Notícias

Emprego

Número de empregos preservados pelo Benefício Emergencial pode ser consultado online

Empresas de menor porte são as mais beneficiadas pelo programa do Governo Federal
Publicado em 26/04/2020 09h00 Atualizado em 30/04/2020 18h28
Número de empregos preservados pelo Benefício Emergencial pode ser consultado online

Mais de 3 milhões de empregos já foram preservados, - Foto: EBC

O Ministério da Economia disponibilizou o número de empregos preservados pelo Benefício Emergencial de Preservação do Emprego e da Renda (BEm), criado para enfrentar os efeitos econômicos da pandemia da covid-19. Os dados podem ser consultados por meio do site.

O benefício é concedido a trabalhadores que tiverem jornada reduzida ou contrato suspenso, e ainda há o auxílio emergencial para trabalhadores intermitentes com contrato de trabalho formalizado, nos termos da Medida Provisória 936/2020.

O BEm é custeado com recursos da União e pago aos trabalhadores independentemente do cumprimento de período aquisitivo, do tempo de vínculo empregatício ou do número de salários recebidos. O investimento do programa pode chegar a R$ 51,2 bilhões.

Em extração de informações realizada na noite da quarta-feira (22), os dados mostravam que 3.511.599 empregos já haviam sido preservados, com valores a serem pagos totalizando mais de R$ 6 bilhões e acordos firmados por 569 mil empregadores.

Deste total de benefícios, 59% (2.074.127) ocorreram a partir dos acordos entre trabalhadores e empresas com receita bruta anual menor que R$ 4,8 milhões, 34% (1.210.710) nos casos de empresas com receita bruta anual maior que este valor, e 6% (226.762) nos casos de empregados domésticos e de trabalhadores do Cadastro de Atividade Econômica da Pessoa Física (CAEPF).

Acordos relacionados à suspensão de contratos representavam 58,3% (2.045.799) do total. Nos casos de redução de jornada, 16% (562.599) eram para 50%, 12,1% (424.157) para 70%, e 8,9% (311.975) para 25%. Nos casos dos trabalhadores intermitentes, os benefícios correspondiam a 4,8% (167.069).  

Os estados que registraram o maior número de benefícios eram São Paulo (29,8%), Rio de Janeiro (10,8%), Minas Gerais (9,8%), Rio Grande do Sul (5,5%) e Paraná (5,4%).

A projeção do Ministério da Economia é de que o programa irá preservar até 8,5 milhões de empregos, beneficiando cerca de 24,5 milhões trabalhadores com carteira assinada. O principal objetivo da medida é reduzir os impactos sociais relacionados ao estado de calamidade pública e de emergência de saúde pública. 

Com informações do Ministério da Economia