Notícias

Meio Ambiente

ICMBio reforça combate ao fogo na Amazônia

publicado: 27/08/2019 19h25, última modificação: 30/08/2019 15h36
Agentes e brigadistas do Instituto participam da Operação Verde Brasil, esforço institucional para extinguir os focos de incêndio que atingem há algumas semanas estados da região
ICMBio reforça combate ao fogo na Amazônia

Ação conjunta em Rondônia Foto: 17ª Brigada de Infantaria de Selva

 O Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) está presente na Operação Verde Brasil, ação do governo federal para combater incêndios florestais que atingem a Amazônia Legal ao longo dos últimos dias. O Instituto se junta aos 43 mil militares das Forças Armadas que foram autorizados pelo presidente Jair Bolsonaro na última sexta-feira (23) a participar do combate aos focos de incêndio no Norte do País.

Além das Forças Armadas, foram mobilizados brigadistas do Instituto do Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (Ibama), parceiro do ICMBio no combate a incêndios, bombeiros militares dos estados e 30 bombeiros da Força Nacional que possuem experiência em emergências ambientais.

A Operação é comandada pela 17ª Brigada de Infantaria de Selva (17ª Bda Inf Sl) em sua área de responsabilidade (Rondônia e Acre) em continuidade à Operação Jequitibá, ocorrida na Floresta Nacional de Jacundá.

Em Rondônia, o ICMBio faz parte do Comando Unificado junto ao Corpo de Bombeiros Militares e Ibama. Nessa área, o incêndio está no nível 3 de acionamento, quando são mobilizadas forças nacionais. São três setores: base no distrito de Rio Branco, Floresta Nacional de Jacundá e Terra Indígena Tenharim Marmelos.

O governo federal disponibilizou R$ 38,5 milhões para atender de forma emergencial o combate ao fogo na Amazônia. Dentre outros custos, a verba é utilizada para suprir a necessidade com toda a estrutura necessária ao combate a incêndios: viaturas para o transporte de tropas, veículos aéreos para transporte a locais inacessíveis ou lançamento de água, materiais de combate diversos.

Dois aviões C-130 Hércules da Força Aérea Brasileira (FAB) estão na operação: um usado para lançamento de água e outro para transporte de tropas. Em Brasília, o ICMBio também participa do Centro de Operações Conjuntas (COC) que acompanha diariamente as ações na Amazônia. Técnicos e especialistas se revezam 24 horas por dia monitorando as informações das frentes de combate e coordenando operacionalmente o trabalho de todos os órgãos envolvidos.

A Operação Verde Brasil reitera os compromissos historicamente assumidos pelo Brasil de proteger e preservar a Amazônia e sua rica biodiversidade. O Brasil empreende todas as forças disponíveis no combate aos incêndios, principalmente pelo fato da Amazônia ser um bioma muito sensível ao fogo. Por isso, trabalha também na apuração e investigação de incêndios criminosos que constituem ilícitos ambientais passíveis de processos administrativos e criminais.

Seca

O período de seca, que começou em meados de julho e vai até outubro, costuma ser um momento crítico. Devido às altas temperaturas, baixa umidade e ventos fortes, o fogo se espalha com maior facilidade, inclusive “saltando” por rodovias. Por isso, o ICMBio se prepara previamente com diversas ações que vão da capacitação a trabalhos práticos, especialmente em unidades de conservação do Cerrado.

A principal estratégia adotada é a do Manejo Integrado do Fogo, que, dentre outras medidas, realiza queimas prescritas, com a intenção de diminuir o material combustível para a época da seca. Neste ano, o Instituto contratou 1.170 brigadistas para atuar nas unidades de conservação.

Fonte: Ministério do Meio Ambiente