Notícias

Dia Mundial da Asma

Especialistas reforçam cuidados para controle da asma e prevenção de crises durante a pandemia

HU-UFSC tem atendimento ambulatorial e exames para pacientes asmáticos, encaminhados pelo Sistema de Regulação
Publicado em 04/05/2021 09h18 Atualizado em 04/05/2021 09h25

O Dia Mundial da Asma, lembrado na primeira terça-feira de maio, data criada com o objetivo de conscientizar sobre o controle da asma e prevenção de crises, ganha uma importância maior no cenário de pandemia da Covid-19, já que as infecções virais são causas frequentes destas crises e, por isso, pacientes asmáticos devem ficar em isolamento sempre que possível, especialmente os portadores de formas mais graves da doença.

No Hospital Universitário Professor Polydoro Ernani de São Thiago (HU-UFSC/Ebserh), há atendimento ambulatorial e realização de exames para pacientes com asma. O serviço é realizado por uma equipe especializada e os pacientes chegam ao hospital após consulta na rede básica de saúde, ou seja, é preciso ser encaminhado via Serviço de Regulação (Sisreg).

A chefe do Serviço de Pneumologia do HU-UFSC, a pneumologista Elaine Cristina Caon de Souza, disse que a campanha do Dia Mundial da Asma reforça a importância dos cuidados para estes pacientes. “Prevenção, vacinação e controle das crises são medidas fundamentais para esta população”, disse.

Especialistas e a Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia (SBPT) indicam que no Brasil a prevalência de asma é de 20% entre os adolescentes, por exemplo, e apenas 12,3% dos asmáticos estão com a doença bem controlada. No posicionamento oficial sobre o manejo da asma, a SBPT informa que o tratamento deve ser mantido durante a pandemia e recomenda a vacinação do paciente contra a gripe e o pneumococo. Sobre os nebulizadores convencionais, a SBPT não recomenda o uso, por causa de micropartículas que podem carrear o vírus para o pulmão e o ambiente.

A asma é doença inflamatória crônica das vias aéreas que causa falta de ar (dispneia), chiado na respiração (sibilos), sensação de aperto no peito e tosse.  Os sintomas da doença geralmente são desencadeados por alérgenos, como poeira, mofo, produtos químicos, alguns medicamentos, estresse e uma série de fatores.

Na maior parte dos casos, a doença tem controle por meio de um plano de ação definido junto ao médico e uso de medicamentos preventivos, como os corticoides inalatórios, isolados ou associados a broncodilatadores.
Confira o vídeo "O coronavírus e doenças respiratórias" da SBPT:

Unidade de Comunicação Social HU-UFSC/Ebserh.