Notícias

HUMANIZAÇÃO

Mães ganham álbuns personalizados com fotos de bebês internados no Hospital Universitário Lauro Wanderley

Grupo de residentes multiprofissionais desenvolveu um projeto para confecção de álbuns com fotos dos recém-nascidos e contar a história de superação dos bebês.
Publicado em 03/05/2021 10h42 Atualizado em 03/05/2021 10h48
bd96c180-f817-47f5-aaf6-1838b12ceddb.jpg
7242ee22-f8cb-4da9-a1cc-21c016c23db8.jpg
44b2c961-baf8-4c47-8730-aace816db4bb.jpg
80d00fa9-c30e-4870-b876-f0bcf4b46c1e.jpg
0622f79b-c0a6-4134-9a6f-d0fcb30b0a61.jpg
6672378c-4e92-4595-b1a7-b615356736b5.jpg

Para uma mãe, as recordações de quando a criança nasce ficam sempre na memória, não há como esquecer. O momento quando a pega no colo logo após o parto, a primeira mamada, a primeira roupinha, e até mesmo a marquinha do pé (registrada pelo teste do pezinho) são lembranças para a vida toda. E, quando isso tudo é eternizado em forma de fotografia, a emoção é ainda maior.

Com a finalidade de registar esses momentos e presentear as usuárias com bebês internados na Unidade de Terapia Intensiva Neonatal (UTIN) e na Unidade de Cuidados Intensivos Neonatal (UCIN) do Hospital Universitário Lauro Wanderley (HULW-UFPB/Ebserh), um grupo de residentes multiprofissionais desenvolveu um projeto para fazer álbuns com fotos dos recém-nascidos e contar a história de superação dos bebês.

Segundo a equipe responsável pelo projeto, os principais objetivos são amenizar a angústia das mães que não podem acompanhar o dia-a-dia dos filhos e com isso tentar reduzir a ansiedade, além de promover o vínculo mãe e bebê, possibilitando uma forma de acompanharem a jornada de seus filhos. Tudo através da fotografia.

“Com a nova realidade da pandemia, as mamães que antes tinham acesso livre aos bebês agora precisam esperar seu horário para poder estar próximas dos filhos, pois as visitas estão restritas a poucas horas durante o dia. Pensando nisso, a equipe de residência multiprofissional da ênfase em Saúde da Criança e do Adolescente desenvolveu esse projeto em que fazemos fotos de todos os momentos do bebê”, disse a residente em Terapia Ocupacional e uma das idealizadoras do projeto, Débora Firino.

Cada mãe com filho internado na Unidade de Terapia Intensiva Neonatal e na Unidade de Cuidados Intensivos Neonatal (UCIN) é consultada sobre a participação no projeto, inclusive com autorização para captura de imagens dos seus nenéns. Detalhes como a cor e do tema do álbum são de livre escolha das mães, que definem também a ordem das fotos e das mensagens que compõem o material. Além da residente em terapia ocupacional Débora Firino, participam do projeto as residentes Renata Nóbrega (farmacêutica); Keyze Mirelly (enfermeira); Adálida Negreiros (fisioterapeuta); e Elisiandre Martins (nutricionista).

A ação teve início em dezembro de 2020 e seguiu até março de 2021 com a confecção de sete álbuns com histórias e fotos dos pequenos guerreiros. “O projeto foi suspenso, pois as residentes responsáveis estão no segundo ano da residência, período em que as práticas são externas ao hospital. O projeto voltará quando o próximo grupo de residentes multiprofissionais forem atuar na neonatologia”, explicou Débora Firino.

Recordações

Para a mãe do pequeno Caio Vinícius, o registro da história de superação enfrentada por eles foi um privilégio. “Foi na UTI Neonatal do Hospital Universitário Lauro Wanderley que conheci as residentes que, num momento tão singular, mágico e ao mesmo tempo apreensivo por conta da internação do meu bebê, fui agraciada com um presente ímpar, todo feito à mão, com o maior carinho. Um álbum de fotografia artesanal, delicado, cheio de emoção e informações da evolução do Caio Vinícius. Cada foto ali colocada contava a história de garra e superação que vivenciávamos”, lembra a mamãe Mônica Aleixo.

Sâmara Carla, mãe da bebê Jucymara, explica que o fato de estar afastada dos familiares dificultou ainda mais a travessia por esse momento difícil de internação da filha. “Passamos por várias etapas até chegar o dia de alta dos nossos bebês e esse projeto nos ajuda a superar tudo que estamos passando e ainda levamos lindas lembranças desses momentos únicos de vitória dos nossos filhos. Eu agradeço de coração a cada uma das profissionais que participaram desse projeto”, disse.

 

Por Jacqueline Santos - Jornalista HULW-UFPB/Ebserh

Saúde e Vigilância Sanitária