Notícias

#ManchanoLitoral

Ministro da Defesa confere ação de combate ao óleo no Nordeste

“A Operação está indo muito bem com um esforço muito grande. A Marinha navegou cerca de 20 mil milhas nesses dias", informou
Publicado em 28/11/2019 21h32 Atualizado em 29/11/2019 10h15
Ministro da Defesa confere ação de combate ao óleo no Nordeste

Ministro da Defesa, Fernando Azevedo

O ministro da Defesa, Fernando Azevedo, voltou ao Nordeste, nesta quinta-feira (28), para conferir de perto as ações de combate ao óleo que atinge o litoral da região. Em Recife (PE), ele visitou o navio-doca Bahia e o porta-helicópteros Atlântico, embarcações da Marinha que estavam atuando no monitoramento e limpeza do mar.

Segundo o ministro, o esforço integrado do governo está dando resultado. “A Operação está indo muito bem com um esforço muito grande. A Marinha navegou cerca de 20 mil milhas nesses dias. Fico satisfeito com os resultados”, pontuou.

Todos os anos, nesta época, a Marinha realiza a fiscalização do litoral brasileiro que, neste ano, foi deslocada para o Nordeste. O objetivo dos dois navios era monitorar principalmente manguezais e arrecifes.

Fernando Azevedo relatou que as grandes placas de óleo do início de setembro diminuíram. Voltaram a surgir no começo de outubro e, a partir de então, existem, segundo ele, “pequenos fragmentos que ainda estão aparecendo mais em direção ao Sul. Mas não deixou de aparecer no Maranhão, mas tudo em pequenas pelotas”.

Desde setembro, de acordo com o Grupo de Acompanhamento e Avaliação (GAA), as manchas de óleo atingiram 803 localidades, em algum momento. Há 19 dias não são encontradas manchas de óleo no mar e, na última semana, 99% das ocorrências correspondem a vestígios de óleo nas praias atingidas

Ainda de acordo com o GAA, nos últimos dias, não foram encontrados novos vestígios de óleo no estado do Rio de Janeiro. Ao todo, no estado, foram coletados 320 gramas de pequenos fragmentos de óleo, sendo 300 gramas na Praia de Grussaí, em São João da Barra, e 20 gramas na praia de Santa Clara, em São Francisco de Itabapoana.

Já no Espírito Santo, segundo o Ibama, 78 localidades apresentam manchas, e 22 já estão limpas. “No Espírito Santo e Rio de Janeiro acionamos mais um comando”, relatou Fernando Azevedo.

Desde o dia 2 de setembro, o governo atua na limpeza das praias, monitoramento, apuração de responsabilidades e minimização dos danos das manchas de óleo.

A Polícia Federal, com a ajuda da Marinha, está investigando os culpados pelo derramamento. “Já foram feitas várias requisições nos organismos internacionais, que são acordos marítimos internacionais que têm que ser seguidos. O inquérito está aberto ainda”, explicou o ministro. Nenhuma linha de investigação ou possibilidade está descartada, segundo o ministro.

Praias atingidas

Nesta semana, o GAA informou que estão com as praias limpas os estados do Ceará, Espírito Santo, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte e Rio de Janeiro.

As seguintes localidades permanecem com vestígios de óleo, com ações de limpeza em andamento: Araioses, no Maranhão; Japaratinga, Barra de São Miguel, Feliz Deserto, Barra de Santo Antônio e Piaçabuçu, em Alagoas; Aracaju, Pirambu e Barra de Santo Antônio, em Sergipe; Marau e Uruçuca, na Bahia.

O GAA é formado pela Marinha, Ibama e pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP).