Notícias

Solidariedade

Governo entrega materiais para produção de kits a moradores em situação de rua

Projeto em parceria com os Correios e o Pátria Voluntária vai reaproveitar camisas de carteiros, malas e malotes para a fabricação de máscaras faciais, toucas, mochilas e sacos para dormir
Publicado em 14/05/2020 16h30
Caridade

Projeto já conta com apoio de 26 instituições que se cadastraram na plataforma do Pátria Voluntária - Foto: Banco de Imagens

Para estimular a responsabilidade social e o trabalho voluntário, o Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos (MMFDH), em parceria com os Correios e o Programa Pátria Voluntária, doa, a partir desta quinta-feira (14), tecidos para que entidades produzam materiais de saúde para população em situação de rua. O ministério tem demonstrado preocupação com esse público durante a pandemia.  

O projeto prevê o reaproveitamento de camisas de carteiros, malas e malotes postais inservíveis aos Correios para a fabricação de itens, como máscaras de proteção facial, toucas, mochilas e sacos para dormir.

Segundo o MMFDH, 26 instituições se cadastraram na plataforma do Pátria Voluntária para integrar o projeto. As instituições interessadas em participar da confecção e da distribuição do material podem se inscrever pelo site do programa.

A primeira doação já tem destino certo: o Centro Social Nossa Senhora do Bom Parto (BOMPAR), em São Paulo (SP), que atende cerca de dez mil pessoas em situação de rua e pretende produzir cerca de 30 mil máscaras para proteção individual.

Na próxima semana, está prevista a entrega de tecidos para a Associação de Mulheres de Negócios e Profissionais - BPW de Brasília (DF), instituição que atua no desenvolvimento do potencial profissional e liderança das mulheres.

As ações de reaproveitamento dos materiais serão desenvolvidas em consonância com as regras do programa Ecopostal dos Correios, que realiza o descarte adequado de materiais inservíveis para a empresa, transformando-os em outros objetos, de modo a reduzir o impacto ambiental e promover a solidariedade.

Com informações do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos