Como abrir os dados

Publicado em 27/11/2019 12h12 Atualizado em 05/12/2019 11h17

Há três normas-chave que se recomenda seguir no processo de abertura de dados:

  • Simplicidade. Comece com um plano pequeno, simples e rápido. Não é obrigatório que todo conjunto de dados seja aberto imediatamente. Um bom início é abrir somente um conjunto de dados, ou mesmo uma parte de um grande conjunto de dados (mas é claro que, quanto mais conjuntos se puder abrir, melhor).
  • Envolva-se com as comunidades logo no início do processo, e mantenha contato com elas. Dialogue com os usuários atuais e potenciais dos dados assim que puder, sejam eles cidadãos, empresas, organizações não governamentais ou desenvolvedores. É importante ter em mente que muitos dados não atingirão diretamente os usuários finais, mas isso acontecerá por meio de intermediários, que se apoderam dos dados e os transformam e recombinam para, então, reapresentá-los ao público.
  • Atenção aos medos comuns e mal-entendidos. Isso é especialmente importante quando se está trabalhando com ou dentro de grandes instituições de governo.

Ao abrir dados, surgirão muitos questionamentos (e medos), e por isso é essencial identificar os principais entraves e, então, resolvê-los o mais cedo possível. 

Passos principais para abrir os dados

Há três passos principais na abertura dos dados, que aqui são apresentados em ordem aproximada, pois alguns deles podem acontecer simultaneamente.

1. Escolha os conjuntos de dados que planeja abrir.
2. Disponibilize os dados estruturados e em um formato aberto reutilizável. Deve-se também considerar métodos alternativos de disponibilização, como uma API (application programming interface, ou interface de programação de aplicativo).
3. Torne-os mais fáceis de encontrar. Publique os dados na rede ou organize um repositório/catálogo central para listar todos os conjuntos de dados.
(texto adaptado do Manual de Dados Abertos W3C)