Notícias

MEIO AMBIENTE

Ararinhas-azuis retornam ao Brasil

Cinquenta aves vindas da Alemanha desembarcarão na cidade de Curaçá (BA), onde permanecerão em um centro de reprodução construído para abrigá-las
Publicado em 03/03/2020 16h29 Atualizado em 05/03/2020 11h36
Ararinhas-azuis estão de volta à Caatinga

Ave é considerada uma das espécies mais ameaçadas do mundo. - Foto: ICMBio

Nesta terça-feira (3), cinquenta ararinhas-azuis desembarcam no Brasil, no Aeroporto de Petrolina, em Senador Nilo Coelho (PE), vindas da Alemanha. Após o pouso, as aves serão levadas para a cidade de Curaçá, na Bahia, onde um centro de reprodução foi construído especialmente para recebê-las.

A primeira soltura da ararinha-azul está prevista para 2021. Ao longo deste período, segundo o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), os animais passarão por processo de adaptação e treinamento para viverem em vida livre.

As ararinhas-azuis são consideradas extintas na natureza desde o ano 2000, devido às ações de caçadores e traficantes de animais. Atualmente, existem 166 exemplares da ave mantidos em cativeiro. Além dos 13 no Brasil, há 147 na Alemanha, dois na Bélgica e quatro em Singapura, países que participam do Programa de Reintrodução da Ararinha-Azul.

O processo de retorno das araras-azuis ao Brasil faz parte de um acordo firmado no ano passado entre o ICMBio e a ONG alemã, Association for the Conservation of Threatend Parrots (ACTP), que mantém as aves.

Histórico

Descoberta no início do século 19 pelo naturalista alemão Johann Baptist von Spix, a ararinha-azul (Cyanopsitta spixii), espécie exclusiva da Caatinga brasileira, teve sua população dizimada pela ação do homem. O último exemplar conhecido na natureza desapareceu em outubro de 2000.

Desde então, os poucos exemplares que restaram em coleções particulares vêm sendo usados para reproduzir a espécie em cativeiro, quase todos no exterior. A ararinha é considerada uma das espécies de aves mais ameaçadas do mundo. Em 2000, foi classificada como Criticamente em Perigo (CR) possivelmente Extinta na Natureza (EW), restando apenas indivíduos em cativeiro.

Rara, a espécie vivia originalmente numa pequena região do interior de Juazeiro e Curaçá, no norte da Bahia, onde o Governo Federal criou, em junho de 2018, duas unidades de conservação: o Refúgio de Vida Silvestre da Ararinha-Azul (com 29,2 mil hectares) e a Área de Proteção Ambiental da Ararinha-azul (com 90,6 mil hectares), destinadas à reintrodução e proteção da espécie, e conservação do bioma da caatinga.

Confira o cronograma de Soltura

 

Com informações do ICMBio