Notícias

Coronavírus

Ministro Marcos Pontes participa de reunião da Unesco para debater resposta à pandemia do coronavírus

O Brasil representou a América do Sul na teleconferência que contou com mais de 70 ministros de ciência e tecnologia de todo o mundo
Publicado em 30/03/2020 19h07
Ministro Marcos Pontes participa de reunião da Unesco para debater resposta à pandemia do coronavírus

País vem realizando pesquisas no sequenciamento genético do vírus e no desenvolvimento e aquisição de testes rápidos - Foto: Arquivo/Governo do Ceará

O ministro Marcos Pontes (Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações) participou, nesta segunda-feira (30), de uma teleconferência realizada pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) para debater ações conjuntas de todos os países para o combate à pandemia causada pelo novo coronavírus (Covid-19).

O encontro virtual reuniu representantes de 170 países para discutir o tema “Covid-19 e a Ciência Aberta”. O Brasil foi escolhido para representar a América do Sul.

Em sua participação, Marcos Pontes apresentou as principais ações do governo brasileiro para conter o novo coronavírus. Segundo o ministro, na área de ciência, o País vem realizando pesquisas no sequenciamento genético do vírus e no desenvolvimento e aquisição de testes rápidos e reagentes para testes, além de pesquisa em vacinas e medicamentos. 

Na área de tecnologia e produção, o ministro destacou o desenvolvimento de tecnologia para a fabricação de respiradores e ressaltou as ações para levar conectividade a todos os postos de saúde e infraestrutura para permitir o ensino à distância.
Pontes destacou, ainda, que a ciência é a única arma que pode combater o vírus e afirmou que “se há algo de positivo a respeito desse vírus, é a oportunidade de unir o planeta, colocar de lado as diferenças e trabalhar juntos para encontrar uma solução.”  

O ministro lembrou ainda da cooperação firmada entre o Ministério da Saúde e outros países para tratar sobre recursos e cooperação técnica e políticas públicas que cada país adotou para pesquisas científicas, vacina, remédios e mobilização de cientistas.
Ciência Aberta

No Brasil, o Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (Ibict) é uma das principais promotoras da ciência aberta no País. Em resposta à pandemia do novo coronavírus, a unidade de pesquisa disponibilizou uma plataforma que reúne pesquisadores e publicações científicas sobre o Covid-19. Foram mapeadas as pesquisa do Portal Brasileiro de Publicações Científicas em Acesso Aberto. A plataforma está disponível online. 

Além disso, o Ibict elabora um diretório de fontes de informação de acesso aberto do mundo inteiro. Em conjunto com a Associação Brasileiras de Editores Científicos (Abec), está construindo um repositório de pré-prints para que os pesquisadores brasileiros possam comunicar mais rápido o resultado de suas pesquisa, permitindo que o processo de avaliação e revisão exigidos pelas revistas científicas sejam mais rápidos.
Com informações do MCTIC