Comércio

Um pouco sobre o setor comercial da Zona Franca de Manaus

'Revista Manchete' (1983) - Produtos da ZFM no Teatro AmazonasO Comércio compõe a tríade de desenvolvimento econômico da Zona Franca de Manaus – ao lado da Indústria e da Agropecuária – conforme prevê o decreto de criação do modelo (Decreto-lei no 288/1967).

Em seus primeiros anos, a Zona Franca tornou-se um importante centro comercial de importação. O governo federal, em decorrência da crise de petróleo na década de 70, não permitia importações e nem a saída de brasileiros para o exterior. Dessa forma, Manaus tornou-se a única cidade brasileira onde o comércio de mercadorias estrangeiras podia ser praticado livremente. A Zona Franca era a opção de acesso às novidades importadas de todo o mundo.

Com o crescimento do comércio, a cidade alavancou também o setor de serviços, com a expansão do setor hoteleiro, das atividades bancárias e a necessidade de um aeroporto internacional, atraindo investidores e comerciantes om experiência internacional das mais diversas procedências. No final dos anos 70, foram liberadas as viagens ao exterior com a permissão para entrada de bagagens até 100 dólares. Começavam as dificuldades do setor comercial da Zona Franca de Manaus que, a partir de então, passaria a receber visitantes somente em determinadas épocas do ano, com grandes promoções.

Com a abertura comercial nacional, iniciada no fim da década de 80 e gradativamente consolidada nos anos 90, o polo comercial da Zona Franca de Manaus, que chegou ao nível máximo de 80 mil empregos, sofreu uma queda significativa ao mesmo passo que o polo industrial passou a tornar-se protagonista na economia da região.

Atualmente, o comércio, junto ao setor de serviços, representa 57% da atividade econômica do Estado do Amazonas. Essa movimentação econômica expressiva também ocorre nos demais Estados de abrangência da Suframa (Acre, Roraima, Rondônia e Amapá). Isto se dá porque além dos incentivos fiscais da Zona Franca de Manaus, a Suframa também administra os incentivos da Amazônia Ocidental (Amoc) e das Áreas de Livre Comércio (ALCs).

Para saber mais sobre o pacote de incentivos, acesse a Cartilha de Incentivos Fiscais.