Notícias

Combate ao Coronavírus

Ciência e Tecnologia investe R$ 352,8 milhões em projetos de pesquisa

Investimentos serão para desenvolvimento de novos testes e materiais de saúde, estruturação de laboratórios e instalação de internet em unidades de saúde
Publicado em 20/05/2020 18h44 Atualizado em 20/05/2020 18h45
laboratório

Recursos devem ampliar capacidade de testes de detecção da Covid-19 - Foto: Banco de imagem

Cerca de 100 projetos de diversos setores de ciência, pesquisa e telecomunicações vão receber um aporte de R$ 352,8 milhões, segundo o Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC). O valor é referente a um crédito extraordinário autorizado por meio da Medida Provisória 962/2020

As pesquisas abrangem ações diversas, como: ampliação da capacidade de produção de testes rápidos e desenvolvimento de novos tipos de exames para detecção do SARS-CoV-2; desenvolvimento de respiradores mecânicos de baixo custo; estruturação de laboratórios; realização de testes clínicos de fármacos contra a Covid-19 e conexão à internet de unidades de saúde.

O ministro Marcos Pontes detalhou, nessa terça-feira (19), em coletiva à imprensa, como serão distribuídos os recursos nas diversas iniciativas do MCTIC.

“Essas são algumas das prioridades dos nossos investimentos. O MCTIC, pela sua natureza, é uma ferramenta de suporte de todos os outros ministérios nas ações de combate à Covid”, ressaltou Marcos Pontes. Segundo o ministro, todas as iniciativas são importantes porque o Brasil precisa estar preparado para responder rapidamente a viroses emergentes, como no caso da Covid-19.

A grande parte dos recursos, R$ 307 milhões, será aplicada via Fundo Nacional de Desenvolvimento de Ciência e Tecnologia (FNDCT), operado pela Finep, empresa pública vinculada ao MCTIC. O aporte de recursos via FNDCT deverá beneficiar diversos tipos de empresas no país, inclusive startups.

Por meio do Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM), organização social vinculada ao MCTIC, outros R$ 45 milhões serão aplicados em ensaios clínicos de fármacos e estruturação de laboratório de nível de biossegurança superior 3 e 4. Com atuação destacada no enfrentamento ao covid-10, o CNPEM também deverá utilizar os recursos na estruturação de unidade de biologia sintética; estruturação de unidade de desenvolvimento de kits diagnósticos precoces e tardios para a detecção de vírus e de unidade para triagem e reposicionamento de fármacos para tratamento de viroses emergentes.

Outra parte do crédito extraordinário, no valor de R$ 6,3 milhões, será utilizada na instalação de 1 mil pontos de conexão à internet via satélite para auxílio às ações relativas à pandemia em hospitais, unidades de saúde, postos de fronteira ou qualquer outro local remoto onde for necessária.

Com informações do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações