Notícias

ECONOMIA

Atendimentos em agências do INSS estão suspensos por 15 dias

Trata-se de mais uma ação de proteção ao enfrentamento da emergência de saúde pública decorrente do coronavírus
Publicado em 19/03/2020 14h15 Atualizado em 19/03/2020 14h17
Atendimentos em agências do INSS estão suspensos por 15 dias

População idosa são os principais alvos do coronavírus - Foto: EBC

O Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) suspendeu, nessa quarta-feira (18), o atendimento nas agências físicas por 15 dias. O objetivo da medida é conter o avanço do coronavírus e preservar a saúde dos segurados. A medida foi determinada pela Portaria 375 que especifica que serão mantidos apenas atendimentos agendados para cumprimento de exigências de requerimentos de benefícios previdenciários e assistenciais; perícias médicas previdenciárias; avaliações e pareceres sociais dos benefícios previdenciários e assistenciais.

O INSS lembra que, assim que a situação normalizar, informará a todos os segurados a nova data, sem a necessidade de novo agendamento.

Além disso, para evitar aglomerações na sala de espera das agências, foi determinado que o acesso seja limitado apenas aos segurados agendados para os próximos 20 minutos de cada agendamento, em especial da perícia médica. Dessa forma, o acesso ficará restrito, evitando assim aglomeração de segurados no mesmo ambiente. Acompanhantes serão permitidos somente em situações indispensáveis.

Prova de vida

Instrução Normativa nº 22, de 17 de março suspende por 120 dias a prova de vida dos beneficiários. Atualmente o aposentado pelo INSS deve realizar a prova de vida uma vez a cada 12 meses e a data é definida pelo banco onde ele recebe o benefício.

A suspensão da prova de vida não afeta no pagamento de proventos ou pensões aos beneficiários.  A normativa define também que a regra não se aplica ao recadastramento de aposentado, pensionista ou anistiado político cujo pagamento do benefício esteja suspenso na data de publicação desta Instrução Normativa.

Com informações do Ministério da Economia, INSS e DOU