Notícias

INOVAÇĀO

8ª cascata de ultracentrífugas na fábrica da Indústrias Nucleares do Brasil será inaugurada nesta sexta-feira (29)

A nova cascata aumentará em 20% a produção de urânio enriquecido no País e deve suprir 60% da necessidade da Usina de Angra 1
Publicado em 28/11/2019 19h48 Atualizado em 29/11/2019 10h50
8ª cascata de ultracentrífugas na fábrica da Indústrias Nucleares do Brasil será inaugurada nesta sexta-feira (29)

Visão geral Fábrica de Combustível Nuclear - INB Resende - Foto: INB

Na próxima sexta-feira (29), será inaugurada a 8ª cascata de ultracentrífugas na Fábrica de Combustível Nuclear da Indústrias Nucleares do Brasil (INB), em Resende (RJ). A cascata, que recebeu investimentos de cerca de R$ 18 milhões do Governo Federal este ano, é utilizada para enriquecimento de urânio. Esse procedimento é feito na por meio do processo de centrifugação por máquinas totalmente brasileiras desenvolvidas no Centro Tecnológico da Marinha, em São Paulo (SP).

A inauguração faz parte da primeira fase da implantação da Usina de Enriquecimento Isotópico de Urânio, projeto em parceria com a Marinha do Brasil. Previsto para ser concluído em 2021, ao final, o projeto atenderá 80% da demanda de Angra 1 com a instalação de dez cascatas ultracentrífugas.

O Diretor Técnico de Enriquecimento Isotópico da INB, Ricardo Soares Ferreira, ressaltou que, quanto maior a capacidade de o País enriquecer urânio, menor será sua necessidade de importação, gerando economia para o País. Segundo a INB, com o aumento da produção, o Brasil deve economizar R$6 milhões, além dos R$ 36 milhões anuais já economizados com a produção das sete cascatas em funcionamento. 

“Enriquecimento de urânio é o processo, dentro do ciclo do urânio, com maior valor agregado, ou seja, quanto maior a capacidade de o Brasil produzir urânio enriquecido, maior o valor agregado que traz para o País, em termos de divisas, reduzindo assim necessidade de importação de urânio enriquecido”, explicou.

A INB, empresa de economia mista vinculada ao Ministério de Minas e Energia, é responsável por fazer todo o ciclo de processamento de urânio no Brasil, desde a sua mineração até a produção de combustível nuclear.

Processo

Grande parte do isótopo de urânio encontrado na natureza é do tipo que não gera energia. O processo de enriquecimento é realizado para separar e aumentar a concentração do isótopo natural capaz de produzir energia.

A INB produz urânio enriquecido a até 5% em peso do isótopo 235 para a fabricação dos combustíveis que abastecem as usinas de Angra 1 e 2 e, no futuro, Angra 3.

Reconhecimento internacional


O Brasil faz parte de um grupo de 12 países reconhecidos internacionalmente pelo setor nuclear como detentores de instalações para enriquecimento de urânio com diferentes capacidades industriais de produção. São eles: Estados Unidos, China, França, Japão, Paquistão, Rússia, Holanda, Índia, Irã, Alemanha e Inglaterra.


Com informações do portal Indústrias Nucleares do Brasil