Notícias

Verde Brasil

Ministro da defesa faz sobrevoo em Rondônia

Segunda-feira, comitiva de ministros se reúne com governadores
Publicado em 30/08/2019 18h42 Atualizado em 30/08/2019 19h43
ministrodadefesasobrevoo.jpeg

Ministro sobrevoou parte da área de jurisdição da 17 Brigada de Infantaria de Selva Foto: Sargento Alexandre Manfrim/MD

O ministro da Defesa, Fernando Azevedo, sobrevoou, na manhã desta sexta-feira (30), a cidade de Porto Velho (RO) para acompanhar a Operação Verde Brasil, que completou uma semana no combate a incêndios e crimes ambientais na região da Amazônia Legal.

De acordo com o ministro, quatorze focos de incêndio no estado foram controlados pela Operação nos últimos dias. “Saio feliz com o que vi. Uma resposta muito rápida das Forças Armadas e de todos os órgãos”, afirmou Fernando Azevedo.

Os incêndios deste ano, segundo o ministro da Defesa, não são maiores que a média histórica brasileira para os períodos de seca (julho, agosto e setembro). “Este ano vai ficar numa média ou baixa. Nos anos de 2003, 2005, 2006, 2007 e 2008 foi lá em cima, duas vezes mais talvez do que vai acontecer este ano”, explicou.

Fernando Azevedo ressaltou que os incêndios são consequência do corte ilegal de madeira. “Ilegalmente eles fazem, na época da chuva, a queima da floresta. Aí cai a serra pra fazer pasto. Chega na época da seca, queimam aquelas árvores que eles retiraram pra realmente ter o pasto. Isso é ilegal”, disse.

A atuação do governo federal em Rondônia conta com quatro aeronaves Airtrek com capacidade de levar 2,5 mil litros de água, três helicópteros, dois aviões Hércules C-130 das Forças Armadas com capacidade de doze mil litros, 84 brigadistas, cerca de 150 soldados, além da Força Nacional e caminhões do Corpo de Bombeiros.

Ministro visita posto avançado em Rondônia Foto: Crédito Sargento Alexandre Manfrim/MD

Na próxima segunda-feira (02), uma comitiva de ministros se reunirá com governadores da Amazônia Legal em Belém (PA) e, na terça-feira (03), em Manaus. O objetivo é ouvir as demandas dos governadores e buscar soluções conjuntas para a preservação da floresta Amazônica e também para o desenvolvimento econômico da região. A comitiva será coordenada pelo ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni.

Operação Verde Brasil

A Operação Verde Brasil foi iniciada no último dia 24. A ação interagências, até o momento, conta com um efetivo de mais de 4.500 pessoas, cerca de 250 viaturas e 11 aeronaves.. Ao todo, as Forças Armadas possuem 43 mil homens disponíveis para atuar na região, que podem ser acionados conforme a necessidade.

Além do combate aos incêndios, a Operação envolve também a repressão e investigação de crimes ambientais com equipes da Polícia Federal e da Agência Brasileira de Inteligência (Abin).

Já em Brasília, cerca de trinta pessoas trabalham na sala de comando com monitores que observam todo o país, em tempo real, levantando os focos de calor. Nesta semana, o ministério da Economia anunciou repasse de R$ 38,5 milhões ao ministério da Defesa, que coordena as ações.

O Brasil também conta com a ajuda de outros países. O Chile vai enviar quatro aeronaves, um helicóptero e equipes especializadas. O Equador enviará brigadistas. Os Estados Unidos vão ajudar com três aeronaves e Israel com agente químico retardante de chamas.

Ligue 193

A população também pode ajudar. O governo pede para que a população comunique rapidamente às autoridades caso veja algum foco de incêndio. Basta ligar para o Corpo de Bombeiros, no número 193.

O uso do fogo está proibido, em todo país, por 60 dias. O prazo vai até o final de outubro. Estão isentas práticas de prevenção e combate a incêndios e de agricultura de subsistência executadas por indígenas e quilombolas, além das atividades de controle de pragas e doenças desde que autorizadas por órgão ambiental competente.

Amazônia Legal

A Amazônia Legal abrange os estados do Acre, Amapá, Amazonas, Pará, Rondônia, Roraima, Tocantins, Mato Grosso e Maranhão. Compreende uma área de mais de 5 milhões de quilômetros quadrados, o que corresponde a cerca de 61% do território brasileiro. Os dados são do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).