da Azul Linhas Aéreas no estado do Rio Grande do Sul. A partir de agosto, a companhia ampliará de seis para 15 o número de cidades atendidas no estado, sendo oito rotas novas. A Azul oferecerá, ainda, deslocamentos para 22 cidades brasileiras com origem na capital, Porto Alegre.

“Esta iniciativa irá trazer mais conectividade e integração regional, preparando o Brasil para a retomada das atividades turísticas, a partir de maiores possibilidades de deslocamentos para nossos turistas de lazer e de negócios. Temos um grande país e uma capacidade de recuperação astronômica, que tem sido reconhecida. Uma prova disso é a recondução do Brasil ao Conselho Executivo da Organização Mundial do Turismo”, destacou o ministro do Turismo, Gilson Machado Neto.

Também presente, o secretário-executivo do Ministério da Infraestrutura, Marcelo Sampaio, pontuou os investimentos federais no setor aéreo, principalmente para o desenvolvimento da aviação regional. “Com o engajamento do Executivo, tanto dos ministérios do Turismo, da Economia e da Infraestrutura, e o Poder Legislativo, a gente consegue criar um ambiente favorável para investimentos para que a aviação continue crescendo no país. Nosso projeto é ter, nos próximos anos, 200 municípios integrados na malha nacional da aviação. Vamos, até dezembro, fazer um investimento de R$ 1 bilhão na aviação regional. Com mais infraestrutura e equipamentos possibilitamos uma navegação cada vez mais segura.”

 


Com informações do Ministério do Turismo